Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


O dízimo do reino de Eike
Há a lembrança fresca da Encol, que, dias depois de reluzir na capa da "Gazeta Mercantil" como estrela entre as...
'O que ocorreu com o Instituto Royal, em São Roque (SP), é inaceitável', diz leitor
Li o editorial "Comportamento animal". O que ocorreu com o Instituto Royal, em São Roque (SP), é inaceitável. As pessoas...
veja mais

 

25/09/2013 - Mensalão, convicção e responsabilidade

Gazeta do Povo - 22-09-2013

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=1410585&tit=Mensalao-conviccao-e-responsabilidade

Mensalão, convicção e responsabilidade

O impecável comportamento ético do ministro Celso de Mello ao longo de sua carreira como magistrado obriga a que sopitemos a decepção nacional com seu voto favorável ao prolongamento do julgamento dos mensaleiros, que deu sobrevida a um dos episódios mais vergonhosos da história política nacional. A sua manifestação ganha legitimidade porque não parte de alguém que desprezou as regras da independência e da suspeição para votar em favor de seu ex-preceptor e patrão, como fez o ministro Toffoli sem sequer enrubescer. A ele também não se aplica a impressão instintiva e natural de muitos de que ministros recém-chegados à Casa (e que não participaram de todo o longo e dolorido processo de oito anos e milhares de páginas de evidências claríssimas de que o país foi assaltado) deveriam se eximir de votar no caso. Isso seria um gesto de respeito àqueles a que sucederam e que se alinharam com os votos condenatórios, como foi o caso de Antonio Cezar Peluso e de Carlos Ayres Britto.

Portanto, é certo que um julgador tecnicamente preparado como Celso de Mello pode dormir tranquilo com a qualidade jurídica do voto que proferiu sem se preocupar com a opinião do Brasil profundo. No entanto, a charge de Paixão, nesta Gazeta do Povo, em que Têmis, a deusa da Justiça, empunha a espada para... cortar a pizza oferecida pelo ministro é de uma sinceridade cruel e resume o sentimento geral de desencanto.

Ao se decidir pelos tais embargos infringentes – assumindo posição contrária a outros ministros igualmente cultos e estudiosos –, Celso de Mello optou por agir de acordo com o que Max Weber definiu como ética da convicção, deixando de lado a alternativa de agir impulsionado pela ética da responsabilidade. Weber, a exemplo de outros filósofos, distinguia entre as ações que são guiadas pelos valores e crenças pessoais enraizadas e aquelas que, mesmo contrariando essas convicções, são praticadas com vistas ao bem e ao interesse comum. Há momentos e circunstâncias em que o interesse coletivo deve e pode substituir o julgamento puramente individual a respeito da qualidade ética das ações. O ministro Celso de Mello não acreditou que o episódio do mensalão e o caráter exemplar da sua punição fosse um desses. Paciência. Agora resta aguardar. Já há juristas alvoroçados cogitando novos embargos declaratórios para que o STF explique o que quis dizer ao julgar e recusar os embargos declaratórios dos réus...

A retórica dos tribunais sempre pode reservar surpresas. Por exemplo: até há pouco, pensava-se que a última ditadura a que havia sido submetida a Itália houvesse sido a de Benito Mussolini, e que depois da Segunda Guerra o regime democrático tivesse sido a regra vigente no país. Não é de ver que o hoje ministro Luís Roberto Barroso, quando advogado de Cesare Battisti, assassino e terrorista condenado pelo Judiciário italiano (um dos mais respeitados do mundo), conseguiu encontrar piruetas mentais e verbais para retratar seu cliente como uma pobre vítima “dos anos de chumbo” e da Guerra Fria, um pobre coitado perseguido pelos vencedores da guerra política que empreendeu e perdeu?

Vamos torcer para que não seja Delúbio Soares quem possa rir por último, saboreando a “piada de salão” a que comparou o processo. Ou para que o ex-guerrilheiro libertador José Dirceu tenha de interromper sua carreira de próspero e influente lobista fazendo amigos e influenciando pessoas nos mais altos escalões do governo “dos companheiros”. Ou para que João Paulo Cunha não possa continuar a mandar sua esposa receber mimos nas agências bancárias de Brasília e depois mentir a respeito do assunto para a imprensa desta infeliz e maltratada república.

Belmiro Valverde Jobim Castor é professor do doutorado em Administração da PUCPR.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
STF manda soltar todos os envolvidos na Lava Jato e suspende a investigação
O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa deixa a sede da PF em Curitiba, onde estava preso. Decisão do STF beneficia outros 11 suspeitos Judiciário STF manda soltar todos os envolvidos na Lava Jato e suspende a investigação Teori Zavascki entend
Procurador-geral investiga auxílio-moradia em MPs e TJs
DINHEIRO PÚBLICO Procurador-geral investiga auxílio-moradia em MPs e TJs Os órgãos se baseiam num trecho da lei que diz que o auxílio deve ser pago quando não houver "residência oficial" para o magistrado ou membro do MP. Como são raros os imóveis do
Barbosa abre polêmica ao proibir trabalho externo a quatro mensaleiros
Defesa do ex-ministro José Dirceu recorreu da proibição; o ministro (à dir.) Joaquim Barbosa seguiu a lei ao pé da letra. OPINIÕES Barbosa abre polêmica ao proibir trabalho externo a quatro mensaleiros Publicado em 18/05/2014 | KATNA BARAN
Dobram os casos de estupro contra crianças no Paraná
VIOLÊNCIA Dobram os casos de estupro contra crianças no Paraná Entre 2010 e 2013, o número de crimes contra crianças e adolescentes aumentou em todo o estado, principalmente os que envolvem abuso sexual Publicado em 18/05/2014 | DIEGO RIBEIRO
Enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes
A violência sexual praticada contra crianças e adolescentes é uma das mais graves violações de direitos humanos e está presente em todas as realidades, em todos os países. Segundo o Ministério da Saúde, em 2012 estima-se que cerca de 12 milhões de criança
A violência fatal contra a mulher - Entre os muros de casa
cidadania Entre os muros de casa A violência fatal contra a mulher – o feminicídio –, cometida principalmente pelos parceiros da vítima, mostra que a percepção de que “em briga de marido e mulher, não se mete a colher” precisa ser cada vez mais comba
Promotoria denuncia quatro pessoas por morte de Bernardo
No Rio Grande do Sul Promotoria denuncia quatro pessoas por morte de Bernardo Leandro Boldrini e Graciele Ugolini, pai e a madrasta do menino, e Edelvânia Wirganovicz, amiga do casal, devem responder por homicídio quadruplamente qualificado. O irmão
TC arquiva investigação de licitação de quase R$   3 bi do governo do Paraná
Bonilha: corregedor do TC não viu problemas na licitação Parceria público-privada TC arquiva investigação de licitação de quase R$   3 bi do governo do Paraná Decisão libera a concorrência do programa “Tudo Aqui”, parada desde 2013. Iniciativa priv
Advogados de policiais acusados de tortura pedem prisão de promotor do MP-PR
Caso Tayná Advogados de policiais acusados de tortura pedem prisão de promotor do MP-PR Defensores de delegado e de policiais indiciados alegam que testemunhas foram coagidas por promotor. Gaeco defende que pedido foi feito somente para “tumultuar o
Linchamentos e a peste da violência
Linchamentos e a peste da violência No primeiro dia o médico viu um rato morto na frente da sua casa e achou isso estranho (insólito). No segundo dia, mais três. Nos dias seguintes, muitos. Em seguida surgem incontáveis doentes com os mesmos

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 3 de um total de 183 páginas

InícioAnterior123456789101112PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover