Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Sobra gente onde falta infraestrutura
Veja a matéria completa no link:...
OPINIÃO DO LEITOR
A história do pequeno ginasta Lucas Galdino Silva, homenageado semana passada pelo prefeito Barbosa Neto, é também a...
veja mais

 

20/06/2008 - Com guarda compartilhada, pais passam a dividir direitos e deveres

Agência Estado [13/06/2008]

Compartilhar a guarda dos filhos passa a ser direito de pais e mães com a sanção nesta sexta-feira (13), pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional.

Atualmente a guarda é unilateral, ou seja, o filho fica apenas um dos pais e o poder de decisão cabe àquele que a detém. Com a guarda compartilhada, o pai e a mãe passam a dividir direitos e deveres relativos aos filhos e as decisões sobre a rotina da criança ou do adolescente. Questões relacionadas escola e viagens, por exemplo, passam a ser tomadas em conjunto.

O projeto aprovado no Congresso Nacional altera o Código Civil. Ao decidir sobre o assunto, o juiz poderá dar preferência guarda compartilhada quando não houver acordo entre os pais. Esse sistema pode ser fixado também por consenso entre pai e mãe.
O tempo que o filho irá passar com cada um dos pais será decidido entre eles. È o que ocorre hoje com Rodrigo Dias, pai separado e idealizador do projeto de guarda compartilhada. O filho dele, José Lucas, de 12 anos, fica na casa do pai s terças e quintas-feiras e passa os finais de semana alternadamente com mãe e pai.

Em 2000, Dias propôs a um deputado que apresentasse o projeto de lei sobre esse tipo de tutela. Para ele, a lei traz benefícios por permitir contato em menor espaço de tempo de ambos os pais com filhos. É engano pensar que haverá prejuízo. Haverá sempre lucro e esse lucro é a figura paterna e materna presente na vida do filho.

Denise Veiga, que tem dois filhos de relacionamentos anteriores, defende a lei e considera que, na prática, a guarda compartilhada funciona. O filho não pertence só mãe, tanto em termos de cuidado, responsabilidades, como a questão de arcar com as despesas, isso tem que ser partilhado 50%.

A filha de Denise, Irina Ly, de 10 anos, diz que não tem problemas com a forma como vive com os pais. O pai mora em outra cidade e, a cada dois meses, eles passam alguns dias juntos.

Quem já se separou e enfrenta problemas com a guarda unilateral pode recorrer ao juiz em busca da guarda compartilhada, segundo a relatora do projeto na Câmara, deputada Cida Diogo (PT-RJ).

A lei foi sancionada no Palácio do Planalto, em cerimônia fechada, e agora segue para publicação no Diário Oficial da União.

O Estado do Paraná – 14.06.2008

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Luciana Saddi: Alienação parental é uma tragédia
Desde 2010, o ECA (Estatuto da Criança e Adolescente) prevê punição para quem comete alienação parental --que é quando um genitor tenta destruir a imagem do outro para o filho.
STJ decide que casal gay pode adotar criança menor de 12 anos
"Essa escolha é livre, não podendo em nenhuma hipótese classificar quem quer que seja em melhor ou pior. O homossexual tem o direito de adotar um menor, salvo se não preencher os requisitos estabelecidos em lei.
Separação judicial não está banida do ordenamento jurídico
Não se revela inviável sustentar que a Constituição da República, ao afirmar que o casamento pode ser dissolvido pelo divórcio, com força normativa, não revogou as disposições do Código Civil.
A importância dos referenciais masculino e feminino
A família não é uma entidade meramente cultural ou ideológica, e, portanto, não é qualquer junção de pessoas que deve ser considerada como tal.
Foco no adotado, não no adotante
No Brasil, a adoção homoparental existe e é aceita em vários estados brasileiros.
Obstáculos judiciais dificultam adoção por casais homoafetivos no Brasil
Quando Airton e Marcos chegaram em casa com os dois futuros filhos adotivos – na segunda visita antes de a adoção ser efetivada –, o mais velho olhou para eles e perguntou: “quando é que poderei chamar vocês de pai?”.
Comissão aprova projeto que torna legal casamento homossexual
A decisão do STF, porém, não é equivalente a uma lei sobre o assunto --por isso o Congresso quer incluí-la na legislação brasileira. O artigo 1.723 do Código Civil estabelece a união estável heterossexual como entidade familiar.
Dilemas da Justiça
SÃO PAULO - É com imenso atraso que comento a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de obrigar um pai a indenizar a filha em R$   200 mil por abandono afetivo.
Filha indenizada por abandono diz que tentou aproximação com pai
A professora Luciane Nunes de Oliveira Souza, 38, afirmou que procurou o pai diversas vezes durante a infância, mas que ele nunca cedeu as tentativas de aproximação.
Quando a alienação parental começa antes da separação
Temos que ter em mente o pensamento de Talmude: “Quando você ensina o seu filho, ensina também o filho do seu filho”, e assim teremos edificado a personalidade de um homem forte e seguro.

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 4 de um total de 46 páginas

InícioAnterior12345678910111213PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover