Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


RECLAMAÇÃO CONTRA A TELETON
Reclamação: Existem várias reclamações, a minha é apenas mais uma sobre o não cumprimento na entrega dos bonecos do...
Reclamação contra Dell Computadores
Reclamação: Relativamente à compra, cujo número do pedido é 297024713, até a presente data a Empresa Dell Computadores...
veja mais

 

03/09/2012 - Adoção legal: a importância social da sua correta divulgação

Gazeta do Povo - 01-09-2012

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=1292796&tit=Adocao-legal-a-importancia-social-da-sua-correta-divulgacao

Adoção legal: a importância social da sua correta divulgação

Antigamente, a adoção no Brasil era um “segredo revelado no leito de morte”, de modo que, durante muitos anos, escondeu-se a origem adotiva como se esta fosse um verdadeiro “tabu”. Hoje, porém, falamos da Nova Cultura Adotiva, na qual as barreiras se quebram em nome de uma convivência saudável com o tema, especialmente nas famílias que buscaram essa opção legal para a sua constituição.

Em benefício deste trabalho, surgiram e surgem a cada dia grupos de estudos e apoio à adoção, formados, em sua maioria, por pais adotivos e pessoas intimamente ligadas à questão. Seu principal objetivo é o de esclarecer e auxiliar os pretendentes à adoção, que encontram muitas dúvidas quanto ao processo como esta se dá. Em Curitiba, por exemplo, temos o Grupo de Apoio à Adoção Consciente (www.adocaoconsciente.com.br), no qual os interessados podem buscar mais informações a respeito.

A adoção é uma opção! Mais que isso: é uma forma de constituir uma família, independentemente de raça, orientação sexual, credo ou ideologia política, possibilitando à criança e ao adolescente acolhidos institucionalmente a chance de crescerem amparados, conforme preconiza a nossa Constituição Federal no art. 227, em que consta claro o direito à convivência familiar.

A adoção supera barreiras! Não há de se discutir o direito de dois homens, de duas mulheres ou até mesmo de pessoas solteiras pleitearem a adoção: tais questões já foram exaustivamente discutidas e decididas. O que devemos, na condição de sociedade, é exigir medidas efetivas quanto ao acolhimento institucional – lugar de criança é dentro de um lar.

Os Grupos de Apoio à Adoção atuam diretamente neste propósito, buscando soluções eficazes às adoções necessárias, que são as adoções de grupos de irmãos, adoção tardia, adoção inter-racial e adoção especial.

Portanto, cabe aqui o registro de repúdio a qualquer tipo de preconceito ou prática de atos homofóbicos que traga risco à própria integridade da família que se formou com a recente decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), citada no artigo “Perversão da Adoção” publicado por esta Gazeta do Povo em 30 de agosto. O rebuscamento no registro de certas palavras, ainda quando sutilmente, não será capaz de ocultar o verdadeiro prejuízo do preconceito.

As recentes decisões judiciais envolvendo as adoções por parceiros homoafetivos têm como fim legalizar o que há muito tempo já existia como prática em muitos tribunais por todo o Brasil. Até então, a adoção era realizada em nome de apenas um dos companheiros, que recebia a guarda e, posteriormente, a paternidade de forma unilateral. Ocorre que tais situações representavam um risco potencial às crianças e aos adolescentes, dado que, em caso de separação, não haveria obrigação alimentar do parceiro que não tivesse adotado, bem como tal situação prejudicava os infantes em questões sucessórias, haja vista que eles não eram herdeiros. Assim, o acolhimento da tese do STJ busca assegurar o interesse dos menores, que são titulares do direito a políticas prioritárias em relação aos seus direitos tutelados.

Esta é uma oportunidade de esclarecer a adoção responsável, aparando eventuais arestas deixadas, em prol de uma convivência justa e perfeita entre as diferenças.

Hélio Ferraz de Oliveira é presidente do Grupo de Apoio à Adoção – A Casa de Helena.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Nova Lei da Guarda Compartilhada (ou Alternada)
Nova Lei da Guarda Compartilhada (ou Alternada) Salvar • 2 comentários • Imprimir • Reportar Publicado por Flávio Tartuce - 20 horas atrás 11 Prezados Leitores do Blog. A Presidenta Dilma sancionou hoje a nova Lei da Guarda Compartilhada Obrigatóri
Os efeitos da extensão do conceito de família
SÍNTESES – O ESTATUTO DA FAMÍLIA Artigo Os efeitos da extensão do conceito de família Publicado em 01/07/2014 | André Gonçalves Fernandes Numa correta compreensão do Estatuto da Família, algumas perguntas, que correspondem a argume
Pelo respeito a todas as famílias
SÍNTESES – O ESTATUTO DA FAMÍLIA Artigo Pelo respeito a todas as famílias Publicado em 01/07/2014 | Toni Reis Dados do Censo Demográfico de 2010 (IBGE) retratam a existência da diversidade nos arranjos familiares atuais: 66,2% são famílias “nucleare
CONTRATO DE NAMORO
O contrato de namoro nada mais é do que uma simples declaração de vontade em que os envolvidos afirmam por meio de documento particular ou público que estão tendo um relacionamento amoroso, sem a intenção de constituir família.
ALIENAÇÃO PARENTA PARA LEIGOS
Há inúmeros alienadores em nossa sociedade e a prática vem fazendo mal a olhos vistos às crianças e adolescentes do nosso tempo. Pessoas sem controle psicológico transferem para eles seus distúrbios. Não sabem administrar seus problemas e incutem em seus
Casar ou viver em união estável?
Se ainda não souber qual situação se adequa melhor ao seu relacionamento, entre em contato com um advogado atuante em Direito de Famílias e Sucessões e, por meio de uma consulta, solucione suas dúvidas.
Ainda que tarde, cresce registro de paternidade
Após nova regra que facilita o registro tardio, cartórios de Curitiba têm alta de até 152% no número de pais que reconhecem os filhos
Editorial: Casamento gay
Alguns Estados --como é o caso de São Paulo, desde março-- já adotavam normas para garantir a igualdade a casais gays. É inegável, contudo, o impacto simbólico de uma regulamentação nacional.
CNJ aprova resolução que obriga cartório a celebrar casamento gay em todo o país
Veja a matéria completa no link: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/05/14/cnj-aprova-resolucao-que-obriga-cartorio-a-celebrar-casamento-gay.htm
Sancionada lei que permite separação e divórcio consensuais de brasileiros no exterior
A lei ainda determina que deverão constar do ato disposições relativas à descrição e à partilha dos bens comuns e à pensão alimentícia e, ainda, ao acordo quanto à retomada pelo

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 1 de um total de 46 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover