Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Qual o pior problema dos bancos?
Veja a matéria completa no link: http://economia.uol.com.br/album/2012/08/22/qual-o-pior-problema-dos-bancos-vote.jhtm
JUSTIÇA LENTA
Para visualizar a matéria clique no título
veja mais

 
06/06/2014 - 07:28 - Justiça Federal condena 45 pessoas investigadas na Operação Curaçao

Justiça Federal condena 45 pessoas investigadas na Operação Curaçao

Operação foi deflagrada em 2009 pela Polícia Federal, após investigações em conjunto com a polícia da Holanda. Condenações foram por crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro

05/06/2014 | 18:43 |

A Justiça Federal condenou na última terça-feira (3) 45 pessoas denunciadas pelo Ministério Público Federal (MPF) no Paraná por crimes contra o sistema financeiro. Os acusados foram presos em 2009 durante a Operação Curaçao da Polícia Federal (PF) do Paraná, que investigava crimes financeiros internacionais nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

De acordo com a decisão, 15 pessoas foram condenadas pelo crime de evasão de divisas e outras 30 pelos crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Outras sete pessoas foram absolvidas por falta de provas, um dos denunciados faleceu durante o processo e outros dois respondem em ação penal em separado.

As penas chegam a 11 anos e oito meses de reclusão. Também foram aplicadas multas de que somam aproximadamente R$   560 mil. Os valores dos bens apreendidos e bloqueados durante o processo, num total de cerca de R$   600 mil, foram confiscados.

Os condenados devem responder ao processo em liberdade, mas estão proibidos de viajarem ao exterior e atuarem no mercado de câmbio oficial até o julgamento final do caso.

Entenda o caso

A Operação Curaçao foi realizada pela PF do Paraná em 2009. As investigações foram feitas em regime de cooperação internacional com a polícia da Holanda e foram coordenadas pelo Ministério Público Federal (MPF) de Curitiba. Após o fechamento do banco First Curaçao International Bank (FCIB), situado nas Antilhas Holandesas, foram identificadas contas com movimentação suspeita. Essas contas eram de brasileiros já investigados pela PF por crimes contra o sistema financeiro. As irregularidades são crimes de operação sem autorização de instituição financeira, evasão de divisas e manutenção ilegal de depósitos no exterior. De acordo com a Justiça Federal, o montante evadido somou mais de US$   700 milhões.

Em 2010, o MPF/PR denunciou 64 pessoas por crimes financeiros e de lavagem de dinheiro praticados por meio de contas no FCIB. As pessoas denunciadas – muitas delas vinculadas aos ramos de câmbio, turismo e comércio exterior – mantinham contas ocultas no banco. Por essas contas, operacionalizavam serviços de remessas financeiras, atuando na sua maior parte como doleiros.

Veja a relação de condenados, com as respectivas penas:

Alberto Cesar Lisnovetzky: dez anos e dez meses de reclusão e duzentos e sessenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Simone Abramoff: dez anos e dez meses de reclusão e duzentos e sessenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

José Francisco Branco Sette: nove anos e um mês de reclusão e duzentos e trinta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Marcelo Farias de Oliveira: três anos e nove meses de reclusão e cinquenta dias multa, com regime aberto para início de cumprimento da pena, substituindo-se a pena privativa de liberdade por duas penas restritivas de direito, consistentes na prestação de serviço à comunidade e em prestação pecuniária;

Alberto Lanzuolo Filho: nove anos e nove meses de reclusão e duzentos e cinquenta dias multa, regime fechado para início de cumprimento da pena;

Luiz Fernando Calado: nove anos e nove meses de reclusão e duzentos e cinquenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Maurício Menegat Feijó: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Hussain Said Mourad: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Omar Said Mourad: três anos e quatro meses de reclusão e dezesseis dias multa, com regime aberto para início de cumprimento da pena, substituindo-se a pena privativa de liberdade por duas penas restritivas de direito, consistentes na prestação de serviço à comunidade e em prestação pecuniária;

Marcelo Weingarten: oito anos e seis meses de reclusão e cento e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Carlos Eduardo Caminha Garibe: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Roberto Mario Clausi Júnior: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Marcelo Luiz Mariano: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Esther Chueke: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Ivette Bernat: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

David Amandio de Faria Pimenta: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Antônio Batalhote: dez anos e três meses de reclusão e duzentos e cinquenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Enio Verçosa: dez anos e três meses de reclusão e duzentos e cinquenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Solon Sales Alves Couto: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Mauro Kanegae: nove anos e oito meses de reclusão e duzentos e cinquenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Antônio Colloca: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Gustavo Ricardo Colloca: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Elisabete de Oliveira Nery: nove anos e dois meses de reclusão e cem dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Carlos Haten Naim: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Luiz Carlos Granella: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Kleber Eduardo Granella: nove anos e dois meses de reclusão e cem dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Durval Chiovetto: seis anos, um mês e vinte dias de reclusão e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

André Luiz Meirelles Melo da Silva: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Ricardo Behar: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Amir Warszawski: seis anos, um mês e dez dias de reclusão e noventa dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Rene de Carvalho Lauro: dez anos e dez meses de reclusão e duzentos e sessenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Luciano de Carvalho Lauro: dez anos e dez meses de reclusão e duzentos e sessenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Rafael Angulo Lopez: nove anos e um mês de reclusão e duzentos e trinta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Airton Telles Mendonça: oito anos e oito meses de reclusão e cento e quinze dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Maurício Verdier: dez anos e três meses de reclusão e duzentos e cinquenta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Sílvio Luiz Abate: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

André Santos Pereira: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Nelson Luciano de Carvalho Teixeira: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Alfredo Giangrande: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Hélio Cesar Fialho: quatro anos e dois meses de reclusão e cem dias multa, com regime aberto para início de cumprimento da pena, substituindo-se a pena privativa de liberdade por duas penas restritivas de direito, consistentes na prestação de serviço à comunidade e em prestação pecuniária;

Wilson Roberto de Carvalho: onze anos e oito meses de reclusão e trezentos e vinte dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Jean José Mattana Besozzi: cinco anos de reclusão e cento e sessenta dias multa, com regime semiaberto para início de cumprimento da pena;

Iria de Oliveira Cassu: nove anos e um mês de reclusão e duzentos e trinta dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Harry Chaim Thalemberg: dez anos de reclusão e duzentos dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena;

Gisele Thalenberg Werdo: nove anos e dois meses de reclusão e cem dias multa, com regime fechado para início de cumprimento da pena.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  GAZETA DO POVO
Imprimir   enviar para um amigo
voltar  
Maioridade penal
Maioridade penal João Baptista Herkenhoff Discute-se neste momento a redução da maioridade penal. Se ocorrer a mudança constitucional que vai permitir o apenamento de menores, supõem os defen
A favor da vida
A favor da vida João Baptista Herkenhoff Sou a favor da Vida. Contra a pena de morte e a guerra. A favor de políticas públicas que favoreçam o parto feliz e a maternidade proteg
Plenário do STF vai julgar subtração de um par de chinelos
Plenário do STF vai julgar subtração de um par de chinelos Salvar • 164 comentários • Imprimir • Reportar Publicado por Luiz Flávio Gomes - 1 dia atrás 138 A subtração de um par de chinelos (de R$   16 reais) vai monopolizar, em breve, a atenção dos onz
A lei penal é como a serpente, só pica os descalços
Seja de que natureza for, aqui na Terra manda a sensibilidade humana que a subtração de um par de chinelos de R$   16 reais deve ser arquivada prontamente, por meio de um habeas corpus de ofício. A matéria constitucional aqui existente
As incertezas jurídicas da Lei Anticorrupção
especial As incertezas jurídicas da Lei Anticorrupção Norma não criou novas condutas ilícitas e maior mudança legal está na condenação de empresas independentemente de dolo ou culpa. Aplicação ainda gera dúvidas 06/06/2014 | 00:06 | Talita Boros V
Câmara dos Deputados aprova Lei da Palmada
Legislação Câmara dos Deputados aprova Lei da Palmada Lei seguirá para análise do Senado. Projeto prevê que pais que agredirem fisicamente filhos devem ser encaminhados a cursos e tratamento psicológico Xuxa faz coração com as mãos após ser critic
O linchamento dos linchadores
O linchamento dos linchadores Publicado em 04/06/2014 | Rodrigo Faucz Pereira e Silva O caso de Fabiane Maria de Jesus causou indignação em todo Brasil, chamando atenção para uma questão que merece uma maior reflexão por parte da sociedade: o ansei
Aborto: eufemismos, ambiguidades e incoerências
O passo seguinte foi a ambiguidade. No esforço por transformar o crime de aborto em direito, foram criados os “direitos sexuais e reprodutivos”. Nessa expressão ambígua pode incluir-se o direito de uma mulher a não ser estuprada
Crimes eleitorais sob a mira do MP
EDITORIAL Crimes eleitorais sob a mira do MP Decisão do Supremo Tribunal Federal garante que o Ministério Público possa iniciar processos investigativos contra crimes eleitorais sem autorização prévia da Justiça Publicado em 28/05/2014
O linchamento e nós
Editorial O linchamento e nós Crescem casos de violência coletiva, bruta e irracional, atualização urbana da Lei de Talião. O estado das coisas mostra que é hora de pensar no assunto E eis que o linchamento se tornou o assunto do noticiário. Algum

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 1 de um total de 183 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover