Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


RECLAMAÇÃO CONTRA O CARRO NOVO GOL
Reclamação: Meu carro, um novo gol, desde que comprei apresenta problemas para dar partida, a primeira visita a oficina...
CARTAS – Opinião de Leitores da Folha de Londrina
A boa notícia do dia é a redução do preço dos combustíveis em Londrina, que já chegou tarde. Diversas cidades do Estado...
veja mais

 

14/02/2014 - Confirmado prazo de renovação locatícia

Cenários de Direito Empresarial

Confirmado prazo de renovação locatícia

Publicado em 16/12/2013 | GEROLDO AUGUSTO HAUER - GEROLDO@GAHAUER.COM.BR

O Superior Tribunal de Justiça por sua Terceira Turma acaba de confirmar que renovação de contratos de locação comercial tem como limite o prazo de 5 anos.

A Lei do Inquilinato prevê aos inquilinos de imóveis comerciais a possibilidade de ajuizar a chamada ação renovatória de contrato de locação. Referida ação é de suma importância, pois é o único meio de garantir a renovação do contrato e, por consequência, assegurar a permanência do lojista no ponto comercial.

A ação renovatória tem como objeto a renovação compulsória do contrato de locação e somente poderá ser proposta no prazo máximo de um ano, até seis meses (no mínimo) antes da data do encerramento da vigência do contrato.

Assim, é imprescindível que até seis meses antes do término do contrato em vigor, o locatário possua um novo contrato por escrito e com prazo determinado de cinco anos ou mais. Do contrário, ele deverá, obrigatoriamente, ajuizar a ação renovatória, pois essa será a única forma de afastar o risco de perder seu ponto comercial.

O entendimento foi firmado pela Turma ao analisar a aplicação, em ação renovatória de contrato de locação comercial, da acessio temporis – quando a soma de períodos ininterruptos de locação é utilizada para alcançar o período mínimo de cinco anos para o pedido de renovação.

A Corte Superior decidiu por ser considerado todo o patrimônio imaterial agregado a imóvel comercial pela atividade exercida pelo locatário, como também ser necessário resguardar o direito de propriedade do locador, evitando contratos que eternizem o uso do imóvel.

No voto da ministra relatora, Nancy Andrighi, foi reconhecida a importância desse instituto jurídico, ressaltando ser fundamental respeitar a natureza bilateral e consensual do contrato locatício. Considerando a vontade de renovação de um lado e a de não renovação do outro, a ministra afirmou que: “o prazo de cinco anos mostra-se razoável para a renovação, que pode ser requerida novamente pelo locatário no final do contrato”.

Quando a Lei 8.245/9 estabelece o direito à renovação por igual prazo, está se referindo ao prazo mínimo exigido, ou seja, cinco anos, e não o prazo estipulado pelo último contrato celebrado entre as partes. “A renovação do contrato de locação não residencial, nas hipóteses de acessio temporis, dar-se-á pelo prazo de cinco anos, independentemente do prazo do último contrato que completou o quinquênio necessário ao ajuizamento da ação. O prazo máximo da renovação também será de cinco anos, mesmo que a vigência da avença locatícia, considerada em sua totalidade, supere esse período”, esclareceu a ministra.

Pelo julgamento, concluiu-se que permitir a renovação por prazos maiores que 5 anos contraria a própria finalidade do instituto, uma vez que possíveis mudanças econômicas e outros fatores podem influenciar na decisão das partes em renovar, ou não, o contrato.

(Colaboração: Carolina Chaves Hauer, G. A. Hauer Advogados Associados - geroldo@gahauer.com.br)

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  GAZETA DO POVO
Imprimir   enviar para um amigo
Datena se desfaz de apartamento e casa de praia para pagar multa à Record
O acordo entre as partes foi fechado no final de 2012, por iniciativa do âncora.
Pontes de Miranda e a metódica jurídica
As críticas que se dirigem aos normativistas são igualmente extensíveis a Pontes. Mas também as virtudes lhe são.
O direito societário em Pontes de Miranda
É bastante difícil falar, em poucas linhas, sobre a contribuição de Pontes de Miranda para o estudo do direito societário, senão dizer foi uma das mais importantes para seu desenvolvimento em nosso país.
O gênio do direito brasileiro
“É uma leitura difícil, há um estilo nem sempre acessível, mesmo para as pessoas mais experimentadas na leitura”, reconhece o professor da USP, “mas a dificuldade pode ser vencida pelo hábito”.
Band é condenada por declarações de Datena contra ateus
A União, por meio da Secretaria de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações, foi condenada a fiscalizar a exibição dos esclarecimentos.
Política da boa vizinhança
- Como funciona: em todos os casos, a manutenção das calçadas em Curitiba cabe ao proprietário do terreno do qual ela faz parte.
TAM é condenada por desvio de bagagem no Paraná
A decisão da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná estipulou valor de R$   7 mil para danos materiais, referentes aos objetos contidos na mala, mais R$   15 mil por danos morais.
STJ decide que procurador não precisará indenizar juiz
A 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça decidiu que o promotor Saulo de Castro Bezerra e o Estado de Goiás não devem indenizar um juiz que foi investigado por supostamente beneficiar o empresário Carlinhos Cachoeira.
Após penhora de bens, Maluf decide pagar indenização
O valor é resultado de uma ação movida em 2001 contra o ex-prefeito por Andrade Neto, que na época era procurador de Justiça em São Paulo e conduzia diversas investigações contra o ex-prefeito.
Juiz nega indenização a ex-diretor-geral do Senado
O direito da sociedade à informação de caráter público está acima de eventuais interesses particulares.

Total de Resultados: 873

Mostrando a página 7 de um total de 88 páginas

InícioAnterior12345678910111213141516PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover