Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


CARTAS – Opinião de Leitores da Folha de Londrina
Com relação à entrevista ''Comércio de votos ainda é comum no País'' (Opinião, pág. 3, 18/12), o juiz do TRE, Renato...
Desprezo ao homem comum
Ela se virou como pôde até chegar a hora do parto. Um motorista de praça rodou com ela por vários hospitais, até que...
veja mais

 

29/10/2013 - Uma paisagem chamada grafite

Gazeta do Povo - 13-05-2013

http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/despiche/conteudo.phtml?tl=1&id=1371986&tit=Uma-paisagem-chamada-grafite

Antonio More

Antonio More / Panorâmica da Rua Presidente João Goulart, no Conjunto Boa Esperança 1, no Tatuquara. À esquerda, grafite de Japem; à direita, trabalho de Paulo Auma: aprovação dos moradores Panorâmica da Rua Presidente João Goulart, no Conjunto Boa Esperança 1, no Tatuquara. À esquerda, grafite de Japem; à direita, trabalho de Paulo Auma: aprovação dos moradores

ESPAÇO PÚBLICO

Uma paisagem chamada grafite

Grafiteiros “ocupam” fachadas do Tatuquara e criam galeria a céu aberto. Populares aprovam e engrossam o coro dos que aderem à arte dos sprays

Quem passa a pé ou de carro ao longo da Rua Presidente João Goulart, no bairro Tatu­­quara, em Curitiba, logo percebe algo diferente naquele emaranhado de casas parecidas. Há três semanas, as fachadas de três moradias do conjunto Boa Esperança 1 se transformaram em uma espécie de painel ao ar livre. Os grafites feitos por artistas da cidade, em parceria com a Fundação Cultural de Curitiba (FCC), não economizam nas cores e no tamanho. Por isso, viraram atração entre os moradores que chegaram ali há cerca de um ano, por meio do programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal.

SLIDESHOW: Veja fotos da grafitagem no Tatuquara

No local vivem 720 famílias. A aceitação do grafite parece ter sido unânime, embora o significado das imagens varie entre os moradores. Os mais velhos dizem que “ficou bonito”. Os jovens, mais descolados, recorrem a um “da hora” para elogiar as figuras, desenhadas durante um fim de semana pelos grafiteiros Adriano Japem, Silvio Rodolfo e Paulo Auma.

Vivian de Fátima Kuwaki é uma das moradoras que tiveram a fachada da casa pintada por Japem, sem custo algum, na Rua Padre Alcides Zanella. A prefeitura se responsabilizou por conseguir a autorização. O artista ficou com a missão de “não deixar” Vivian se arrepender. Passou no teste. “Não tem quem chegue e diga que ficou feio. Todo mundo gostou. O pessoal passa de ônibus e fica olhando. Impossível não chamar a atenção”, diz a dona de casa. Assim como os outros proprietários, a moradora apoia a iniciativa não só pelo “exotismo”, mas também para impedir que pichações se espalhem pelas moradias – aqui e ali, os rabiscos se fazem presentes.

O mesmo raciocínio se estende a moradores de outros bairros. O número de grafites autorizados por proprietários de comércios e casas quadruplicou de janeiro a abril deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Mobilização

A Fundação Cultural não entra na discussão sobre a diferença entre grafite e pichação e afirma que a iniciativa no Tatuquara tem o objetivo de envolver a comunidade e trazer arte para cotidiano dos moradores. A grafitagem na fachada das casas era um desejo antigo, compartilhado pelos artistas e por integrantes da FCC. “A aceitação foi muito bacana. Existe um grande interesse da comunidade por manifestações dessa natureza. Há um sentido de embelezamento, que é compartilhado por todos”, diz a diretora de Patrimônio Cultural da FCC, Marili Azim.

Mão na lata

Tinta, café e conversa fiada

Morador da Cidade Industrial de Curitiba, Paulo Auma é um dos grafiteiros mais atuantes da capital. Grafita há 11 anos, “por lazer” e não profissionalmente, como frisa. Auma foi um dos três artistas que deixaram seus traços em casas do conjunto de moradias Boa Esperança 1, no Tatuquara. A experiência não foi inédita em sua carreira, embora seja um pouco diferente de tantas outras vividas no Centro de Curitiba e de outras cidades: dessa vez, conta com a aceitação da comunidade.

“No Centro, as pessoas têm mais medo de se relacionar com quem está na rua, fazendo o grafite. Na periferia é o contrário – os moradores querem te acompanhar, te agradar, ajudar de alguma maneira”, comenta Auma. Durante o trabalho, não lhe faltaram convites para um cafezinho, ajuda com a tinta e o spray e uma mão amiga na hora de segurar a escada e o andaime. A criançada, na plateia, se responsabiliza pela animação e pela conversa fiada. São indícios de que grafitar no Centro pode trazer mais visibilidade ao trabalho, mas nem sempre consegue transformá-lo de fato em uma arte coletiva. “A ideia é produzir imagens que possam afetar essas pessoas de alguma forma, envolvendoas durante e depois da pintura”, resume o grafiteiro.


Trabalho do grafiteiro Japem em fachada do Conjunto Boa Esperança 1, no bairro Tatuquara, em Curitiba. Projeto nasceu da parceria entre grafiteiros e a Fundação Cultural de CuritibaAntônio More

1 / 4


Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Briga de vizinhos
Um casal de Lagoa Santa (MG) terá de indenizar a vizinha pelo medo que lhe infligiram devido à possibilidade do desabamento de sua casa em função de obras de terraplanagem feitas no local
Prisão civil do depositário na alienação fiduciária
Prisão civil por descumprimento de contrato de alienação fiduciária é descabida
COBRANÇA INDEVIDA PELA BRASIL TELECOM
No último mês de outubro, minha conta de telefone da Brasil Telecom veio com a cobrança dos seguintes serviços: Mensalidade Turbo life, chamada em espera, ”siga-me”, mensagem inteligente básica e assinatura da BR Turbo residencial.
TJ gaúcho reconhece união estável de casal homossexual
O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul reconheceu a união estável entre duas mulheres e determinou que a companheira viúva entre na partilha de bens. A decisão é da 7ª Câmara Cível. Cabe recurso.
Empresa indeniza pedestre que caiu em buraco de rua
A Copasa, Companhia de Saneamento de Minas Gerais, foi condenada a indenizar Jurema Aurélio Evaristo em R$   5 mil por danos morais e R$   13 por danos morais. Jurema caiu em um buraco aberto na rua pela empresa.
McDonald’s deve indenizar por furto no estacionamento
A loja do McDonald’s da Superquadra 405 na Asa Sul, em Brasília, terá de pagar indenização de R$   1,35 mil a uma cliente que teve o carro arrombado e o aparelho de som furtado no estacionamento
Carrefour é condenado por furto em estacionamento
O supermercado é responsável por furto de carro em seu estacionamento.
Banco é condenado por não conferir assinatura em cheque
Instituição financeira que encaminha cheque à compensação, sem checar assinatura.
É mais fácil levantar um prédio que julgar uma ação”
“Em três anos, nós não terminamos um processo, mas levantar um prédio nós conseguimos.” A frase do novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Celso Limongi
Parlamentares recebem R$   443,00 por dia sem trabalhar
Pouca vergonha. Excrecência. Mordomia.

Total de Resultados: 12051

Mostrando a página 1205 de um total de 1206 páginas

InícioAnterior11961197119811991200120112021203120412051206PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover