Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Governo ignora cientistas em debates importantes
O órgão faz uma reunião anual, a cada ano numa região diferente do país, que funciona como um grande congresso...
Coluna do Leitor – Opinião de Leitores da Gazeta do Povo
A situação dos terminais do Pinheirinho e do Portão, que foram reformados, é deplorável (Gazeta, 11/2). Quando chove, as...
veja mais

 

25/08/2010 - Mudanças necessárias e urgentes

Fábio Botelho Egas

Em seu saboroso livro de memórias, o talentoso e experimentado advogado Saulo Ramos nos dá conta de quão necessárias e urgentes são as alterações do sistema legal e judicial, quando o assunto é Direito de Família e Sucessões.

Narra o causídico, na romanceada autobiografia, grave disputa judicial pela guarda de duas crianças travada pelos pais, cujo desfecho vem acompanhado de questionamentos do tipo - "se tivéssemos nos aprofundado mais na causa, talvez tivéssemos evitado mortes, angústias e mais sofrimentos?!" numa angustiada constatação do esgotamento das leis vigentes, especialmente as que cuidam dos conflitos familiares.

A função maior da lei é garantir e preservar a dignidade humana. É a convivência entre as pessoas - o tal contrato social -, em última instância, que cuida a lei de tornar viável.

Sabe-se, que disputas judiciais familiares têm, muitas vezes, como pano de fundo, a repetição, pelos litigantes de agora, de conflitos familiares passados e não superados. No citado livro não é diferente.

A lei reguladora das relações de família, ignorando sua função primordial e a complexidade familiar, acaba por lançar o cidadão que bate às portas do Poder Judiciário numa dilacerante disputa entre o bem e o mal, o culpado e o inocente, o algoz e a vítima, como se isso fosse totalmente possível de mensurar dentro de um processo judicial cheio de regras e limitações, perpetuando, no mais das vezes, os ciclos de repetição de dinâmicas familiares que já não deram certo.

Por óbvio, não se trata aqui das situações em que necessárias se fazem intervenções judiciárias contundentes.

Fato é que não há, ainda, dentro do sistema legal, um contrapeso às verdadeiras fraturas de continuidade impostas ao processo de desenvolvimento das pessoas e das famílias.

A oportunidade que muitas vezes um processo judicial poderia representar, oferecendo-se como alternativa de transformação de certos conflitos familiares em reais chances de desenvolvimento, diante das disposições legais vigentes, acaba por transformar-se num palco de vitimizações e de demonizações, ambas, nem sempre verdadeiras.

O alijamento da culpa como regra do Direito de Família, nesse sentido, é urgente e fundamental, inclusive, para que, dando integral cumprimento à sua função maior o sistema legal ampare as convivências humanas, nivelando-as por cima.

Fábio Botelho Egas é advogado especialista em Direito de Família e Sucessões, na área contenciosa e consultiva.

O Estado do Paraná – 16-08-2010

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Recusou fazer o DNA? Você é o pai
Brasileiro não assume bronca. Mesmo em caso de flagrantes, em que não há como contestar, ele dá um jeito e nega. A lei costuma ser tolerante com essas atitudes. Acidente de trânsito: o causador está visivelmente sob efeitos do álcool mas se reserva o dire
Aprovada admissão de paternidade em caso de recusa a teste de DNA
O Senado aprovou nesta quarta-feira (4) um projeto que considera admissão de paternidade a recusa do suposto pai em fazer testes, como o de DNA. A proposta segue para a sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Família - Casal de gays briga na Justiça por filho
Um casal de mulheres está travando uma batalha na Justiça do Paraná pelo direito de visitar o filho – um menino de 11 anos – que elas tiveram por meio de uma inseminação artificial. Casadas por 21 anos, elas se separaram em março de 2010. Esse é o primeir
Alimentos, consumidor e informação
Recentemente a Agência nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) editou resolução (de n.º 24/2010 de 15/06/2010) por meio da qual visaria "assegurar informações indisponíveis à preservação da saúde de todos aqueles expostos à oferta, propaganda, publicida
União homoafetiva: Judiciário e alternativas
No último dia 14 de julho, o Senado argentino aprovou o matrimônio homoafetivo. Com essa vitória, a Argentina passa a ser o primeiro país na América do Sul a admitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo, demonstrando grande avanço no que diz respeito à
Separação judicial entre a cruz e a espada!
Em artigo publicado neste mesmo editorial - Divórcio Imediato e Normas Remanescentes (19/7/2009) -, escrevi que o texto que seria dado ao º 6.o, do art. 226, da Constituição Federal, suprimiria do ordenamento jurídico o instituto da separação judicial, pe
OAB saúda concurso obrigatório para cartórios: "é o fim da era do sangue"
O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, saudou hoje (13) a decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de declarar vaga a titularidade de 5.561 dos 14.964 cartórios existentes no País e tornar obrigatória a reali
COMPORTAMENTO 'CONTAGIOSO' - Divórcio aumenta quando alguém próximo se separa
Pesquisas realizadas em três universidades dos Estados Unidos - Harvard, Brown e Chicago - comprovaram que o divórcio é ''contagioso.'' De acordo com os estudos, as chances de um indivíduo se separar aumentam 75% quando ele se relaciona d
Pai que não pagar benefício pode ter o nome no SPC
São Paulo - Antes, se um pai deixava de pagar a pensão do filho, poderia ter os bens bloqueados e ficar na prisão por até três meses. Agora, segundo entendimento inédito do Tribunal de Justiça em São Paulo, o devedor também pode ter o nome incluído no SPC
A emenda constitucional do divórcio direto acabou com a separação?
Para se divorciar, o casal necessitava promover, antes, a separação judicial ou comprovar a separação de fato por mais de dois anos. Assim determinava a Constituição, até a emenda constitucional nº 66 (EC 66), recentemente promulgada, qu

Total de Resultados: 457

Mostrando a página 10 de um total de 46 páginas

InícioAnterior12345678910111213141516171819PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover