Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


'O quebra-quebra geral não tem nada a ver com anarquismo', diz leitor
Em tempo, o próprio Jesus desobedeceu as leis judaicas e teve seu momento de irritação com os vendilhões do templo. A...
Empresário: valor e voz para transformar o Brasil
A atividade empresarial é reconhecida no mundo inteiro como parte essencial da vida econômica das nações.
veja mais

 
22/03/2010 - 07:35 - Pioneiros no debate sobre drogas

LUIZ EDUARDO CERQUEIRA MAGALHÃES

Há 30 anos, a questão das drogas já incitava encontros e projetos, em SP, liderados por um padre canadense e um médico franco-alemão

AS RECENTES discussões sobre descriminalização da maconha, que incluem os importantes argumentos de defesa apresentados pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, trazem à memória as primeiras reflexões no âmbito educacional sobre consumo de drogas. Há 30 anos, a questão incitou encontros e projetos, em São Paulo, liderados por um padre canadense e um médico franco-alemão.

No início de 1959, chegou a São Paulo, para lecionar filosofia no colégio Santa Cruz, um padre canadense que se tornaria figura de relevo para a sociedade brasileira. Trazia vasta bagagem cultural, obtida ao longo de sólida formação na Universidade de Montreal: bacharel em artes e humanidades, doutor em teologia e professor de filosofia.

Esse padre assimilou com rapidez a língua portuguesa, que passou a utilizar com grande fluência. Foi ídolo de uma geração de alunos com os quais era visto -de camisa vermelha, uma excentricidade na época- nas choperias em voga a discutir assuntos existenciais ou a literatura obrigatória em seu curso: Dostoiévski, Camus, Sartre, Kafka e Hermann Hesse, entre outros autores.

Publicou em vida cerca de 45 livros. Boa parte de sua obra foi dedicada à moral conjugal, introduzindo posições avançadas para a época, em textos que hoje podem soar anacrônicos. Publicou, também, uma enormidade de artigos para jornais e revistas, transformando-se em articulista assíduo desta Folha.

Em 1965, tornou-se vice-diretor-geral do colégio Santa Cruz. Homem vibrante, polêmico, exímio orador, foi logo descoberto pela mídia: dominava a linguagem do rádio e da TV e, por isso, era muito requisitado a participar de debates. Durante o regime militar, chegou a ter problemas com a censura pela participação em programas televisivos.

Leitor voraz, empilhava os livros ao lado da poltrona, ordenados por prioridade de interesse. Ao ler, arquivava seus grifos em fichas numeradas nas quais fazia transcrever as frases por assuntos. Marxismo, imperialismo, tempo, drogas, sexualidade, amor, angústia e assim por diante. Deixou mais de 70 mil dessas fichas, que estão em processo de digitalização para figurarem na biblioteca do colégio Santa Cruz.

Veio a falecer em setembro de 1987, após ter trabalhado na adaptação para a TV de suas últimas obras: "Adolescência e Sexualidade", "Aids: Prevenção/Escola"; "Drogas: Prevenção/Escola". No dia fatídico de seu acidente vascular cerebral, havíamos passado a tarde juntos, ele, José Bonifácio Coutinho Nogueira e eu, discutindo essa produção.

Terminada a reunião, ele se dirigiu à sua última conferência, durante a qual caiu sobre a mesa e não mais recobrou a consciência. Tratava-se do padre Paul-Eugène Charbonneau -padre Eugênio, para os amigos, Charbonneau, para o público.

Em 1983, eu era vice-diretor-geral do colégio Santa Cruz e com frequência me reunia com a professora Malu Montoro Jens para conversar sobre problemas da escola.

Às vezes, padre Charbonneau vinha participar desses diálogos. A fumaça e o odor de charuto precediam sua presença, anunciando que teríamos ótima companhia.

Numa dessas tardes, ponderávamos sobre o pouco conhecimento que tínhamos a respeito de drogas e a necessidade de nos prepararmos para enfrentar esse problema. Padre Charbonneau sugeriu que convidássemos psiquiatras ou psicanalistas de São Paulo que cuidavam de adolescentes para nos introduzir ao tema.

Depois do segundo encontro com esses especialistas, padre Charbonneau (quem o conheceu recordará o gesto) bateu firme na mesa e disse: "Meus filhos, aqui não aprenderemos nada. Precisamos encontrar quem nos ensine. Vou descobrir no mundo quem entende disso".

Um mês e meio depois, ele nos procurou: "Descobri o homem. Trata-se de um alemão naturalizado francês que criou, em Paris, o Instituto Marmottan, de recuperação de drogados, talvez o mais importante do mundo, e que é autor de vasta obra científica sobre o assunto. Consigo com o Rotary Club, por meio do diretor Gino Pereira dos Reis, verba para a sua vinda". Claude Olievenstein veio a São Paulo pela primeira vez em setembro de 1984 e, depois disso, algumas outras vezes até 1990.

Para a primeira visita de Olievenstein, criamos uma comissão formada por membros da Faculdade de Medicina da USP, da Faculdade Paulista de Medicina, de um grupo liderado pelo psiquiatra Richard Kanner - integrado por Maria de Lurdes Zemel e Francisco Algodoal, entre outros.

Olievenstein fez sua conferência inaugural para os pais de nossos alunos sobre o tema das drogas, numa época em que falar disso nas escolas era tabu. Suas ideias constituem a base de nosso projeto atual de prevenção do uso de drogas.

Em sua penúltima vinda a São Paulo, minha mulher perguntou-lhe: "Dr. Olievenstein, Sartre está morto, Simone de Beauvoir, morta. Expoentes do pensamento francês, muitos dos quais vieram ao Brasil na missão que fundou a USP, como Roger Bastide, Fernand Braudel e Pierre Mombeig, já se foram. Lévi-Strauss beira os 80 anos. Quem seria, hoje, o mais representativo intelectual francês?". E ele respondeu: "Madame, je crois que c'ést moi" (Senhora, creio que sou eu). Percebi então que aquele alemão era um francês de verdade.

LUIZ EDUARDO CERQUEIRA MAGALHÃES , 64, é diretor geral do Colégio Santa Cruz e membro do Conselho Estadual de Educação de São Paulo.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. debates@uol.com.br

Folha de São Paulo – 12-03-2010

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Folha de São Paulo
Imprimir   enviar para um amigo
voltar  
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 04 DE ABRIL DE 2018
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 04 DE ABRIL DE 2018 -01- Assunto: Reclamação via SITE RECLAMANDO de Natalia Nascimento Clemente Data: 30.01.2018 18:38 De: Para:
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE COMPRARAM PELA INTERNET E FORAM PREJUDICADOS – RESPONDIDAS EM: 03/03/2018
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE COMPRARAM PELA INTERNET E FORAM PREJUDICADOS – RESPONDIDAS EM: 03/03/2018 -01-Assunto: Reclamação via SITE RECLAMANDO de CARLA C. FRETESCHI do NASCIMENTO Data: 14.02.2018 14:06 De: Para:
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 15 DE JANEIRO DE 2018
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 15 DE JANEIRO DE 2018 -01- Assunto: Reclamação via SITE RECLAMANDO de Lauriana Cristina Data: 02.01.2018 15:41 De: Para:
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 27 DE DEZEMBRO DE 2017
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 27 DE DEZEMBRO DE 2017 -01- Assunto: Reclamação via SITE RECLAMANDO de Gean Anderson Silva Data: 02.11.2017 14:48 De: Para:
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– 29 DE OUTUBRO DE 2017
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– 29 DE OUTUBRO MDE 2017 -01- Assunto: Reclamação via SITE RECLAMANDO de Sahira Branco Data: 26.10.2017 14:18 De: Para:
RECLAMAÇÃO DE EDIVALDO ROCHA
POR FAVOR DR, JOSÉ DO ESPIRITO SANTO, COMO CONSIGO ESSA APÓLICE, ATENCIOSAMENTE, EDIVALDO SILVA ROCHA. E edivaldo.rocha@bol.com.br Responder| dom 08/10, 18:46 Você BOA NOITE PESSOAL DA Checozzi & Advogados Associados! MEU NOME É EDIVALD
RECLAMAÇÃO DE EDIVALDO ROCHA
POR FAVOR DR, JOSÉ DO ESPIRITO SANTO, COMO CONSIGO ESSA APÓLICE, ATENCIOSAMENTE, EDIVALDO SILVA ROCHA. E edivaldo.rocha@bol.com.br Responder| dom 08/10, 18:46 Você BOA NOITE PESSOAL DA Checozzi & Advogados Associados! MEU NOME É EDIVALD
Reclamação contra Revista Abril - Revista Princesa
De : Lurdes Bueno Data: 24/09/2017 17:47 (GMT-03:00) Para: espirito_santo1943@hotmail.com Assunto: Revista abril Sou assinante da revista princesas a anos da editora abril..sempre fiz várias reclamações porqu
RECLAMAÇÃO E ELOGIO DE CONSUMIDOR
Levei à Refrigeração França, foto acima, um bebedouro elétrico marca Beliere, modelo Juninho para substituir uma das torneiras. O aparelho voltou com vazamento. Levei de volta para resolver o problema, mas o vazamento continuava. O diagnóstico técnico fo
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 19 DE AGOSTO DE 2017
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 19 DE AGOSTO DE 2017 -01- Nome Completo: Andreia Borges E-mail: andreia-borges-2012@Hotmail. com Cidade: São Paulo Estado: SP Conheceu: Não conheço só comprei a

Total de Resultados: 14187

Mostrando a página 1 de um total de 1419 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover