Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Linha Verde - Antipó - Parque
Tenho observado diariamente o trabalho realizado pelas construtoras na Linha Verde. Embora seja visível o planejamento...
Excesso de processos e falta de funcionários causam lentidão, diz AMB
BRASÍLIA - Na opinião dos juízes, a falta de estrutura e de funcionários qualificados nas varas do país, somadas ao...
veja mais

 

09/10/2012 - Um voto surpreendente

Gazeta do Povo - 06-10-2012

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=1304668&tit=Um-voto-surpreendente

Um voto surpreendente

Um magistrado digno do nome poderia muito bem absolver um acusado, desde que estivesse baseado em motivos sólidos para tal. Mas, na quinta-feira, Ricardo Lewandowski mais parecia o advogado de defesa de José Dirceu

O esperado julgamento do ex-ministro José Dirceu, apontado como o mandante do esquema do mensalão, e do ex-presidente do PT José Genoíno foi interrompido na última quinta-feira. Por ora, o placar aponta três votos pela condenação dos dois réus e um pela absolvição. Na sessão de quinta, não deixou de chamar atenção a postura do ministro Ricardo Lewandowski ao decidir pela inocência de Dirceu.

Em outra ocasião, neste mesmo espaço, afirmamos que o julgamento do mensalão revelaria se o ministro Dias Toffoli – que ainda não deu seu veredicto sobre Dirceu e Genoíno – era um magistrado de verdade ou um militante partidário infiltrado no STF. O mesmo raciocínio vale para Lewandowski e qualquer um dos outros oito ministros que participam do julgamento. O critério não seria a mera decisão de punir ou absolver, mas a argumentação usada. Um magistrado digno do nome poderia muito bem absolver um acusado, desde que estivesse baseado em motivos sólidos para tal. Mas, na quinta-feira, Lewandowski mais parecia o advogado de defesa de Dirceu, fazendo uso de uma rebuscada retórica argumentativa para justificar sua posição pró-absolvição.

Para tanto, qualificou a denúncia do procurador-geral da República como um punhado de ilações sem suporte probatório, sustentada no depoimento do ex-deputado Roberto Jefferson, um “inimigo figadal” do petista. Em contrapartida, referiu-se a “torrenciais” provas testemunhais em defesa de Dirceu, imputando toda a responsabilidade sobre a distribuição de dinheiro aos partidos aliados ao tesoureiro do PT, Delúbio Soares. O problema na torrente de testemunhos favoráveis a Dirceu é que, na maioria, foram prestados por petistas de carteirinha, o que para Lewandowski não foi suficiente para invalidá-los, como se fosse possível imaginar que algum “companheiro” complicasse a vida do outrora todo-poderoso ministro-chefe da Casa Civil.

A enfática posição do ministro revisor do processo do mensalão, entretanto, até agora não encontrou eco nos pares que já declinaram seus votos. Tanto Rosa Weber como Luiz Fux acompanharam integralmente o parecer do relator, Joaquim Barbosa, pela condenação de Dirceu e Genoíno. Para ambos, as provas existentes nos autos são mais que suficientes para atestar o envolvimento direto do ex-ministro da Casa Civil em toda a trama para comprar apoio parlamentar no primeiro governo Lula. Foram ainda mais longe os dois ministros, considerando como inverossímeis os argumentos expostos pelas defesas dos acusados.

Na próxima terça-feira irão se pronunciar os seis ministros que ainda não votaram; o destino de José Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares e outros acusados de corrupção ativa será inexoravelmente decidido. Pelo andar da carruagem, a expectativa é de que ocorra a condenação dos réus do mensalão por maioria de votos. Desde já fica a dúvida quanto à posição a ser tomada justamente pelo ministro Dias Toffoli, um dos únicos que podem acompanhar Lewandowski na absolvição de José Dirceu. Como se recorda, antes de ser guindado à posição de ministro do Supremo, Toffoli foi advogado de Lula, trabalhou com Dirceu na Casa Civil e ocupou a chefia da Advocacia-Geral da União no governo do PT. Apesar das suas estreitas ligações no passado com a cúpula petista, o ministro não se considerou impedido de participar do julgamento dos envolvidos no mensalão.

Questionamentos à parte a respeito da posição de Lewandowski em benefício de Dirceu e de como votará Toffoli na terça-feira, o STF vem cumprindo à altura seu papel. A começar pela negativa da maioria em aceitar a tese repetida reiteradas vezes pelos mensaleiros de que nunca houve dinheiro para comprar parlamentares e sim recursos de campanha não contabilizados. Como se dessa forma tudo se resolvesse e a prática de caixa dois fosse um expediente tolerado por supostamente ser praticado por todos os partidos. Esperamos que a punição exemplar dos réus do mensalão, com base na materialidade das provas dos autos, seja o ponto de partida para um novo patamar ético na política brasileira, onde conchavos e acordos espúrios virem coisa do passado.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
O linchamento e nós
Editorial O linchamento e nós Crescem casos de violência coletiva, bruta e irracional, atualização urbana da Lei de Talião. O estado das coisas mostra que é hora de pensar no assunto E eis que o linchamento se tornou o assunto do noticiário. Algum
Supremo recebe ações penais da Operação Lava Jato
Investigação Supremo recebe ações penais da Operação Lava Jato Processos foram repassados pela Justiça do Paraná ao STF porque há indícios do envolvimento de congressistas 23/05/2014 | 19:49 | Folhapress O STF (Supremo Tribunal Federal) recebeu
Ficha suja pode impedir que 12 se candidatem ao governo
Garotinho, candidato no Rio, tem condenação como Luiz Fernando Pezão, atual governador, e César Maia, que também disputará o governo Eleições 2014 Ficha suja pode impedir que 12 se candidatem ao governo Levantamento feito com base em ações judici
Dolo eventual x culpa consciente no crime de embriaguez ao volante - critérios de distinção
Dolo eventual x culpa consciente no crime de embriaguez ao volante - critérios de distinção Retoricamente a distinção é bem clara, mas na prática a linha se revela muito tênue; quase um exercício de vidência. Salvar • 21 comentários • Imprimir • R
Abuso sexual de crianças agora é crime inafiançável. Aprovado na Câmara, texto segue para sanção presidencial (Getty Images
Abuso sexual de crianças agora é crime inafiançável. Aprovado na Câmara, texto segue para sanção presidencial (Getty Images) Um projeto de lei que torna hediondo o crime de exploração sexual de crianças e adolescentes foi aprovado nesta quarta-feir
Lentidão da Justiça livra deputado federal de responder por 3º crime em processo
Lentidão da Justiça livra deputado federal de responder por 3º crime em processo Fernando Giacobo (PR-PR) teve acusação por falsidade ideológica prescrita no STF no último dia 16. Político já tinha acusação extinta no mesmo processo por formação de quadr
Oito ações da Lava Jato não envolvem deputados e poderiam ficar no Paraná
Teori Zavascki, ministro do STF ; Fernando Francischini (SDD-PR), deputado federal Escândalo do doleiro Oito ações da Lava Jato não envolvem deputados e poderiam ficar no Paraná Segundo parlamentar, juiz que era responsável pelo caso disse que vá
Dilma sanciona lei que torna crime hediondo exploração sexual infantil
LEGISLAÇÃO Dilma sanciona lei que torna crime hediondo exploração sexual infantil Texto torna o crime inafiançável e condenado terá de cumprir um período maior no regime fechado para poder pleitear a progressão da pena 21/05/2014 | 21:47 | FOLHAPRE
Ministério Público pode investigar crimes eleitorais, decide STF
JULGAMENTO Ministério Público pode investigar crimes eleitorais, decide STF Resolução do TSE limitava poder de investigação do Ministério Público, estabelecendo que possíveis crimes eleitorais poderiam ser investigados apenas com autorização da Justiç
Réu do caso da “sogra fantasma” tem direito a foro privilegiado, diz TJ
Judiciário Réu do caso da “sogra fantasma” tem direito a foro privilegiado, diz TJ Ação por peculato contra Ezequias Moreira, secretário especial do governo Richa, irá agora tramitar no Tribunal de Justiça e não mais na primeira instância

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 2 de um total de 183 páginas

InícioAnterior1234567891011PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover