Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


CUIDADO AO COMPRAR PELA INTERNET
PARA VER NA ÍNTEGRA A MATÉRIA CLIQUE NA MANCHETE DA MESMA
contra a NESTLÈ
Qual o artigo que me da direitos do código de defesa do consumidor em relação a falta de Organização e planejamento da...
veja mais

 

14/09/2009 - Ao som de reggae, Minc defende maconha

 

Minc se inspira em Lula para fazer metáfora a favor da droga

São Paulo - No balanço do reggae, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, protagonizou segunda-feira uma aparição que promete se tornar o mais novo sucesso do YouTube. Durante show da banda de reggae Tribo de Jah, na Chapada dos Veadeiros (GO), Minc subiu ao palco e, com microfone em punho, fez um breve discurso de quatro minutos abordando temas diversos: da descriminalização da maconha à vitória do Brasil sobre a Argentina pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.

Na cadência do ritmo jamaicano, Minc iniciou a apresentação mandando um abraço “para o povo do reggae”. E com a mão esquerda levantada, entoou palavras de ordem que arrancaram efusivos aplausos da plateia: “reggae é paz e resistência.” O ministro também pediu que os presentes fechassem os olhos e dessem as mãos, “celebrando a paz”. “Viva o reggae, Bob Marley, Tribo de Jah e Chico Mendes”, conclamou o ministro, arrancando mais aplausos do público.

Ainda embalado pela batida do reggae, Minc criticou o desmatamento da Floresta Amazônica e do Cerrado brasileiro. “Nós dependemos dos seringueiros, castanheiros, índios e da rapaziada para proteger as nossas florestas.” E continuou, em tom elevado: “temos de acabar com a impunidade daqueles que desmatam.” Para entrar no tema das drogas, Minc reproduziu a estratégia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e emplacou uma metáfora futebolística.

Depois de dizer que “ontem (referindo-se ao dia 6 de setembro, quando a seleção brasileira de futebol goleou a Argentina) nós metemos 3 a 1 contra os nossos hermanos”, Minc afirmou que no futebol o Brasil está à frente da Argentina, mas o mesmo não ocorre quanto à descriminalização do uso da maconha. “Os juízes da Argentina descriminalizaram. O usuário não é criminoso. Nesse jogo, a gente tá perdendo aqui. Nós vamos virar esse jogo para acabar com a hipocrisia”, disse o ministro, ao som de vivas.

Procurada pela reportagem da Agência Estado, a assessoria do ministro afirmou que Minc compareceu ao evento “de livre vontade”. “Ele estava na região com um amigo e resolveu conferir o evento”, disse. A assessoria confirmou que o ministro subiu ao palco a convite dos integrantes da banda e, no momento do show, estava relaxado.

Gazeta do Povo – 11-09-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Quesito técnico - Não é irregular negar apresentação de provas ao Júri
Juiz que nega apresentação de provas ao Tribunal do Júri não comete irregularidade. Isto, quando se tratar de quesitos técnicos levantados pela defesa do acusado
Pausa para almoço - Interrupção de sustentação da defesa anula julgamento
A interrupção da sustentação oral da defesa diante do Tribunal do Júri configura constrangimento ilegal e é motivo para anulação do julgamento.
Gravação clandestina com fins de defesa é prova legítima
Para o Supremo Tribunal Federal, gravar clandestinamente uma conversa para se proteger não é prova ilícita.
Crime sem perdão - Casar com vítima menor não livra estuprador da culpa
Por maioria de votos, os ministros do Supremo Tribunal Federal decidiram que a união estável entre ofensor e vítima, em caso de estupro, não é suficiente para a extinção da punibilidade.
AGRESSÃO REITERADA CONTRA FILHO É CRIME DE TORTURA
Pai que reiteradamente agride, queima com cigarro, ameaça de morte, causando ao filho intenso sofrimento físico, moral e psicológico, pratica crime de tortura e não de maus tratos.
Gravidade do delito não justifica prisão preventiva
A gravidade do delito não é motivo para decretação de prisão preventiva
Chamar homem de negrão não configura racismo
Chamar um homem negro de “negrão” não caracteriza preconceito racial nem gera danos morais por se tratar de uma característica física, sem conotação pejorativa
MENORES ATROPELADOS AO ATRAVESSAR A VIA PÚBLICA POR VEÍCULO QUe NELA TRAFEGA V A. CULPA DO MOTORISTA DO VEICULO ATROPELADOR
Responsável penalmente o motorista que ao se aproximar de coletivo parado em ponto de ônibus, para embarque e desembarque de passageiros, não reduz a marcha do veí­culo
Absolvição em processo criminal não enseja dano moral.
Uma comprovação de má-fé ou culpa, que se atribuem à conduta caluniosa, por parte do denunciante, a absolvição em processo criminal não é motivo suficiente para ensejar indenização por dano moral.
Portar arma de fogo sem munição é crime.
O porte de arma de fogo, mesmo sem munição, é crime. A conclusão é da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça.

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 183 de um total de 183 páginas

InícioAnterior174175176177178179180181182183

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover