Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Leitor critica o chef Alex Atala por matar galinha no palco de simpósio
Está muito claro, pelo menos para mim, que muitos animais existem para servir de alimento ao homem, visto que são fontes...
Concessionária COMERI
Reclamação: Comprei um Fiesta 2005 da concessionária COMERI em Praia Grande SP, porém, o carro estava com problemas de...
veja mais

 

13/09/2011 - Divórcio: mediação familiar como método alternativo

A utilização da mediação no âmbito das relações de família é uma antiga reivindicação. Poder lançar mão dos métodos alternativos de solução de conflitos proporciona benefícios a todos

Tramita na Câmara o Projeto de Lei n.º 428/11, que insere no Código Civil a recomendação para que juízes incentivem a mediação familiar em casos de divórcio. Mas será que essa medida é importante? O divórcio pode ser desgastante, traumatizante e deprimente. Oferecer um ambiente amigável, em que a filosofia recorrente é a do consenso, atenua os nefastos efeitos psicológicos da experiência. É aí que entra a mediação familiar.

Ela pode colaborar sobremaneira nos processos de separação oferecendo aos casais ajuda de uma terceira pessoa (um técnico neutro e qualificado), para ajudá-los a resolver seus conflitos e alcançar um acordo confortável e perene. O trabalho do mediador leva em conta as necessidades de todos os membros da família, em especial das crianças, procurando conduzir as partes ao entendimento. A mediação acaba por evitar muitas vezes a adoção de uma via litigiosa. Além disso, ajuda os pais a não abdicarem da suas responsabilidades e os conduzem a assumir as suas próprias decisões.

A utilização da mediação no âmbito das relações de família é uma antiga reivindicação de magistrados, advogados, promotores de justiça, psicólogos, psicanalistas e sociólogos. Poder lançar mão dos métodos alternativos de solução de conflitos proporciona infindáveis benefícios a todos.

Às partes, porque terão oportunidade de acalmar os ânimos e caminhar para um rumo comum. Aos magistrados, porque recebem o casal já ajustado e composto para um acordo. Aos promotores porque terão seus trabalhos simplificados no sentido de procurar a melhor solução para os envolvidos, principalmente no que se refere aos menores de idade. E ao Poder Judiciário porque terá um processo a menos para gerenciar por anos a fio.

A Justiça estatal é o meio inevitável para divórcios que envolvam filhos menores de 18 anos de idade. Nessas situações a legislação determina a intervenção do Ministério Público, portanto somente o Estado está habilitado a atuar. Entretanto, não havendo menores, além da mediação, a arbitragem pode colaborar imensamente para a resolução dos casos de divórcio. Caso as partes decidam pela utilização da justiça privada para resolver seu conflito, a mesma conduta utilizada pela Justiça estatal se opera no âmbito arbitral.

Em primeiro lugar, utilizam-se sessões de mediação para que se procure alcançar consenso entre os solicitantes. Feito isso, inicia-se o procedimento arbitral para dar seguimento ao aspecto formal e legal da dissolução da sociedade conjugal. As vantagens da utilização da arbitragem são inúmeras: em primeiro lugar, a celeridade. Frequentemente um procedimento dessa natureza tem seu curso completo em apenas uma audiência.

Em segundo lugar, o árbitro atuante será pessoa especializada e capacitada para atuar em procedimentos que trazem em seu bojo tantas e delicadas nuances psicológicas e afetivas que envolvem as partes. O cuidado com o aspecto emocional é redobrado e a atenção dos árbitros é direcionada para trazer conforto e tranquilidade àqueles que se utilizam do instituto.

O sigilo também é oferecido pela Justiça estatal, uma vez que no Direito de Família todos os processos operam sob o segredo de Justiça. Entretanto, no juízo arbitral, não só a privacidade das partes é preservada, como também o conforto psicológico e emocional.

Ademais, diferentemente dos juízes, os árbitros não trabalham com sobrecarga de processos e, portanto, se valem de tempo suficiente para trazer os participantes a uma aproximação adequada. Vale ressaltar, ainda, que a sentença proferida por um árbitro tem exatamente o mesmo valor legal daquela prolatada pelos juízes estatais, produzindo as mesmas consequências jurídicas, inclusive com relação aos efeitos legais para partilha de bens.

Ana Claudia Pastore, advogada, é superintendente do Conselho Arbitral do Estado de São Paulo (Caesp).

Comente esta matéria. Preencha o formulário: “Faça sua reclamação” aqui no site www.reclamando.com.br ou envie e-mail para: espírito_santo@uol.com.br

Gazeta do Povo – 10-09-2011

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Pensão prestada pelos avós: uma obrigação subsidiária, não solidária
Rompimento legal e definitivo do vínculo de casamento civil, o divórcio é matéria comum nos dias de hoje. De acordo com o estudo Síntese de Indicadores Sociais 2010, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de separaçã
União homoafetiva e insubordinação judicial
A decisão do STF reconheceu o direito aos casais homossexuais à união estável; a Suprema Corte deu interpretação conforme a Constituição Federal para excluir qualquer significado do artigo 1.723 do Código Civil que impeça o reconhecimento da união entre p
Justiça - Juiz anula união gay e contraria posição do STF
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux considerou um “atentado” ao Supremo a decisão do juiz Jerônymo Pedro Villas Boas que anulou a união estável de um casal homossexual de Goiânia. “Se ele [o juiz] foi contra ao entendimento do Supremo Tr
Adoção na união homoafetiva
A adoção por casais homoafetivos é bastante polêmica na atualidade e não há como chegar a um entendimento definitivo a respeito dessa questão sem antes compreender o tratamento jurídico que deve ser dado à união entre pessoas do mesmo sexo, ou seja, se es
Direitos de casais homossexuais e a adoção
A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que equiparou a união de pessoas do mesmo sexo às uniões estáveis heterossexuais já surtiu efeitos, servindo como base para julgamento proferido pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) que concedeu a ca
Infância: proposta regulamenta atuação do MP na defesa do direito à convivência familiar
A conselheira Sandra Lia, presidente da Comissão de Infância e Juventude do CNMP, apresentou na sessão dessa terça-feira, 17 de maio, proposta de resolução sobre a atuação de membros do Ministério Público na defesa do direito à convivência familiar e comu
alienação parental - mãe poderá perder guarda do filho por não deixar ex-marido ver o filho
Para visualizar a matéria na íntergra, clique no título.
MARIDO DESNATURADO PASSAR BENS PARA O NOME DO IRMÃO PARA PREJUDICAR ESPOSA
Para visualizar a matéria, clique no título
EU E MEU FILHO FOMOS ABANDONADO. QUAIS SÃO NOSSOS DIREITOS?
para visualizar a matéria, clique no título
Família - Avós terão de dividir pensão de netos
Uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reafirmou que, em caso de não pagamento de pensão alimentícia por parte de um dos pais, os avós maternos e paternos devem ser acionados para arcar com o pagamento. A decisão unânime reformou entendimento a

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 7 de um total de 46 páginas

InícioAnterior12345678910111213141516PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover