Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Edital para negros divide meio cultural
"O governo deve ter muito cuidado para que, na ânsia de resolver um problema social, não faça um ato despido do...
Quatro deputados gastaram mais que a média
Plauto Miró Guimarães (DEM) gastou R$  53,6 mil da Assembleia nos três meses. Ele afirma que teve uma média de gastos...
veja mais

 

01/12/2013 - EDITORIAL A fábula da boa pergunta Secretaria Municipal de Educação desafia lógica dos rankings e se debruça sobre escolas de regiões pobres, mas com

EDITORIAL

A fábula da boa pergunta

Secretaria Municipal de Educação desafia lógica dos rankings e se debruça sobre escolas de regiões pobres, mas com desempenho razoável no Ideb.

O educador José Pacheco – idealizador da Escola da Ponte, em Portugal – resume o ensino a um princípio simples, quase tatibitate: educar é fazer a pergunta certa. Vale para o aluno. Vale para o professor. Vale para todo mundo. A tomar pelo que diz o homem que se tornou sinônimo de boa pedagogia, a Secretaria Municipal de Educação de Curitiba acaba de fazer a mais certeira das perguntas. Eis a questão: “O que faz de uma escola em área de pobreza, com mais da metade dos alunos assistidos pelo Bolsa Família, ter um bom desempenho?”

Parece elementar, mas não é. Há duas constantes no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), instrumento que mede o desempenho. Onde há mais alunos cujas famílias estão ligadas ao Bolsa Família, o Ideb é menor; onde há menos alunos em pobreza extrema, a nota é maior. Não se trata da descoberta da roda. Sabe-se não é de hoje da amarração entre escolaridade dos pais, rendimentos familiares e desempenho escolar. O surpreendente é o conformismo com que essa equação é aceita, como se fosse uma verdade incontestável e incontornável.

A nota é relativa, uma bússola imperfeita, da qual se deve desconfiar. Uma avaliação mediana ou abaixo da média, a depender das condições em que vivem os pais e os alunos, equivale a uma nota alta. E uma nota alta em situações mais que favoráveis pode ser um indicativo de que a escola não faz nenhuma diferença. Detalhe: essas escolas de exceção, cujo casuísmo corre por fora das duas retas mais comuns, não só existem como constituem o melhor da lavoura. É o que a secretaria se dispõe a observar. A primeira parte da tarefa já está concluída. Os pesquisadores cruzaram os dados do Bolsa Família em Curitiba com as notas do Ideb e chegaram a uma meia dúzia de escolas onde a pobreza não é sinônimo de mau desempenho. Vai estudar cada uma delas, de modo a extrair dali matéria-prima para sua ação.

Em geral, instituições em que entre 40% e 70% dos alunos vêm de famílias amparadas pelo governo patinam nos limites da nota 5. As escolas que desafiam essa curva, supõe-se, são as que conseguem ter mais estabilidade no corpo de professores, vínculos com a comunidade, proximidade com os pais, gestão agregadora. Ou ainda algo mais, justo o que se quer descobrir. A secretaria não quer alarde, temendo repetir o mal que quer combater – o da competitividade entre as instituições de ensino. Mas não faz mistério sobre uma situação bem particular: a dos dois colégios municipais que atuam na zona da Vila Acrópole, um encrave paupérrimo no bairro Cajuru. A Ayrton Senna e a Maria de Lourdes Pegoraro merecem ser convertidas num objeto de estudo antropológico, de modo a entender o que leva professores, pais e alunos a superar situações adversas, equiparando-se a colégios em situação bem mais confortável.

O desafio promete e, com sorte, deveria se tornar uma prática dos órgãos educacionais, de modo a inibir a lógica dos rankings, incompatíveis com o espírito que rege a educação. É conhecido o êxito da educadora Elisa Dalla Bona, que anos atrás pesquisou o bom desempenho da Escola Municipal São Luiz, na Água Verde. Não usou de positivismos, mas de uma observação do cotidiano escolar. Olhou a geografia, o relacionamento entre os professores, o contraturno. Como é de praxe na mais saudável das antropologias, o resultado foge de respostas autoritárias e mecanicistas. O que rege uma escola não se mede com régua e compasso. Escapa às porcentagens e tabelas, ainda que todos esses elementos possam se somar. E já são horas de respeitar essa delicada mecânica escolar, entendendo que soma de elementos alteram o produto.

As duas escolas em questão estão longe da São Luiz, em quase tudo. Inclusive na nota no Ideb. Mas estão mais perto da maioria das mais de 180 escolas da cidade do que a instituição mais modelar que temos. Os dois centros educacionais da Vila Acrópole podem ser um espelho positivo, pois indicam uma possibilidade de onde podemos chegar. Tanto o Ayrton Senna quanto o Maria de Lourdes Pegoraro apontam pistas. O Pegoraro, por exemplo, é um espaço palpável. Os professores da escola sabem o tamanho exato de sua freguesia e atuam sobre ela, construindo uma escola fora dos muros, que bate na porta dos pais e interage com eles. É uma escola cidadã. A Ayrton enfrenta problemas maiores. A favelização no seu entorno é crescente. É, portanto, menos palpável, logo, mais líquida. Mas é surpreendente como a direção vence essa dificuldade, atraindo os pais – boa parte deles carrinheiros – a participar da vida da escola. A gestão se sobrepõe à geografia inclemente. É outra equação, a ser observada, não para servir de molde, mas a incentivar cada escola a identificar seu DNA. Como se faz? Segundo Pacheco, perguntando-se.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
JUSTIÇA DO TRABALHO DISPENSA DE PASSAGEM PELA CCP.
A sujeição de reclamação do empregado contra o empregador à Comissão de Conciliação Prévia, instituída nos moldes do Art. 625-A da C.L.T., acrescido pela Lei nº 9.958/2000, não figura dentre os pressupostos para o desenvolvimento regular da relação jurídi
PROGRAMA CÁLCULOS TRABALHISTAS RÁPIDOS
Patrões e empregados já podem saber o valor da rescisão contratual pela Internet. O Sistema de Cálculo Trabalhista Rápido, disponível na página do Tribunal Superior do Trabalho, fornece em menos de dois segundos (após a realização do download) valores
Teste no Detran fica mais rigoroso
exame prático do Departamento de Trânsito (Detran/PR) torna-se mais rigoroso a partir de segunda-feira, quando começam a valer as novas regras previstas na resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).
VOCÊ SABE QUAL VAI SER O SEU SALÁRIO DE MAIO?
empregados que têm vencimentos definidos por acordo ou dissídio coletivo, bem como para os servidores municipais. O gasto maior dos empregadores, no entanto, não fica só no salário. É necessário pagar também encargos mais pesados. Pela faixa salarial.
Liminar suspende multas em rodovias federais
Uma decisão judicial tomada em Pernambuco vai fazer com que motoristas de todo o país deixem, ao menos temporariamente, de pagar multas e perder pontos na carteira de habilitação por causa de notificações de excesso de velocidade registradas em
ANTES DE COMPRAR SUA TV DE PLASMA OU LCD, LEIA ESSA MATÉRIA
Copa do Mundo e a proximidade da chegada da televisão digital ao País tornaram a TV de plasma o sonho de consumo do brasileiro. Mas, para quem quer ter uma tela enorme, com fácil instalação e grande qualidade de imagem, a longo prazo, o plasma pode não..
Expediente no TJ/PR nos dias de jogos do Brasil
O presidente do Tribunal de Justiça do Paraná, desembargador Tadeu Marino Loyola Costa, através do Decreto Judiciário n. 498, de 18 deste mês, estabelece: “Considerando que a participação da Seleção Brasileira no Campeonato Mundial de 2006 gera interesse
Consumidora comprou geladeira que “roncava”
Quando pôs para funcionar sua geladeira Brastemp nova, que havia custado R$   2,6 mil, Alessandra Palhano não esperava que o eletrodoméstico fizesse um estranho e barulhento “ronco”. Insatisfeita, a consumidora ligou para o
PEDOFILIA - POLICIAIS ACUSADOS.
Apontada como mentora da rede de pedofilia associada a extorsões, Luciana Polerá Correia Cardoso, 21 anos, falou ontem, com exclusividade, à reportagem da Tribuna e
Tratamento igual
Muito bom que nos foi informado que a agricultura movimenta 30% da nossa economia. Então, o restante vem da indústria e o comércio. Quanto generoso seria se o nosso governo também desse toda a ajuda que é dado ao campo; juros de 8% ao ano

Total de Resultados: 11993

Mostrando a página 1188 de um total de 1200 páginas

InícioAnterior1179118011811182118311841185118611871188118911901191119211931194119511961197PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover