Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


PERGUNTAS DOS INTERNAUTAS
Uma pessoa que tem uma herança para receber dos pais já falecidos, mas antes de receber faleceu também, deixando esposa...
Estudante diz não ter recebido notebook comprado em 2008
O estudante Fábio Rodrigues Oliveira reclama da loja Stopplay. Ele conta que comprou um notebook em 15 de outubro e que...
veja mais

 

18/08/2010 - Juízes e cartórios têm 3 interpretações para emenda do divórcio

Projeto tinha o objetivo original de acabar com os prazos necessários para quem se divorcia, mas há divergências

Há casos até de quem afirme que mudança, em vigor há 3 semanas, só valerá após alteração do Código Civil

JOHANNA NUBLAT - DE BRASÍLIA

Valendo há três semanas, a emenda do divórcio direto está sendo interpretada por juízes e cartórios de três formas diferentes.

O divórcio direto e sem prazos, o divórcio direto com separação como possibilidade e o divórcio e a separação com a necessidade de prazo (ou seja, por esta interpretação, nada mudou) são as práticas que a reportagem encontrou pelo país.

A emenda que alterou a Constituição tinha o objetivo original de acabar com os prazos necessários para quem se divorcia (de dois anos da separação de fato e de um ano a partir da separação formal) e de extinguir a figura da separação.

Isso porque, ao retirar a separação da Constituição, os artigos que falam dela no Código Civil seriam implicitamente revogados. Assim, a partir da publicação da emenda, a única forma de finalizar no papel um casamento seria o divórcio direto e sem nenhum prazo.

A interpretação acima é do IBDFAM (Instituto Brasileiro de Direito de Família), autor intelectual da proposta, e é considerada pelos especialistas e juízes consultados como a posição "majoritária".

É o caso de Goiânia. Juíza da 2ª Vara de Família da cidade, Maria Luiza Póvoa invocou todas as pessoas que estavam em processo de separação a transformarem suas ações em pedidos de divórcio. "Não há mais como se separar. O ordenamento jurídico não contempla mais essa possibilidade", diz a juíza.

Insistindo em querer a separação, uma mulher recorreu à decisão de Póvoa, e o caso deve chegar ao Tribunal de Justiça. Até aqui, não houve manifestação de um tribunal sobre o caso, de acordo com especialistas.

O "fim" da separação também foi decretado em varas de família de Salvador, Maceió e Belo Horizonte.

Ela ainda existe, porém, como uma possibilidade a mais, nos cartórios de São Paulo e do Rio Grande do Sul, segundo entendimento dos Colégios Notariais do Brasil desses Estados.

As associações acima entendem que a alteração apenas na Constituição não elimina a separação - o que só seria alcançado com uma alteração no Código Civil, que também trata do tema.

"Os cartórios são os primeiros a sofrer os efeitos da alteração da lei e têm que fazer uma leitura literal. O Código Civil não foi alterado, ele continua falando em separação. Por isso, o CNB orientou os tabeliães a manterem a separação até que o Código Civil seja alterado", disse Rafael Depieri, assessor jurídico do colégio de SP.

PRAZO DE UM ANO

Além de manter a separação, os CNBs exigem um ano de casamento para realizar a separação consensual.

Para o advogado Mário Delgado, favorável à manutenção da separação, esse mecanismo deve continuar sendo usado, mas com menos frequência.

Uma corrente ainda mais radical entende que nada mudou com a emenda constitucional: permanecem separação e prazos até mudança no Código Civil. É o que pensam o desembargador Luiz Felipe Brasil Santos, do RS, e o juiz Fernando Henrique Pinto, de Jacareí (SP).

O IBDFAM acredita que o consenso será formado ao longo do tempo, mas provocou o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) a se manifestar. O conselho foi procurado, mas não respondeu.

Folha de São Paulo – 07-08-2010

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Folha de São Paulo
Imprimir   enviar para um amigo
Família - Avós terão de dividir pensão de netos
Uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reafirmou que, em caso de não pagamento de pensão alimentícia por parte de um dos pais, os avós maternos e paternos devem ser acionados para arcar com o pagamento. A decisão unânime reformou entendimento a
Direito da família - Divórcio não pode afastar avós de netos
O plenário da Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto de lei estendendo aos avós o direito de visita aos netos em caso de divórcio dos pais. A votação ganhou fôlego no Congresso depois do episódio Sean Goldman, o qual expôs um conflito legal envolvendo
Judiciário é o caminho para conflitos que envolvem famílias homossexuais
Em fevereiro, o Supremo Tribunal Federal (STF) deve decidir se as uniões entre homossexuais têm validade no Brasil. No centro desse debate está a advogada e desembargadora aposentada Maria Berenice Dias, maior especialista no Brasil em direito homoafetivo
MEU MARIDO TEM MANIA DE GRITAR COMIGO, QUEBRAR OS UTENSÍLIOS DOMÉSTICOS. QUE DEVO FAZER?
Para visualizar o conteúdo desta matéria clique no título da mesma.
Regimes de casamento e implicações na constituição de empresas entre cônjuges
Com o advento do Código Civil de 2002, muita polêmica tem sido criada em razão do expresso no artigo 977 do Código Civil que diz: “faculta-se aos cônjuges contratar sociedade, entre si ou com terceiros, desde que não tenham casado no regime da comunhão un
O filho de Elton John
Filhos que os pais não querem ou não podem exercer o poder familiar sempre existiram. Legiões de crianças abandonadas, jogadas no lixo, maltratadas, violadas e violentadas, escancaram esta realidade. A sorte é que existem milhões de pessoas que desejam re
MODERNAS FAMÍLIAS - Casamentos no século 21
Conhecer a pessoa perfeita, casar na igreja, ter filhos e viver juntos para sempre era o ideal de uma vida feliz para os casais de tempos atrás. O relacionamento do século 21 é diferente, mas continua resultando em felicidade e estabi
70 anos: regime da separação obrigatória de bens
A Lei n.º 12.344/10, que eleva de 60 para 70 anos a idade para a qual se impõe o regime da separação obrigatória de bens, vem gerando polêmica quanto aos limites da in
Uniões estáveis simultâneas
Em recente decisão, o Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial n.º 1.157.273/RN, enfrentou diversos julgamentos anteriores e buscou pacificar uma situação muito comum: as uniões estáveis simultâneas. O conceito também pode ser chamado de rel
AÇÃO DE ALIMENTOS. PAI RESIDENTE NA ALEMANHA
Para visualizar a matéria clique sobre o título da mesma.

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 8 de um total de 46 páginas

InícioAnterior1234567891011121314151617PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover