Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Reclamação contra a lentidão da Justiça
primeira reclamaçao tenho uma vizinha de 80 anos ja que entro com pedido de aposentaduria ja faz nove anos primeiro fico...
CARTAS – Opinião de Leitores da Folha de Londrina
Em discurso de posse a presidente Dilma defendeu a reforma política, e foi aplaudida pelos deputados e senadores. Esses...
veja mais

 

23/11/2013 - JUSTIÇA Ruralista é condenado pela morte de sem-terra no Oeste do Paraná

JUSTIÇA

Ruralista é condenado pela morte de sem-terra no Oeste do Paraná

Julgamento ocorreu nesta sexta-feira (22) no Tribunal do Júri, em Curitiba. Marcos Prochet foi condenado a 15 anos e 9 meses de prisão pela morte de Sebastião Camargo em uma fazenda, em Marilena, em 1998


Um dos julgamentos mais importantes na área do conflito agrário do Paraná aconteceu nesta sexta-feira (22) na 2ª Vara do Tribunal do Júri, em Curitiba. O ex-presidente da União Democrática Ruralista (UDR) Marcos Prochet, 54 anos, foi julgado e condenado a 15 anos e 9 meses de prisão pela morte do sem-terra Sebastião Camargo. O júri foi composto por sete jurados.

Prochet foi condenado por executar pessoalmente o agricultor no dia 7 de fevereiro de 1998 na fazenda Boa Sorte, em Marilena, Noroeste do estado, de propriedade de outro fazendeiro, chamado Teissin Tina – também condenado em novembro de 2012 por homicídio simples.

O julgamento começou por volta das 13h, e foi presidido pelo juiz Leonardo Bechara Stancioli. A sentença foi proferida por volta das 22h, segundo a ONG Terra de Direitos, que acompanhou o julgamento. A entidade comemorou a decisão da Justiça, por representar a condenação de um latifundiário pela execução de um trabalhador rural.

Com salão de audiência lotado por agricultores sem-terra, o advogado de defesa do réu, Roberto Brzezinski Neto, pediu o adiamento do julgamento em razão de três testemunhas, arroladas em caráter de imprescindibilidade, não terem sido intimadas. Entre as testemunhas estava o delegado do caso, Eduardo Mady. Após parecer negativo do Ministério Público, o magistrado indeferiu o pedido e o conselho de sentença – formado pelos sete jurados – começou a ser chamado.

Em seguida, duas testemunhas de defesa foram ouvidas. Um deles era o vigia da rua em que Prochet morava em Londrina. O outro, um ex-funcionário do fazendeiro. Os dois ouvidos reforçaram o álibi apresentado pelo ex-presidente da UDR, de que esteve em Londrina desde a noite do dia 6 e durante toda manhã do dia 7 de fevereiro daquele ano, período em que houve a execução. Em seguida, o próprio Porchet foi interrogado. Durante os questionamentos do juiz, ele ressaltou que não esteve no local do crime, já que estaria cuidando de seus três filhos em Londrina.

“Eu estava em Londrina há dias por causa de um problema de saúde da minha mulher”, disse durante o julgamento. Ele alega ainda que na noite do dia 6 foi ao ginásio Moringão com seus filhos e, na manhã seguinte, foi buscar a esposa que havia viajado para tentar um internamento em São Paulo, após um quadro de depressão, síndrome do pânico e anorexia.

A acusação acredita que Prochet teve tempo para ir até o local do crime e que teria participado de uma reunião durante a semana. O MP ainda argumenta que, na época, a UDR ajudava fazendeiros a contratar seguranças armados na região para cuidar das entradas das fazendas e afastar agricultores sem-terra, mesmo que fosse preciso a força.

Clima tenso

O clima esquentou quando o magistrado seguia para o final de seus questionamentos. Stancioli chegou a pedir que o defensor de Prochet não interrompesse o interrogatório de novo. O juiz fez constar na ata do julgamento a interferência frequente do advogado. Brzezinski tentava dizer que seu cliente não havia dito que tinha “raiva” dos agricultores sem-terra. A tensão foi fruto de um problema de comunicação entre juiz e acusado. O magistrado perguntou que motivos os agricultores sem-terra teriam para ter “raiva” e acusá-lo de um crime que, supostamente, ele não havia cometido, tendo em vista que Prochet afirmava sempre ter tratado os problemas com invasões de terra de forma pacífica. Prochet, no entanto, entendeu que a questão se referia à suposta raiva que ele teria. Esclarecido desentendimento, o julgamento prosseguiu sem grandes problemas.

Famílias pedem Justiça

As famílias da vítima e do réu acompanharam de perto o julgamento. Os dois lados também pediram por “justiça”, casa um com seus argumentos. Segundo o filho de Sebastião Camargo, César Ventura Camargo, a morte de seu pai deixou a família “desmontada” até hoje. Sebastião deixou nove filhos e uma esposa. “A expectativa é de Justiça. Até hoje a família sente”, comentou durante o julgamento. Os familiares da vítima permaneceram sentados nas fileiras da frente da plateia do júri.

Já os filhos de Marcos Prochet, caminhavam ansiosos. Por vezes, permaneciam por mais tempo, aguardando o destino do pai. No intervalo do julgamento, eles conversaram com a reportagem e voltaram a falar que estavam junto com o pai durante o período em que o crime teria ocorrido. “Qual a lógica de fazer isso [matar a vítima] na fazenda de outra pessoa, se ele não fez nada quando a dele própria foi invadida”, afirmou Norman Prochet, um dos filhos do réu.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  GAZETA DO POVO
Imprimir   enviar para um amigo
Suspeito de acender rojão tem 2 passagens por tráfico, diz polícia do Rio
Caio Silva de Souza, identificado como o homem que acendeu o rojão que atingiu o cinegrafista da "Band" Santiago Ilídio Andrade, 49, na última quinta-feira (6), no Rio
Mentora de morte do pai por seguro de R$   1,2 mi é condenada em MG
O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) informou que o processo do ex-namorado e do pai foi desmembrado do processo de Érika em razão de, à época do crime, os dois estarem presos, e a ex-estudante ter fugido. Por conta disso, dois outros réus acusad
TJ decide quinta-feira se Carli Filho irá a júri popular
Está marcado para quinta-feira, na pauta do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), um novo julgamento sobre o caso do ex-deputado estadual do Paraná Luiz Fernando Ribas Carli Filho, acusado de matar dois jovens em um acidente de trânsito em maio de 2009,
Janaina Conceição Paschoal: A lei que pode aumentar a corrupção
Isso significa que o empresário que aderir à leniência, com fulcro nessa nova lei, poderá, no dia seguinte, ser denunciado pelo crime que confessou. Percebe-se que o legislador nacional importa institutos estrangeiros sem consciência de que, no exterior,
Atenção aos crimes eleitorais
Com o reinício dos trabalhos do TSE nesta segunda-feira, espera-se a revogação da resolução que tira a autonomia do MP para pedir investigações sobre crimes eleitorais
O Brasil deveria descriminalizar o uso damaconha?
NÃO Ana Cecília Roselli: Cara ou coroa? A maconha não é um produto qualquer. É uma droga psicotrópica, mais uma entre tantas cujo consumo é preciso controlar, de impacto nas células humanas, na família e na sociedade
Fotógrafa apresenta ensaio sobre violência contra a mulher na Bienal de Roma
Como foi a repercussão das fotos em Roma? Que tipo de comentário ouviu?
A nova Lei Anticorrupção
Para complementar a boa notícia da entrada em vigor da Lei Anticorrupção, resta-nos agora a esperança de que também sobre os servidores públicos – das mais altas autoridades ao mais simples fiscal – se apliquem os rigores das tantas leis já existentes par
A legalidade do rolezinho
O advogado explica que, se necessário, vai ajuizar uma ação de interdito proibitório e acionar o Judiciário para que a polícia acompanhe de perto e entre em ação se houver situações suspeitas. Guidi diz que há uma linha muito tênue para se definir o que r
Pierpaolo Cruz Bottini e Igor Tamasauskas: Impressões sobre a Lei Anticorrupção
Se tal estratégia é adequada, o tempo dirá. Mas criar dispositivos que incentivem a cooperação dos agentes privados parece mais eficiente do que a velha e fracassada política de aumentar penas ou transformar tudo o que incomoda em crime hediondo, como se

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 8 de um total de 183 páginas

InícioAnterior1234567891011121314151617PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover