Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Coluna do leitor
A Confederação Nacional do Transporte (CNT), chapa branca do governo federal, aponta em pesquisa que 73,9% dos...
ÔNIBUS NÃO PÁRA EM PONTO, DIZ USUÁRIA
Mayara Emy Koike, estudante de jornalismo, queixa-se do "desrespeito" com o cidadão no serviço prestado pela linha de...
veja mais

 

11/01/2011 - 70 anos: regime da separação obrigatória de bens

Luiz Kignel

A Lei n.º 12.344/10, que eleva de 60 para 70 anos a idade para a qual se impõe o regime da separação obrigatória de bens, vem gerando polêmica quanto aos limites da intervenção do poder estatal na vida do cidadão.

Na virada do Século XXI, onde todas as liberdades possíveis parecem ter sido alcançadas pelo brasileiro, é de se reconhecer que seja retrógrada uma lei que, na contramão do senso comum, impõe restrições à liberdade de convencionar o regime de bens de um casal quando um deles já contar com determinada idade. Tal imposição tornar-se-ia ainda mais equivocada nos dias atuais onde, ao contrário do passado, as pessoas com mais de 60 anos seguem trabalhando, aptas e capazes para o mercado registre-se, por vezes até indispensáveis e na sua vida pessoal ainda casam, têm filhos e são felizes. Portanto, ao invés de elevar a idade de 60 para 70 anos, o justo seria abolir por completo essa abominação jurídica. Feitas essas alegações dentro do escopo do cidadão comum, estou plenamente de acordo. Qualquer restrição à liberdade deve ser espancada.

Todavia, do ponto de vista da proteção à família em seu sentido coletivo e não individual a lei tem enorme valia. E só sabe apreciá-la aqueles que já vivenciaram algo muito próximo.

Divergindo respeitosamente de várias manifestações de outros profissionais do Direito, entendo que tão necessário quanto elevar a idade para 70 anos, é manter a exigência da separação obrigatória de bens após essa nova faixa de idade. Aos mais afoitos, me permitam justificar essa posição.

O ser humano não se torna incapaz nem aos 60, tampouco aos 70 anos. Segue uma pessoa produtiva, capaz de novos desafios profissionais e, certamente, apta sentimental e fisicamente para amar e ser amada. Tudo isso é belo até o momento que recebemos em nosso escritório casos concretos onde determinados cidadãos, picados pelo cúpido com uma flecha de mão única (porque só alcança uma das partes), são capazes de atos que apenas aos apaixonados é permitido. Quando fazemos isso aos 20 anos de idade, nos permitimos arriscar. Quando fazemos isso aos 70 anos de idade, talvez exista algo a mais que deva ser ponderado.

Não devemos julgar o cabimento das leis apenas pelo nosso senso comum, mas também pelo que determinada norma jurídica servirá para proteger os incautos do tão conhecido “golpe do baú”, um termo tão antigo para uma situação tão presente. E é preciso dizer que nada impede que um cônjuge faça ao outro determinadas liberalidades materiais, sem que isso se torne uma transferência automática de patrimônio.

Sem pretender generalizar, e longe de inadvertidamente afirmar que toda relação com idades díspares se configure um ilícito, lembro da lição do ensaísta Bernard Shaw que dizia: “Há duas tragédias na vida. Uma é não fazer o que o coração deseja. A outra é fazer!”.

Luiz Kignel é advogado especialista em Direito de Família e Sucessão Empresarial; e Professor Convidado do Curso de Empresas Familiares da Fundação Getulio Vargas GVPEC e Professor convidado da GVLaw Especialização.

O Estado do Paraná – 10-01-2011

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Nova Lei da Guarda Compartilhada (ou Alternada)
Nova Lei da Guarda Compartilhada (ou Alternada) Salvar • 2 comentários • Imprimir • Reportar Publicado por Flávio Tartuce - 20 horas atrás 11 Prezados Leitores do Blog. A Presidenta Dilma sancionou hoje a nova Lei da Guarda Compartilhada Obrigatóri
Os efeitos da extensão do conceito de família
SÍNTESES – O ESTATUTO DA FAMÍLIA Artigo Os efeitos da extensão do conceito de família Publicado em 01/07/2014 | André Gonçalves Fernandes Numa correta compreensão do Estatuto da Família, algumas perguntas, que correspondem a argume
Pelo respeito a todas as famílias
SÍNTESES – O ESTATUTO DA FAMÍLIA Artigo Pelo respeito a todas as famílias Publicado em 01/07/2014 | Toni Reis Dados do Censo Demográfico de 2010 (IBGE) retratam a existência da diversidade nos arranjos familiares atuais: 66,2% são famílias “nucleare
CONTRATO DE NAMORO
O contrato de namoro nada mais é do que uma simples declaração de vontade em que os envolvidos afirmam por meio de documento particular ou público que estão tendo um relacionamento amoroso, sem a intenção de constituir família.
ALIENAÇÃO PARENTA PARA LEIGOS
Há inúmeros alienadores em nossa sociedade e a prática vem fazendo mal a olhos vistos às crianças e adolescentes do nosso tempo. Pessoas sem controle psicológico transferem para eles seus distúrbios. Não sabem administrar seus problemas e incutem em seus
Casar ou viver em união estável?
Se ainda não souber qual situação se adequa melhor ao seu relacionamento, entre em contato com um advogado atuante em Direito de Famílias e Sucessões e, por meio de uma consulta, solucione suas dúvidas.
Ainda que tarde, cresce registro de paternidade
Após nova regra que facilita o registro tardio, cartórios de Curitiba têm alta de até 152% no número de pais que reconhecem os filhos
Editorial: Casamento gay
Alguns Estados --como é o caso de São Paulo, desde março-- já adotavam normas para garantir a igualdade a casais gays. É inegável, contudo, o impacto simbólico de uma regulamentação nacional.
CNJ aprova resolução que obriga cartório a celebrar casamento gay em todo o país
Veja a matéria completa no link: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/05/14/cnj-aprova-resolucao-que-obriga-cartorio-a-celebrar-casamento-gay.htm
Sancionada lei que permite separação e divórcio consensuais de brasileiros no exterior
A lei ainda determina que deverão constar do ato disposições relativas à descrição e à partilha dos bens comuns e à pensão alimentícia e, ainda, ao acordo quanto à retomada pelo

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 1 de um total de 46 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover