Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Baixa o imposto, Dilma
Nessa hora, o custo de manter assessores apenas medianos -e que enxergam o setor privado com um misto de ignorância e...
Feliciano quer tirar proveito da situação, diz líder de sua igreja
Fui comerciante em São Paulo, e quando saí, não saí rico, mas com uma vida econômica estável.
veja mais

 

23/03/2013 - Justiça nega indenização por término de namoro

22/03/2013 -- 16h25
Justiça nega indenização por término de namoro
A 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou pedido do consultor de vinhos A.A. para ser indenizado pela TIM Celular S.A. pelo rompimento de um relacionamento. Em uma loja da empresa, M.S.F., namorada dele, foi informada de que o namorado tinha outras linhas telefônicas. Suspeitando que ele a enganava, ela terminou o namoro. 

A. conta que o celular de M. foi furtado no Rio de Janeiro em julho de 2010. No procedimento para resgatar o chip do número da namorada, do qual ele era o titular, ela soube, por uma funcionária da empresa, que A. possuía outras duas linhas telefônicas. Irritada, ela abandonou o local acusando o namorado de lhe ser infiel. 

Verificando o sistema da TIM, o consumidor constatou que houve um equívoco, pois os números mencionados não lhe pertenciam. Ele tentou mostrar a tela do computador a M., mas o segurança da loja só permitiu que ela entrasse depois de muita insistência, pois o horário comercial já estava encerrado. Ainda assim, ela não se deixou convencer. 

O consultor alega que o rompimento com a namorada, depois de um período turbulento em que eles haviam se separado e se reconciliado, fez sua pressão subir e exigiu que ele fosse medicado. O desgaste emocional, segundo ele, foi provocado pela conduta da vendedora da TIM, que levou M. a pensar que o namorado a traía. 

Além disso, a existência de dois números dos quais ele era o titular, embora as cobranças em seu nome fossem remetidas a outro endereço que não o seu, caracterizaria habilitação fraudulenta. Sendo assim, ele ajuizou ação contra a empresa em agosto de 2010. 

A TIM afirmou que a atendente agiu corretamente e que o consultor não demonstrou o dano moral supostamente sofrido. 

Em julho de 2012, o juiz Francisco José da Silva, da 6ª Vara Cível de Juiz de Fora, julgou a ação improcedente. "A ocorrência do engano não é suficientemente capaz de alterar o estado psíquico de um indivíduo a ponto de interferir no livre desenvolvimento de sua personalidade ou de ferir direitos personalíssimos", considerou. 

O consumidor apelou da sentença em agosto do mesmo ano. 

O relator, desembargador Alvimar de Ávila, entendeu que, apesar de os aborrecimentos terem repercutido na relação com a namorada, isso não justifica os danos morais se não houver comprovação dos abalos psíquicos. "A simples informação inicial equivocada, corrigida na mesma oportunidade pela funcionária, não gera danos suscetíveis de reparação financeira. O Judiciário deve sempre buscar a paz social, mediante a composição dos conflitos", resumiu. 

(com informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais)

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  BONDE
Imprimir   enviar para um amigo
Feridas da segurança custam R$        8 mi
A Polícia Militar do Paraná não informou quantos policiais foram mortos desde 2005, mas de 2011 para cá nove foram assassinados.
Dano existencial tenta reparar tempo perdido
A professora de Direito Civil da Universidade Positivo Glenda Gonçalves Gondim observa que, na doutrina italiana, o dano existencial tem uma justificativa maior do que na brasileira.
STJ manda patrão dividir prêmio da Mega-Sena
O ex-empregado entrou com ação declaratória e pediu indenização por danos morais a ser paga pelo empregador.
Ratinho e SBT terão de pagar 500 salários mínimos a ex-jogador Roberto Falcão
Veja a matéria copleta no link: http://ultimainstancia.uol.com.br/conteudo/noticias/57999/ratinho+e+sbt+terao+de+pagar+500+salarios+minimos+a+ex-jogador+roberto+falcao.shtml
O contrato de locação na falência
Assim, até que sobrevenha o momento oportuno para a alienação dos bens arrecadados pela massa falida, os bens móveis e imóveis serão valorizados por meio das manutenções e benfeitorias realizadas pelo locatário.
Dano moral e presunção: as situações do cotidiano
É o dano moral, portanto, como extensão lógica do fato. O tema em questão encontra-se em permanente destaque devido à polêmica que discute sua pertinência e, por outro lado, sua temeridade.
Bem de família: impenhorabilidade absoluta?
A relatora do processo, ministra Nancy Andrighi, destacou que o consumidor tentou adquirir sua moradia de boa-fé e mais de 15 anos depois, ainda não havia recuperado o valor investido.
Contestado também teve fornos de extermínio
“É óbvio que as terras tinham donos. Eram dos caboclos, dos grupos miscigenados que viviam na região. Mas como eles teriam condições de pagar um agrimensor para fazer a legitimização da terra?
Ratinho Jr pede apuração dos autores do panfleto com acusações contra ele
A coligação do candidato à reeleição Luciano Ducci informou, através de nota, que a assinatura da campanha no material é falsa e que já levou o panfleto para a Justiça Eleitoral e a Polícia Federal para a devida investigação criminal.
Será hora de atualizar?
Há, por outro lado, quem defenda que o novo Código Civil apenas levou o tempo certo para amadurecer.

Total de Resultados: 873

Mostrando a página 9 de um total de 88 páginas

InícioAnterior123456789101112131415161718PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover