Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


A carga oceânica de processos judiciais
Durante o discurso de abertura do ano judiciário, ocorrido em 2 de fevereiro, o presidente do Supremo Tribunal Federal,...
O redespertar das ruas
Manifestações pacíficas são legítimas e reforçam a democracia. Manifestações violentas não contribuem para avançar na...
veja mais

 
07/08/2013 - 19:44 - Pouco equipado, SUS atende 80% da demanda

Gazeta do Povo - 06-08-2013

http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1396974&tit=Pouco-equipado-SUS-atende-80-da-demanda

André Rodrigues/Gazeta do Povo

André Rodrigues/Gazeta do Povo / Rosi Leal mostra o ecógrafo “no plástico” em Itaperuçu: salário de R$   10 mil não seduziu médicos Rosi Leal mostra o ecógrafo “no plástico” em Itaperuçu: salário de R$   10 mil não seduziu médicos

Saúde

Pouco equipado, SUS atende 80% da demanda

Metade dos aparelhos médicos do país está a serviço da rede privada, que acolhe apenas 20% dos pacientes

Apesar de assistir 80% dos brasileiros que procuram atendimento médico, o Sistema Único de Saúde (SUS) tem à disposição a metade dos equipamentos clínicos em operação no país. No caso de aparelhos para diagnóstico por imagem, a situação é pior: apenas um terço do total serve ao SUS, segundo o banco de dados do Ministério da Saúde. Proporcionalmente à demanda, existem mais equipamentos alocados na rede privada do que na pública. A única exceção é na área de manutenção da vida, como respiradores mecânicos, reanimadores e desfibriladores. Aproximadamente 67% dos 515.596 equipamentos estão a serviço do SUS.

No Paraná, o panorama é semelhante. Perto de 50% dos aparelhos são usados no atendimento público e 33% dos 8.682 equipamentos de diagnóstico por imagem (raio-x, mamografia e ecografia, por exemplo) pertencem ao SUS. Outro problema é a distribuição desigual dos aparelhos. No Paraná, 37% dos equipamentos por imagem, por exemplo, se concentram em seis das maiores cidades do estado (veja infográfico).

Desperdício

Sem médico para operar, máquina de ecografia está parada há três anos

Em Itaperuçu, a cerca de 30 quilômetros de Curitiba, o problema não é a falta de equipamentos. A cidade de quase 24 mil habitantes batalha há três anos para que algum médico aceite trabalhar no município e coloque em funcionamento o aparelho de ecografia doado pelo governo do estado em 2011.

Rosi Faria Leal, enfermeira-chefe da unidade de saúde, explica que apenas um médico pode operar o equipamento. “Os pacientes acabam encaminhados para Curitiba”, diz.

O secretário municipal de Saúde, Anderson Santos Lara, informa que está em negociação para contratar um profissional. “Ele já veio analisar o equipamento e esperamos que aceite o emprego”, afirma. Segundo Lara, além desse especialista, o município precisa de outro clínico-geral. “Oferecemos um salário que chega a R$   10 mil mensais, mas eles não se interessam”, lamenta.

Atualmente, a cidade tem 11 médicos e três unidades de saúde. “Caso uma unidade esteja sobrecarregada, nós fazemos uma permuta de médicos ou até de pacientes. Agimos assim para não deixar os moradores sem cuidados médicos”, explica o diretor da Unidade de Saúde da Criança e da Mulher, Adriano Sales.

R$   7,4 bilhões

O Ministério da Saúde informa que está investindo R$   7,4 bilhões em reformas e construção de postos, e na compra de equipamentos pa­­ra unidades básicas de saúde (UBS), unidades de pronto-aten­di­mento (UPAs) e hospitais para melhorar a estrutura de saúde no país. Para o Paraná, o ministério prevê R$   149,3 milhões para obras em 1.024 UBS e R$   17,8 milhões para compra de equipamentos para 334 unidades básicas. Também se­rão investidos R$   189,9 milhões na compra de equipamentos para 186 hospitais.

INFOGRÁFICO: Má distribuição geográfica e baixo número de equipamentos de saúde dificultam atendimento

Para o presidente do Con­selho Regional de Me­di­cina do Paraná (CRM-PR), Ale­xandre Bley, os números demonstram a necessidade de o poder público investir mais em estrutura para dar condições de trabalho aos médicos. “Com o avanço da tecnologia, equipamentos para a realização de exames são necessários para evitar possíveis erros. Mas o governo não disponibiliza esses meios para que possamos trabalhar de forma adequada na saúde pública”, explica.

Argumento

A falta de estrutura de trabalho é o principal argumento da classe médica para justificar o baixo índice de profissionais nas periferias do país. No Paraná há uma média de 1,87 médico para cada mil moradores, segundo o estudo Demografia Médica no Brasil, do Conselho Federal de Medicina (CFM). Se levar em contar apenas profissionais que atuam no SUS, a taxa no Paraná cai para 1,06.

No Brasil, a proporção de profissionais na saúde pública é a metade da taxa total. Enquanto no SUS a razão é de um 1,11 médico para cada mil habitantes, a relação nacional é de 2 para cada mil. Na Argentina, por exemplo, a média é de 3,2 médicos por mil moradores.

A desigualdade na distribuição dos profissionais fica evidente quando se compara municípios de diferentes portes. Curitiba, por exemplo, tem 5,7 médicos por mil moradores enquanto a média em cidades de 10 mil a 50 mil habitantes no estado é de 0,6.

Segundo Bley, a baixa qualidade de vida de algumas cidades e a falta de perspectiva de uma carreira no SUS também afastam os profissionais. “Hoje a contratação dos médicos é, na maioria dos casos, terceirizada. Não existe um plano de carreira.”

Equipamento não é desculpa para falta de médico, diz especialista

A professora do Depar­ta­men­to de Saúde Coleti­va da Universidade de Brasília (UnB), Ximena Pamela Bermudez, é categórica ao afirmar que equipamentos não são suficientes para salvar vidas. “Primeiro precisamos de médicos onde não tem. A ideia de que a tecnologia resolve tudo é equivocada”, ressalta. Segundo o Ministério da Saúde, 80% dos problemas de saúde podem ser resolvidos na atenção primária, com ações de prevenção e diagnóstico precoce.

“A medicina é uma ciência voltada ao lado social, para salvar vidas. Se tivesse médico em lugares remotos do país haveria atenção básica pelo menos”, diz Ximena. “Infelizmente, os médicos não vão para cidades de menor porte. Há falta de conhecimento sobre essa necessidade. Muitos ainda têm uma visão individualista e, até mesmo, mercantilista da profissão”, afirma a professora.

Trabalho

O presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Luis Eugenio Portela, acredita que a falta de médicos não se trata especificamente da falta de equipamentos, mas também das condições de trabalho. “Por condições de trabalho, entendo desde salários e carreiras passando pela questão da falta de organização de redes integradas de serviços”, diz. Segundo ele, a má distribuição de riqueza no país interfere no processo. “Se as cidades do interior tivessem melhores condições de vida, com boas escolas, bons cinemas, bons shopping centers, certamente, teriam bons centros de saúde e atrairiam muitos médicos”.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
voltar  
Desaposentação
Desaposentação O que é? Como o tema vem sendo tratado? Você tem direito? Salvar • 95 comentários • Imprimir • Reportar Publicado por Victor Wakim Baptista - 2 dias atrás 67 Desaposentao Imagem: Arte/UOL O presente artigo, voltado especialmen
Saída de Barbosa gera debate sobre perdas com aposentadorias ‘precoces’
Carlos Humberto/STF / Barbosa: ministro deve se dedicar à vida acadêmica e dar palestras Barbosa: ministro deve se dedicar à vida acadêmica e dar palestras DISCUSSÃO Saída de Barbosa gera debate sobre perdas com aposentadorias ‘precoces’ Ministro irá
Previdência privada: avanços e precauções
artigo Previdência privada: avanços e precauções Publicado em 19/05/2014 | Melissa Folmann E o brasileiro descobriu a previdência! Esta é a constatação quando se analisa o cenário econômico e social do Brasil nos últimos 10 anos. Isso porque fo
Auxílio-doença dispara e eleva rombo na PrevidênciaGUSTAVO PATU
A Folha questionou o Ministério da Previdência sobre a evolução recente do programa, mas não houve resposta
Aposentadorias achatadas
Outros, desinformados ou preguiçosos, se acomodam. Para estes, um alerta: a preguiça caminha tão lentamente que a pobreza não precisa se esforçar muito para alcançá-la.
Senado aprova atendimento domiciliar do INSS a idosos doentes
Rebecca Garcia disse que, como a legislação brasileira concede aos idosos benefícios como isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para aquisição de veículos
SUS desativou quase 13 mil leitos entre 2010 e 2014
No estado do Rio de Janeiro, 4.621 leitos foram desativados desde 2010. No Nordeste, a maior queda foi no Maranhão (-1.181).
STJ aprova troca de aposentadoria sem devolução de valores pagos
O tribunal também entendeu que o aposentado que pedir o novo benefício não precisa devolver os valores já recebidos.
Aposentadoria especial para quem?
Logo, os profissionais acima citados, bem como aqueles que trabalharam 25 anos expostos a agentes insalubres, conseguem se aposentar com menor tempo e com uma aposentadoria mais benéfica, independentemente da idade.
O melhor plano de previdência...
Para quem quer garantir a tranquilidade da família, outra opção é casar a aposentadoria privada com um seguro de vida. Os dois produtos podem ser contratados paralelamente e devem ser avaliados de forma conjunta.

Total de Resultados: 353

Mostrando a página 1 de um total de 36 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover