Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


CAMA COM RANGIDO INCOMODA CLIENTE
Ângela de Almeida conta que comprou uma cama na Etna Home Store, mas que o estrado da cama "fazia um barulho...
Coluna do leitor
Tenho visto ultimamente várias viaturas novas da PM nas esquinas de Curitiba com as luzes ligadas. São belos carros, mas...
veja mais

 

04/02/2007 - IMÓVIES TIRE SUAS DÚVIDAS

Adquiri um imóvel por meio de consórcio imobiliário há dois anos. A administradora fez, na época, uma vistoria da edificação com um engenheiro dela, mas desconfio que o profissional agiu de má-fé. Depois que assinei a escritura, resolvi mudar e, antes disso, um empreiteiro que eu contratei disse que o reboco estava em más condições. Se eu vender este imóvel posso ser responsabilizado por algum dano material que venha a acontecer ao novo comprador?

Resposta

 

A professora de Direito Civil da UniFAE Centro Universitário, Andreza Stonoga, explica que se o leitor vender o imóvel, ele pode ser responsabilizado pelo comprador por eventuais danos que este venha a sofrer. “Há um princípio em direito chamado boa-fé, pelo qual o vendedor compromete-se a não causar prejuízos ao comprador”, explica. Assim, ao vender algo que ele sabe ser defeituoso, corre o risco de ser responsabilizado financeiramente por todos os prejuízos que o comprador venha a sofrer.

Andreza acrescenta que é fundamental a determinação do período em que o contrato foi assinado, bem como quando a pessoa soube que o reboco estava em condições precárias. “Para isso, é bom ter uma declaração do engenheiro que a pessoa consultou que diga a data em que avisou que o reboco estava em más condições”, afirma. “Dependendo do prazo entre o contrato, a descoberta do defeito e hoje, é possível fazer alguma coisa, pelo mesmo princípio jurídico já exposto acima, de que um contratante não pode causar prejuízo ao outro.”

A professora completa que, se a descoberta do problema no imóvel foi há cinco anos ou menos, é possível o proprietário entrar com uma ação de indenização por danos ou ainda pedir que o negócio seja desfeito.

***

Entre em contato

Se
você tem alguma dúvida sobre o setor, mande um e-mail para imoveis@gazetadopovo.com.br ou escreva para a sessão “Tire suas dúvidas” do Caderno Imóveis, Rua Pedro Ivo, 459, Centro, Curitiba-PR, CEP 80.010-020.

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  GAZETA DO POVO
Imprimir   enviar para um amigo
Penhora online na Justiça Comum
Penhora online chega às ações cíveis e tributárias
Como expulsar condômino indesejável?
Segundo a norma contida no Art. 1337 do Código Civil o condômino causador de problemas poderá ser punido com multa de valor equivalente a dez vezes o valor da taxa de condomínio
Garantias da locação
Abordaremos, na presente matéria, alguns aspectos relacionados às garantias locatícias, que poderão ser exigidas pelo locador do locatário no contrato de locação.

Total de Resultados: 873

Mostrando a página 88 de um total de 88 páginas

InícioAnterior79808182838485868788

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover