Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


A novela dos precatórios
Segundo o supervisor da Central de Precatórios do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), Mauro Troiano, na maior parte...
Só o PR não recebeu empréstimo federal para combater a crise
A Gazeta do Povo entrou em contato com a assessoria de imprensa da STN para receber informações sobre as razões técnicas...
veja mais

 

28/01/2009 - Algumas Gambiarras legislativas...

Elias Mattar Assad

Os antigos raciocinavam e escreviam melhor que nós. Tinham eles o que lamentavelmente não temos como paciência e tempo... Entre vários temas de relevância tratados de forma irresponsável, está o atual discurso enganador da diminuição de recursos judiciais. O assunto é tratado tão levianamente que, nove pessoas entre dez, imaginam que "recursos judiciais servem apenas para procrastinar os desfechos processuais..."

Entre elas, lamentavelmente, parlamentares, advogados, magistrados, membros do MP, professores universitários, entre mais formadores de opinião. Um estagiário de direito indagou: porque tantos recursos judiciais? De pronto respondi: porque juízes erram!

Gostaria você que o erro judicial fosse solidificado pelo instituto da coisa julgada? E mais, caso sejam diminuídos os recursos, os processos nos tribunais ao invés de diminuírem se multiplicarão com uso de revisões criminais e ações rescisórias, arrematei.

Analisemos as razões desses discursos sistematicamente enganadores e vamos encontrar as premissas menores da rapidez e da economia. Há falta total de preocupação com o direito do outro e um pressuposto irreal do juiz infalível!

Apesar disto, nosso sistema processual é tão injusto que, excluindo as probabilidades de erros da jurisdição penal, não se podem comparar as ferramentas de uma execução fiscal, colocadas atualmente ao dispor da fazenda pública, quando credora de impostos não pagos amistosamente, com uma execução contra a fazenda pública quando esta é condenada a pagar indenizações.

Lá, penhoras em imóveis, móveis, contas bancárias do contribuinte executado, leilão pela "melhor oferta" e um juiz cobrador atropelando a tal cerimônia. Aqui, inversamente, um juiz extremamente burocrático e demorado "assegurando" um lugar na interminável fila dos pagamentos em "precatórios esbulhatórios".

Nesta hipótese, nunca se viu (nem se verá) um juiz autêntico decretando a inconstitucionalidade, por imoralidade e desproporcionalidade, desse vergonhoso instituto a determinar o pagamento em montante único e em dinheiro em favor do lesado...

É com este sistema vigorante que pretendemos abolir ou diminuir recursos judiciais e rumar para a instituição de uma espécie de "juiz absoluto", cujos erros serão acobertados pela coisa julgada e quando, excepcionalissimamente, reconhecidos indenizados com precatórios?

A massa ignara, a verdadeira vítima, aplaude em pé tais iniciativas. Assim, eclipsada, deixa de exigir um poder judiciário ampliado que realmente atenda suas demandas e se conforma com essas "gambiarras" legislativas.

"Se alguma coisa divina existe entre os homens, é a justiça. Nisto se compendiam todas as minhas crenças políticas. De todas elas essa é o centro. Mas para que a justiça venha a ser essa força, esse elemento de pureza, esse princípio de estabilidade, é preciso que não se misture com as paixões da rua, ou as paixões dos governos, e seja a justiça isenta, a justiça impassível, a soberana justiça, a congênita em nós, entre os sentimentos sublimes à religião e à verdade..." (Ruy Barbosa). Portanto, acordai processualistas brasileiros contemporâneos... Pelo direito processual busca-se o quê?

Elias Mattar Assad é advogado. 
eliasmattarassad@yahoo.com.br

O Estado do Paraná – 25-01-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Empresa indeniza pedestre que caiu em buraco de rua
A Copasa, Companhia de Saneamento de Minas Gerais, foi condenada a indenizar Jurema Aurélio Evaristo em R$   5 mil por danos morais e R$   13 por danos morais. Jurema caiu em um buraco aberto na rua pela empresa.
McDonald’s deve indenizar por furto no estacionamento
A loja do McDonald’s da Superquadra 405 na Asa Sul, em Brasília, terá de pagar indenização de R$   1,35 mil a uma cliente que teve o carro arrombado e o aparelho de som furtado no estacionamento
Carrefour é condenado por furto em estacionamento
O supermercado é responsável por furto de carro em seu estacionamento.
Banco é condenado por não conferir assinatura em cheque
Instituição financeira que encaminha cheque à compensação, sem checar assinatura.
É mais fácil levantar um prédio que julgar uma ação”
“Em três anos, nós não terminamos um processo, mas levantar um prédio nós conseguimos.” A frase do novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Celso Limongi
Parlamentares recebem R$   443,00 por dia sem trabalhar
Pouca vergonha. Excrecência. Mordomia.
Reclamação contra a Vivo
Bom dia Estou tendo alguns problemas com meu aparelho celular, gostaria de tirar algumas dúvidas. No dia 27/07/2005 recebi da minha operadora VIVO um aparelho novo, Nokia 6255...

Total de Resultados: 12087

Mostrando a página 1209 de um total de 1209 páginas

InícioAnterior1200120112021203120412051206120712081209

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover