Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Estudo de juízes federais do Paraná questiona CNJ
Custos de instalação: Os novos TRFs poderão ditar caminhos para a aplicação integral de novas tecnologias aos...
Powercredit Reabilitação de Crédito Ltda
Venho através! Deste e-mail! Solicitar uma informação! A respeito de um problema! Que estou passando: Em janeiro deste...
veja mais

 

14/10/2008 - Os animais

Lauro Del Valle

O delegado, bacharel Serra, fingia ler alguns papéis espalhados pela mesa. De vez em quando, por cima dos óculos, dava uma olhada furtiva para o detido. Mas, encontrando um olhar penetrante, altivo e destemido, baixava logo os olhos, sem coragem de fitá-lo.Paradoxalmente, parecia ser ele o culpado e o prisioneiro, embora algemado, algum corregedor inspecionando a delegacia. Como viera parar ali essa criatura?

Alguns policiais que faziam uma ronda em determinada praça encontraram certa mulher fazendo uso do crack. Perguntada sobre quem lhe fornecera a droga, apontou o dedo indicando que fora aquele indivíduo.

Ele se defendeu dizendo: "cabe ao acusador o ônus da prova". Como não entenderam a resposta, julgaram-na como um desacato à autoridade. De forma truculenta, algemaram-no e o levaram à delegacia para averiguações. Ao delegado disseram:

- Este elemento, além de ter sido acusado por tráfico de droga, ainda nos desacatou. Serra, pela forma singular de conduzir um inquérito, era considerado meio louco pelo pessoal da delegacia. Saiu de seu lugar, puxou uma cadeira, sentou-se bem de frente ao acusado e examinou-o com olhar severo. O tipo, modestamente trajado, tanto poderia ser um traficante disfarçado ou um cidadão comum que nada devesse. Arriscou uma pergunta óbvia:

- Você vendeu crack àquela mulher?

- Senhor delegado, disse o acusado, após pensar por alguns minutos. Há poucos dias eu estava sentado à mesa de um bar. Estava só. Um homem aparentando cinqüenta anos aproximou-se de mim, pediu licença e sentou-se numa cadeira vaga ao meu lado. Nunca o vira antes. Começou a falar com desenvoltura sobre temas dos quais eu não entendia nada. De tudo que ele disse só duas frases eu guardei. Sempre repetia: "assim falou Zaratustra". Também me lembro de suas últimas palavras antes de desaparecer: Não existem fatos, apenas interpretações.

O bacharel Serra não era jejuno em assuntos filosóficos. Gostava de ler. Lia muito. Quando expunha pensamentos a seus subalternos, eles, por não entenderem nada, julgavam-no "pirado". Sabia, portanto, quem escrevera Assim falou Zaratustra: Nietzsche. Concluiu que aquele detido ou era louco ou tinha voa cultura para inventar aquela aparição do filósofo...

- Por outro lado continuou calmamente o detido não julga o senhor tratar-se de um abuso de autoridade manter-me assim algemado? A mim que, além de atitude pacífica, sem resistência, desarmado, estou vigiado de perto por esses brutamontes? Não há perigo de fuga nem de agressão, de minha parte. Logo, acabe com esta humilhação que, para mim, é uma palhaçada. Os senhores estão a me tratar como se eu fosse animal, uma fera.

O delegado achou que era justa sua argumentação quanto às algemas. Mas, antes de tirá-las, querendo também imitar o detido, inventou uma aparição. Saberia assim em que terreno estava pisando. Lembrou-se de trechos de um livro que lera ainda à época da faculdade. Olhar vago, como que se esforçando para lembrar um acontecido, falou:

- Longe de mim considerar você um animal. Veja porque. Numa noite destas, sentei-me na sala para bater papo com minha mulher. Ela acabara de assistir a um capítulo de novela e desligado a televisão. Eis que, sem que víssemos como apareceu, sentou-se conosco um padre. Assustei-me. Perguntei à esposa se fora ela que tinha convidado, mas disse-me que não. Vestia-se como padre, mas suas palavras eram de um cientista. Falava sobre o aparecimento da vida na Terra, o aparecimento do homem. Não citou nem uma vez a Bíblia. Estranho. Entretanto, de suas últimas frases, num sotaque francês, lembro-me muito bem: A reflexão, como a própria palavra indica, é o poder adquirido por uma consciência de se dobrar sobre si mesma e de tomar posse de si mesma... Já não só conhecer mas conhecer a si próprio; já não só saber mas saber que se sabe. Bem entendido, o animal sabe. Mas, com toda a certeza, não sabe que sabe...

O acusado, com toda a segurança, nem pensou para observar:

- Ora, delegado. Em primeiro lugar, o senhor copiou minha estratégia da aparição. Ademais, esse padre todos sabem era Pierre Teilhard de Chardin. Cientista, paleontólogo e geólogo. Os cientistas tinham reservas sobre suas teorias; a Igreja quase o excomungou por suas idéias revolucionárias. Não acontecera ainda o Vaticano II. Morreu pela metade o século XX. O senhor deve é ter lido o livro dele O Fenômeno Humano... Ou, pelo menos, o trecho em que ele trata do alvorecer do Pensamento.

Ao ouvir a precisa observação do detido, teve a certeza de que não se tratava de um homem inculto. Rapidamente, com a chave que trazia no bolso, tirou-lhe as algemas. Só então se lembrou de que não sabia ainda o nome do averiguando. E, meio sem jeito:

- Qual é mesmo seu nome?

- Meu nome é o mais comum e da família mais numerosa "deste país": José da Silva. Pode me chamar de Zé.

O advogado Dr. Roberto era amigo de Serra; era um desses que vagueiam pela delegacia procurando o que não perdeu. Sem ser percebido, estava a poucos metros dos dois homens. Ouviu tudo desde o início. Acercou-se deles e não resistiu à vontade de se tornar partícipe. Serra e Roberto provocavam Zé. Este, sempre atento para não cair em alguma cilada, ou contestava ou esclarecia. Roberto, querendo mostrar cultura:

- O pensamento é tão importante para diferenciar o Homem dos Animais, que Descartes falou sua célebre frase cogito ergo sum (penso, logo existo).

- Ora, Dr. Roberto, falou Serra. Não era bem isso que Descartes quis dizer. Sua idéia era que não se pode aceitar sem duvidar os dogmas da tradição, dos filósofos, dos reis ou autoridades, mesmo eclesiásticas. Só devo confiar naquilo que meu pensamento dita.

- Veja que paradoxo, observou Zé: negava a autoridade eclesiástica, mas, depois de traduzir Meditações Metafísicas para o latim, pediu e obteve do bispo de Paris o Nihil obstat ou Imprimatur, enfim, ordem de impressão...

- Senhor José, argüiu já com deferência o delegado Serra. Acha que com isto se encerra a discussão sobre a diferença entre o homem e o animal?

- Obrigado pelo "senhor José". Acho que não. Já no século XVIII, o filósofo suíço Jean Jacques Rousseau, após muito estudo, concluiu que é a perfectibilidade que os diferencia: o animal nasce com seu código genético. Seu aprendizado tem começo e fim. Ensine a um animal determinada tarefa e ele pode fazê-la com perfeição. Mas não desenvolve, por ele mesmo, nada mais. O homem, grosso modo, tem a faculdade de educar-se: a educação tem começo, mas só termina com a morte. Em outras palavras, isto significa que só o homem tem a liberdade; liberdade de, afastando-se da natureza, dominá-la e desenvolver-se até quase o infinito.

Roberto queria a todo custo inserir algo importante na discussão. E conseguiu. Como a Ética sempre fora seu ponto forte, não perdeu tempo:

- Immanuel Kant, o filósofo prussiano do século XVIII, baseando-se em Rousseau, praticamente fundou a moral moderna: só o homem tem a liberdade de escolher entre o mal que a natureza manda e o bem que só pode realizar lutando contra ela. Como o homem é, por natureza, egoísta, Kant dá a essa luta o nome de imperativo categórico. É necessária a boa vontade. Nessa concepção, minha liberdade deve terminar onde termina a do meu vizinho. Claro que aqui só dei umas pinceladas resumo do resumo...
- Muito bem, Roberto. Acho que temos folheado os mesmos livros... Você esqueceu de falar da virtude. Não seria interessante você ter lembrado de que ela só vale se for uma ação desinteressada e voltada para o bem comum? Se se espera algo em troca, já não há virtude nessa ação...

Os três homens calaram-se enquanto esperavam por uma nova idéia. Após aquele silêncio que parecia final de conversa, Serra saiu com esta:

- Como bem disse Shakespeare: Há mais mistérios entre o céu e a terra do que julga nossa vã filosofia. Zé não se conteve e falou em tom de repreensão:

- Dos lugares-comuns que já ouvi, esse é o mais batido...

Silêncio de novo. Agora mais curto. O delegado Serra que, como Roberto, não sabia nada a respeito de José da Silva, perguntou a ele:

- Afinal, que é você? Que faz nesta vida?

- Peço-lhes licença, disse Zé, para responder-lhes usando um pensamento do filósofo inglês Bertrand Russel: No universo visível a Via Láctea não passa de uma pequena mancha desprezível; dentro dessa mancha, em meio a bilhões de estrelas, brilha uma de quinta grandeza (o Sol) e em torno dela giram alguns planetas; num deles (a Terra) pequenos aglomerados de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio e algumas impurezas rastejam durante alguns anos até se dissolverem nos elementos que os compõem. Eu sou uma dessas impurezas que rastejam...

Lauro Del Valle é é médico do Serviço de Cirurgia Torácica da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba.

O Estado do Paraná – 12-10-2008

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Justiça do DF condena Arruda e Jaqueline Roriz por improbidade administrativa
De acordo com denúncia apresentada pelo MP, Barbosa confirmou à Justiça que Jaqueline Roriz e Manoel Neto receberam propina de R$   50 mil para apoiar a candidatura de Arruda ao governo do Distrito Federal em 2006. Segundo ele, o dinheiro era oriundo de emp
No PR, 1.330 presos cumprem pena em situação irregular Falta de estrutura e de investimentos faz com que condenados sejam obrigados a trocar o regime
No sistema penitenciário do Paraná, há 1.330 detentos condenados em regime semiaberto cumprindo pena em regime fechado. Desses, 464 estão presos nas delegacias superlotadas. A falta de vagas no semiaberto é um problema nacional – estima-se que existam 30
No PR, 1.330 presos cumprem pena em situação irregular Falta de estrutura e de investimentos faz com que condenados sejam obrigados a trocar o regime
No sistema penitenciário do Paraná, há 1.330 detentos condenados em regime semiaberto cumprindo pena em regime fechado. Desses, 464 estão presos nas delegacias superlotadas. A falta de vagas no semiaberto é um problema nacional – estima-se que existam 30
Novo Código Penal endurece pena para homícidio
Brasília - O senador Pedro Taques (PDT-MT) apresentou hoje (10) o relatório sobre a reforma do Código Penal Brasileiro (PLS 236/12). A proposta foi lida mas, diante da complexidade da matéria, um pedido coletivo de mais tempo para analisar o texto adiou p
10/12/2013 - 03h05 STJ julga hoje se Champinha pode ganhar liberdade
O STJ (Superior Tribunal de Justiça) julga hoje se Champinha (Roberto Alves da Silva) pode ganhar a liberdade. Há dez anos, ele entrou para a crônica policial ao participar do assassinato de Felipe Caffé e Liana Friedenbach, que antes de morrer foi tortur
Réus do mensalão passarão Natal e Ano Novo presos
No entanto, seus advogados podem, apesar disso, requererem o benefício mesmo assim e aguardar uma decisão da Justiça. Pelas regras, os "internos"poderão deixar o presídio para o Natal no dia 24 de dezembro, às 10h, com retorno previsto para o dia 26, até
Curitiba: imóveis de fraudadora do INSS serão leiloados em janeiro
A fraude consistia em desviar mais de 50% de toda a arrecadação do INSS à época e repassá-la a um segurado por meio de um “acordo administrativo”. Condenada a 14 anos de prisão em 1992 pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Jorgina ficou foragida até
MÔNICA BERGAMO 08/12/2013 - 03h09 Para Gilmar Mendes, já é hora de discutir de maneira franca o sistema carcerário brasileiro
A prisão de condenados do mensalão deu relevância a um tema que pouco mobiliza o país: as péssimas condições dos presídios brasileiros.
O longo caminho entre a vigência e a eficácia dos direitos humanos
Na América Latina, por exemplo, a Corte Intera­­me­­ricana dos Direitos Humanos surgiu em 1969 e aprovou a Convenção Interamericana de Direitos Humanos, também chamada de Pacto de San José da Costa Rica.
Cai liminar que proibia reportagens sobre acidente com Gilberto Ribeiro
A Justiça derrubou a liminar que proibia a Gazeta do Povo de veicular notícias sobre crimes supostamente cometidos pelo deputado Gilberto Ribeiro (PSB) em um acidente de trânsito, em março de 2011. Na decisão, o juiz Maurício Doutor, da 6ª Vara Cível de C

Total de Resultados: 1830

Mostrando a página 10 de um total de 183 páginas

InícioAnterior12345678910111213141516171819PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover