Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Coluna do Leitor – Opinião de Leitores da Gazeta do Povo
Quando as coisas parecem que vão mudar, vem mais decepção. A nova Assembleia de Valdir Rossoni mostra os mesmos vícios...
Pergunta de internauta ao nosso site
Sr José, Dia 24/11 comprei um aparelho de son R$  200,00 da gradiente a loja informou que tinha so 3 dias para troca,...
veja mais

 

18/12/2009 - Escolher brinquedo é coisa séria

Redação

 

Com a chegada do Natal, inicia a procura pelo presente que mais agrada a criançada: brinquedos. No entanto, sempre é bom lembrar que, na hora da escolha do brinquedo que vai alegrar a criançada, é preciso muita atenção, pois alguns produtos podem oferecer riscos e, até mesmo, causar sérios transtornos à saúde dos menores.

Os acidentes de trânsito, afogamentos, sufocações, queimaduras, quedas, intoxicações e outros representam as principais causa de morte de crianças de um a 14 anos no Brasil.

Entre estes tipos de acidentes, dois deles merecem atenção especial no momento da escolha dos brinquedos e das brincadeiras: as sufocações e as quedas. A sufocação ocupa o terceiro lugar no ranking de mortes por acidentes em crianças dessa faixa etária.

Só em 2007, segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 700 crianças vieram a óbito por esse motivo. No caso de bebês com até um ano, a sufocação representa a principal causa de morte entre os outros tipos de acidentes.

Isso porque com até dois anos, as crianças ainda estão na fase de descobrir o mundo com a boca e podem engasgar ou sufocar com uma peça pequena que se desprenda de algum brinquedo. Por este motivo, na hora de escolher o brinquedo, é preciso notar a presença de peças miúdas que podem se soltar.

Selo do Inmetro

Para o especialista em direito do consumidor, Franco Cristiano Alves, é imprescindível verificar a presença do selo do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e se a peça escolhida é indicada para a faixa etária da criança que será presenteada.

Franco afirma que as maiores queixas são relacionadas à fragilidade dos produtos que apresentam defeitos e por soltar peças facilmente. "É importante que as pessoas saibam que o selo de certificação é importante, mas que não garante a qualidade, e sim atesta que normas de segurança foram consideradas no processo de fabricação", esclarece.

Também é relevante que os pais adquiram brinquedos de acordo com a classificação etária indicada no produto. Para menores de dois anos, por exemplo, além de o brinquedo poder conter peças pequenas que podem ser engolidas, existe o risco de haver partes cortantes - que podem ferir a criança - e até substâncias tóxicas, como mercúrio e chumbo na sua fabricação.

Em relação aos produtos importados, também devem ter uma certificação e, ainda, identificar o importador. "São cuidados que fazem a diferença", avalia Franco Alves.

Segurança

A compra de brinquedos como bicicletas, skates ou patins também deve ser acompanhada de uma série de cuidados. De acordo com integrantes da organização não governamental Criança Segura, os equipamentos de segurança, como capacete, joelheiras e cotoveleiras precisam acompanhar esses presentes, a fim de que as crianças sejam incentivadas a usá-los.

A queda é um risco constante e uma das principais causas de hospitalização, entre os acidentes, de crianças de um a 14 anos. Por esse motivo também, o local da brincadeira deve ser escolhido com cautela: longe de carros, piscinas e escadas. Outro dado do Ministério da Saúde mostra que mais de 73 mil crianças foram hospitalizadas vítimas de quedas.

De acordo com o órgão de proteção ao consumidor, caso haja defeitos no produto, o consumidor pode acionar a assistência técnica em até 30 dias. Para ter maior segurança, a pessoa deve verificar se o certificado de garantia está devidamente preenchido, possuir a nota fiscal e se houver a possibilidade de troca pela loja isso deve constar em algum documento.

Nada de escolher sozinha

"O bom é aprender brincando." A frase é verdadeira, mas justamente nessa hora é que os pais devem estar ainda mais atentos, afinal brinquedo é coisa séria. "Para os pais, os brinquedos podem facilitar a aproximação com os filhos, porém nunca devem ser utilizados como substitutos do carinho e da atenção. A grande preocupação dos adultos deve estar na escolha do brinquedo e não simplesmente na realização de um desejo infantil", explica a pediatra Renata Waksman, da Sociedade de Pediatria Brasileira.

No momento da compra, a recomendação dos especialistas em segurança ionfantil é de que os pais precisam ter em mente a etapa de desenvolvimento dos filhos e sua capacidade de manipular com segurança esses brinquedos, sua maturidade pode ser mais importante do que a idade cronológica.

Cuidados básicos

Na compra

" Verifique a existência do selo de conformidade do Inmetro. Ele garante um maior nível de segurança do produto.

" Não compre brinquedos em que o fabricante não possa ser identificado ou que não tenha um telefone gratuito para atendimento aos consumidores, como os vendidos por ambulantes ou em lojas de pechinchas.

No uso

" Não deixe as crianças sem supervisão, principalmente quando estiverem brincando com produtos que contenham peças pequenas que podem ser engolidas.

" Se peças pequenas ou ímãs se soltarem dos brinquedos, recolha essas peças e mantenha-as fora do alcance das crianças.

" Relate imediatamente quaisquer problemas com os produtos - acidentes, peças soltas, eventuais machucados nas crianças - aos fabricantes e ao Inmetro, para que providências sejam tomadas.

O Estado do Paraná – 16-12-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Ativista é condenada a pagar R$   10 mil por compartilhar mensagem no Facebook
A ativista, que já havia sido condenada em outra ação semelhante, compartilhou mensagem que criticava um médico-veterinário
ARTIGO Na contramão do desenvolvimento do país
Como bem disse o renomado professor de relações do trabalho José Pastore, há de se buscar fórmulas simples que deem liberdade para quem contrata e proteção para quem é contratado. Todo o resto é secundário.
23/11/2013 - 03h30 Eliane Carvalho e Luciano Velasque: Segurança jurídica e contratações públicas
A recente e amplamente noticiada discussão judicial a respeito do serviço de inspeção ambiental veicular na cidade de São Paulo proporciona farto material para reflexão jurídico-político-econômica.
DEBORAH DUPRAT Luta contra a lentidão
Se persistir o atual ritmo de regularização fundiária, os 2.007 quilombos terão que aguardar 175 anos para terem seus processos concluídos
ARTIGO Protesto extrajudicial de dívida ativa
Diante deste novo mecanismo de arrecação do Estado, o protesto de dívidas, há chances de ver-se prejudicado o direito do contribuinte de questionar a execução da dívida ativa de impostos que muitas vezes encontra-se prescrita, com valores indevidos, multa
14/11/2013 - 03h30 Rodolfo Vianna e Renan Quinalha: Pela defesa do mérito, democratizar a universidade
São muitos os que criticam as propostas de democratização da universidade por acreditarem que elas feririam o mais caro conceito acadêmico: o mérito. Para esses, a universidade deve ter uma administração meritocrática, não se aplicando, portanto, os conce
Justiça condena BMW a indenização e pensão por morte de sertanejo
João Paulo, que era parceiro de Daniel, morreu em 12 de setembro de 1997. Juiz diz que esposa e filha têm direito a R$   150 mil cada uma.
Verba federal para acabar com lixões não chega às prefeituras
A prioridade é conceder apoio aos consórcios intermunicipais para a destina­ção correta do lixo e o fim dos lixões.
E a segurança jurídica?
O Supremo Tribunal Fe­­deral, em breve, vai ter de se manifestar sobre a questão da ocorrência de prescrição ou não nos casos de cobrança de dívida contra o erário.
Ressarcimento aos cofres públicos: ação deve prescrever?
Para o professor de Di­rei­to Administrativo da Pon­ti­­­fícia Universidade Cató­li­ca do Paraná (PUCPR) e da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Romeu Bacellar Filho, a discussão não pode ser tratada sob dois pontos de vista.

Total de Resultados: 873

Mostrando a página 3 de um total de 88 páginas

InícioAnterior123456789101112PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover