Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Parlamentares insaciáveis
Não bastasse a “bondade” que se concedeu aos deputados, há outra em via de acontecer e que vai beneficiar muito mais...
A CIDADE É SUA
DE SÃO PAULO - O leitor Edevaldo Bezerra, de Santa Bárbara d'Oeste (a 135 km de SP), diz que sua TV de 40 polegadas da...
veja mais

 
10/12/2008 - 11:18 - 89 cidades do Paraná não têm médicos residentes

Carência do interior, que deixa a população vulnerável, contrasta com a concentração de serviços de saúde na capital. Metade dos médicos do estado reside em Curitiba

Jiris Rezende Abou Rejaile atende em Porto Amazonas há três anos: “Existo sim.”

Publicado em 08/12/2008 | Katia Brembatti, da sucursal 

PONTA GROSSA - A superabundância e a carência pontual formam o cenário de contrastes na distribuição do atendimento médico no Paraná. Enquanto em Curitiba existe um médico em cada grupo de 221 moradores, nos 211 municípios paranaenses com menos de 10 mil habitantes a proporção é de um profissional para cada 4 mil pessoas – 18 vezes mais do que na capital. De acordo com os dados do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR), em 89 cidades – o que representa uma em cada cinco do estado – não há sequer um médico residente. Moram nessas localidades 442 mil pessoas, que precisam recorrer ao atendimento em um município vizinho quando acontecem emergências e a unidade de saúde está fechada.

A má distribuição no Paraná é um problema crônico que se agrava a cada ano. Curitiba conta com 17% da população do estado e 50% do total de médicos. Enquanto o número de profissionais em território paranaense cresceu 5,3% em três anos, na capital o aumento foi de 14,7%. No período, 812 profissionais a mais passaram a atuar no estado. Em Curitiba, foram 1.040 a mais. Com um médico para cada 636 habitantes, o Paraná alcança, com folga, o parâmetro da Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda a proporção de um profissional para cada grupo de mil pessoas. A situação fica mais confortável ano após ano. Levantamento feito pela Gazeta do Povo mostrava que a relação era, em 2005, de um para 668.

Apenas 36 municípios paranaenses atingem a recomendação da OMS. Nessas cidades mora metade da população do estado. Além da capital, estão na lista os grandes pólos regionais, como Londrina e Maringá, cidades de porte intermediário, como Pato Branco e Paranavaí, algumas cidades consideradas pequenas, como Realeza, Paranapoema e Miraselva. Quanto mais distante da capital, maior a probabilidade de a cidade ter uma proporção baixa de médico por morador. O paradoxo é que as cidades da região metropolitana de Curitiba também têm poucos médicos residentes. É que, com a proximidade, eles acabam preferindo morar na capital.

Os números evidenciam que a disparidade é o problema. Entre os 1,8 mil moradores de Esperança Nova, que fica na Costa Oeste, não há nenhum médico. Dois profissionais prestam atendimento no único posto da cidade. Eles moram e trabalham também em municípios vizinhos. Das 5 da tarde às 8 da manhã e nos finais de semana, se alguém enfartar ou sofrer um acidente receberá os primeiros socorros de outro profissional de saúde e será levado pelo motorista de plantão ao hospital de São Jorge, Pérola ou Umuarama. Três anos depois do primeiro levantamento feito pelo jornal, a situação é a mesma na cidade.

O presidente do CRM-PR e professor de Clínica Médica no curso de Medicina da Universidade Federal do Paraná, Miguel Ibraim Abboud Hanna Sobrinho, admite que a má distribuição só se agrava. Segundo ele, entre os fatores decisivos na fixação do médico estão qualidade de vida, condições de trabalho e oportunidade de atualização profissional. Ele acrescenta que, por exemplo, a presença de uma boa escola para os filhos pode ser determinante. Preocupações com o bem-estar da família e com as opções de lazer norteiam a decisão.

A certeza de que contará com recursos adicionais mínimos, como exames, também pesa na escolha. Como cidades menores geralmente têm condições menos interessantes de trabalho, muitas vezes o profissional recém-formado prefere ficar em um grande centro, mesmo ganhando menos que no interior. Além da possibilidade de não atender bem o paciente, o receio de processos judiciais também afugenta muitos médicos das condições precárias geralmente encontradas no interior.

Ibraim reconhece que quem mais sofre com a má distribuição do atendimento médico é a população. Sem a certeza de que há um médico por perto, os moradores ficam mais vulneráveis. Ele comenta que as ofertas de salários altos apresentadas para atrair médicos a cidades pequenas nem sempre são suficientes. “Não é apenas a questão da remuneração. É um atrativo, mas, normalmente, quando se oferece um salário muito acima da média é porque as condições não são adequadas”, reforça.

Faltam cem médicos na prefeitura

Ter metade dos médicos do Paraná morando em Curitiba não é suficiente para que o atendimento seja adequado. A prefeitura de Curitiba não consegue manter o quadro mínimo necessário, mostrando que a dificuldade para contratar não é exclusividade do interior. Segundo a diretora-executiva da Secretaria Municipal de Saúde, Edimara Fait Seegmüller, há vagas abertas para, pelo menos, cem profissionais. No último concurso realizado neste ano foram abertas 119 vagas. Dentre os 500 inscritos, todos os aprovados foram chamados e não há mais banco de reserva. Será necessário fazer um novo concurso.

Edimara conta que a alta rotatividade explica a necessidade constante de admitir novos médicos. Há sempre vagas ociosas para atender na Região Sul da cidade. A distância do Centro e o estigma de bairros de maior risco social afastam os profissionais. Com salários na faixa de R$   2 mil a R$   6 mil, quatro faculdades de Medicina (para garantir possibilidade de atualização), oferta mais do que razoável de condições de trabalho e qualidade de vida, o CRM-PR considera difícil encontrar motivos para a falta de médicos atuando no sistema municipal. Só a prefeitura de Curitiba tem mais médicos do que Cascavel, Ponta Grossa e Foz de Iguaçu – incluindo aí todos os profissionais residentes nessas cidades – juntas. Mas é necessário destacar que o batalhão de 1.216 médicos da prefeitura acaba atendendo muitos pacientes de outros municípios, especialmente da região metropolitana. (KB)

Gazeta do Povo – 08-12-2008

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
voltar  
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– 29 DE OUTUBRO DE 2017
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– 29 DE OUTUBRO MDE 2017 -01- Assunto: Reclamação via SITE RECLAMANDO de Sahira Branco Data: 26.10.2017 14:18 De: Para:
RECLAMAÇÃO DE EDIVALDO ROCHA
POR FAVOR DR, JOSÉ DO ESPIRITO SANTO, COMO CONSIGO ESSA APÓLICE, ATENCIOSAMENTE, EDIVALDO SILVA ROCHA. E edivaldo.rocha@bol.com.br Responder| dom 08/10, 18:46 Você BOA NOITE PESSOAL DA Checozzi & Advogados Associados! MEU NOME É EDIVALD
RECLAMAÇÃO DE EDIVALDO ROCHA
POR FAVOR DR, JOSÉ DO ESPIRITO SANTO, COMO CONSIGO ESSA APÓLICE, ATENCIOSAMENTE, EDIVALDO SILVA ROCHA. E edivaldo.rocha@bol.com.br Responder| dom 08/10, 18:46 Você BOA NOITE PESSOAL DA Checozzi & Advogados Associados! MEU NOME É EDIVALD
Reclamação contra Revista Abril - Revista Princesa
De : Lurdes Bueno Data: 24/09/2017 17:47 (GMT-03:00) Para: espirito_santo1943@hotmail.com Assunto: Revista abril Sou assinante da revista princesas a anos da editora abril..sempre fiz várias reclamações porqu
RECLAMAÇÃO E ELOGIO DE CONSUMIDOR
Levei à Refrigeração França, foto acima, um bebedouro elétrico marca Beliere, modelo Juninho para substituir uma das torneiras. O aparelho voltou com vazamento. Levei de volta para resolver o problema, mas o vazamento continuava. O diagnóstico técnico fo
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 19 DE AGOSTO DE 2017
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 19 DE AGOSTO DE 2017 -01- Nome Completo: Andreia Borges E-mail: andreia-borges-2012@Hotmail. com Cidade: São Paulo Estado: SP Conheceu: Não conheço só comprei a
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE COMPRARAM PELA INTERNET E FORAM PREJUDICADOS – RESPONDIDAS EM: 30/07/2017
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE COMPRARAM PELA INTERNET E FORAM PREJUDICADOS – RESPONDIDAS EM: 30/07/2017 -01- Nome Completo: ARNALDO BELOTA E-mail: acbelota@gmail.com Cidade: SAQUAREMA Estado: RJ Conheceu: pela internet Reclamação: Quando recebo
RECLAMAÇÃO DE MARIA SAJA CONTRA A OI
MARIA SAJA - saja_maria@yahoo.com.br rua bevenuto gussi, 301 83260-000 matinhos pr ‘’Reclamação contra a OI S.A. Tinha um plano da Oi com os seguintes serviços = 1.“Oi fixo – pacote de minutosfixo-fixo local Pacote de minutos longa distancia com 14
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 06 DE JULHO DE 2017
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 06 DE JULHO DE 2017 -01- Nome Completo: Eleni Soares Domingues E-mail: elenisoaresdomingues@gmail.com Cidade: Campos dos Goytacazes Estado: RJ Conheceu: Google
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 18 DE MAIO DE 2017
RECLAMAÇÕES DE INTERNAUTAS QUE FORAM PREJUDICADOS EM SEUS DIREITOS DE CONSUMIDORES– EM 18 DE MAIO DE 2017 -01- Nome Completo: edivaldo silva rocha E-mail: edivaldo.rocha@bol.com.br Cidade: riacho de santana Estado: BA Conheceu: internet Reclamação:

Total de Resultados: 14184

Mostrando a página 1 de um total de 1419 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover