Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


PPP para a educação pública
ENQUANTO A imprensa internacional, o governo e os empresários promovem o Brasil como a nova potência econômica mundial,...
Coluna do leitor
Para os pedestres utilizarem mais as ruas (Gazeta, 19/3), é necessário mais segurança. Como vivemos com altos índices de...
veja mais

 
04/06/2014 - 09:14 - O linchamento dos linchadores

O linchamento dos linchadores

Publicado em 04/06/2014 | Rodrigo Faucz Pereira e Silva

O caso de Fabiane Maria de Jesus causou indignação em todo Brasil, chamando atenção para uma questão que merece uma maior reflexão por parte da sociedade: o anseio por se fazer justiça com as próprias mãos.

No dia 3 de maio, ao voltar para casa, Fabiane foi cercada e agredida impiedosamente até a morte. Confundida com uma sequestradora, foi xingada, amarrada, humilhada, pisada, chutada, espancada com paus, pedras, barras, rodas, e o que mais tinham à mão. Fabiane era inocente. Mas não é a inocência que deveria ser o fator que causa indignação, mas sim o fato de que os justiçamentos continuam a ocorrer.

“Punição coletiva” e “legítima defesa da sociedade” são incompatíveis com quaisquer concepções que a expressão “justiça” possa assumir. Não existe “justiça” no termo “justiça com as próprias mãos”.

Ultimamente é frequente a divulgação na mídia de “bandidos” amarrados, “assaltantes” surrados, “criminosos sexuais” espancados. Todos escritos entre aspas justamente porque nenhum desses “criminosos” foram condenados pelo crime que os levou à “punição”.

Cada vez que um defensor do “bandido bom é bandido morto” se manifesta, cada vez que se clama por uma atuação enérgica por parte da polícia, cada vez que se aplaude a ação de populares que prende e espanca suspeitos, legitima-se a punição coletiva calcada no ódio e na vingança.

Em qualquer país democrático, para que alguém seja considerado culpado, é indispensável que seja processado e condenado. Isso deriva de princípios sempre criticados pelos grupos de justiceiros. Esses grupos, formados inclusive por políticos, jornalistas e até por juristas de renome, surfam na onda do sentimento de insegurança em que vivemos, amealhando votos, popularidade e audiência.

Esses grupos não percebem que os princípios que estão previstos na Constituição não são meros enfeites. Os princípios, tais como os que garantem que alguém somente pode ser condenado após processo regular, existem para nos proteger. Os justiceiros criticam os discursos a favor dos Direitos Humanos, mas, sem sombra de dúvida, clamarão por esses mesmos direitos quando algum amigo, familiar ou si próprio estiver naquela condição.

É imperativo que se entenda que os direitos não são os direitos da Fabiane, ou do João, ou do bandido, ou do réu, mas sim são meus, são seus, são de todos nós quando e se formos acusados.

Agora começou o linchamento (moral) dos linchadores. Contudo, perceba-se que são pessoas comuns sendo presas. Repito: comuns. Sempre que um crime repugnante ocorre, a mídia e a sociedade trata de retirar do acusado a qualidade de “ser humano” e passa a taxá-lo de “monstro”, pois assim é mais fácil de odiar, de punir, de linchar.

Não é porque agiram inseridas no contexto da multidão, ou porque foram inflamados pela disseminada indignação pela (in)segurança pública, ou porque todos os dias assistem na tevê ou na internet que bandido bom é bandido morto, que não responderão por seus atos. Devem responder sim. Mas devem ter seus direitos respeitados, apesar de terem cometido um ato absolutamente bárbaro e abominável.

Ao respeitar os direitos dos linchadores, estar-se-á respeitando os mesmos direitos que foram negados à Fabiane Maria de Jesus. Ao garantir aos linchadores todos os direitos previstos em nosso ordenamento jurídico, estar-se-á dando um exemplo positivo e incontestável de que é o Estado (frise-se: exclusivamente o Estado) que possui o poder de processar, condenar e executar a pena aplicada.

Rodrigo Faucz Pereira e Silva, advogado criminalista, autor do livro Tribunal do Júri - o novo rito interpretado e professor de Tribunal do Júri da UniBrasil/AbdConst/Curso Prof. Luiz Carlos.

Dê sua opinião

Você concorda com o autor do artigo? Deixe seu comentário e participe do debate.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  GAZETA DO POVO
Imprimir   enviar para um amigo
voltar  
Maioridade penal
Maioridade penal João Baptista Herkenhoff Discute-se neste momento a redução da maioridade penal. Se ocorrer a mudança constitucional que vai permitir o apenamento de menores, supõem os defen
A favor da vida
A favor da vida João Baptista Herkenhoff Sou a favor da Vida. Contra a pena de morte e a guerra. A favor de políticas públicas que favoreçam o parto feliz e a maternidade proteg
Plenário do STF vai julgar subtração de um par de chinelos
Plenário do STF vai julgar subtração de um par de chinelos Salvar • 164 comentários • Imprimir • Reportar Publicado por Luiz Flávio Gomes - 1 dia atrás 138 A subtração de um par de chinelos (de R$   16 reais) vai monopolizar, em breve, a atenção dos onz
A lei penal é como a serpente, só pica os descalços
Seja de que natureza for, aqui na Terra manda a sensibilidade humana que a subtração de um par de chinelos de R$   16 reais deve ser arquivada prontamente, por meio de um habeas corpus de ofício. A matéria constitucional aqui existente
Justiça Federal condena 45 pessoas investigadas na Operação Curaçao
Justiça Federal condena 45 pessoas investigadas na Operação Curaçao Operação foi deflagrada em 2009 pela Polícia Federal, após investigações em conjunto com a polícia da Holanda. Condenações foram por crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro
As incertezas jurídicas da Lei Anticorrupção
especial As incertezas jurídicas da Lei Anticorrupção Norma não criou novas condutas ilícitas e maior mudança legal está na condenação de empresas independentemente de dolo ou culpa. Aplicação ainda gera dúvidas 06/06/2014 | 00:06 | Talita Boros V
Câmara dos Deputados aprova Lei da Palmada
Legislação Câmara dos Deputados aprova Lei da Palmada Lei seguirá para análise do Senado. Projeto prevê que pais que agredirem fisicamente filhos devem ser encaminhados a cursos e tratamento psicológico Xuxa faz coração com as mãos após ser critic
Aborto: eufemismos, ambiguidades e incoerências
O passo seguinte foi a ambiguidade. No esforço por transformar o crime de aborto em direito, foram criados os “direitos sexuais e reprodutivos”. Nessa expressão ambígua pode incluir-se o direito de uma mulher a não ser estuprada
Crimes eleitorais sob a mira do MP
EDITORIAL Crimes eleitorais sob a mira do MP Decisão do Supremo Tribunal Federal garante que o Ministério Público possa iniciar processos investigativos contra crimes eleitorais sem autorização prévia da Justiça Publicado em 28/05/2014
O linchamento e nós
Editorial O linchamento e nós Crescem casos de violência coletiva, bruta e irracional, atualização urbana da Lei de Talião. O estado das coisas mostra que é hora de pensar no assunto E eis que o linchamento se tornou o assunto do noticiário. Algum

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 1 de um total de 183 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover