Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


VAZAMENTO NA ZONA NORTE PROVOCA QUEIXAS
A moradora Daise Cristina Moraes afirma que há um vazamento contínuo de água de um prédio em construção próximo a sua...
Fronteiras da ciência
No ano passado, mais de 150 mil chineses aperfeiçoavam-se em universidades americanas. O número de alunos brasileiros,...
veja mais

 

02/10/2012 - O salário-maternidade concedido ao homem

Gazeta do Povo - 21-09-2012

http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/justica-direito/artigos/conteudo.phtml?tl=1&id=1299161&tit=O-salario-maternidade-concedido-ao-homem

O salário-maternidade concedido ao homem

Recentemente nos deparamos com a notícia de que, tanto na esfera judicial, como na administrativa, decidiu-se conceder o benefício previdenciário salário-maternidade para o homem. Na solicitação judicial, a mãe deixou a criança e o pai se viu sozinho cuidando da criança. Na esfera administrativa, tratava-se de um homem em uma união homoafetiva. O que nos interessa aqui é que ambos são homens e como tal, não estão inseridos, em principio, dentro da legislação previdenciária para o beneficio em comento.

Claro, que as decisões inovadoras, no ponto de vista de quem receberá o beneficio previdenciário, causaram sensação. No entanto, nos vemos obrigado a aclarar alguns pontos. A previdência social é um seguro social, mediante contribuições previdenciárias, com a finalidade de prover subsistência ao trabalhador, em caso de perda de sua capacidade laborativa. Ainda, a previdência social é administrada pelo Ministério da Previdência Social e as políticas referentes a esta área são executadas pela autarquia federal denominada Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Todos os trabalhadores formais recolhem, de forma obrigatória, diretamente ou por meio de seus empregadores, contribuições previdenciárias para, quando necessitarem, solicitarem o beneficio previdenciário correspondente. No caso do salário-maternidade, ele será devido às seguradas empregadas, trabalhadoras avulsas, empregadas domésticas, contribuintes individuais, facultativas e seguradas especiais, por ocasião do parto (nascimento ocorrido a partir da 23ª semana de gestação, inclusive em caso de natimorto), aborto não criminoso, adoção ou guarda judicial para fins de adoção.

Vale ressaltar, de maneira rápida que o salário-maternidade “nasceu” para assegurar a proteção previdenciária da maternidade à segurada quando em contato com a contingência social em comento, evitando assim a não discriminação das mulheres no mercado de trabalho. Ora, logo, a recíproca deverá e tem de ser verdadeira.

Percebemos na redação da legislação que, em nenhum momento, o homem foi contemplado, ou mesmo inserido no contexto, como sendo um dos destinatários do referido beneficio. Porém, entendemos ser perfeitamente cabível o salário-maternidade ao homem, uma vez que em nossa Constituição Federal, mais precisamente em seu artigo nº 227, estabelece: “é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.”

A sociedade, bem como seus pensamentos e dogmas, sofre uma constante evolução e o conceito de família, neste caso, é a prova disso. A decisão da Previdência Social, bem como do Judiciário, demonstrou-se corajosa e acertada, pois avançou na interpretação da legislação e se adequou aos novos ares da sociedade moderna – isto sem nos esquecermos do princípio da igualdade entre homens e mulheres em direitos e obrigações, conforme o artigo 5º da Constituição Federal.

Por fim, deve-se chamar a atenção para a atual tendência mundial de equiparação entre as licenças maternidade e paternidade, evitando a distinção entre os sexos. Paradigma dessa tendência, a Corte Europeia de Direitos Humanos anunciou no mês de março seu entendimento firmado de que restringir a licença para cuidar dos filhos apenas à mulher é discriminatório, o que viola a Convenção Europeia de Direitos Humanos, de maneira que homens devem ter direito ao mesmo tempo de licença que as mulheres para cuidar dos filhos.


Theodoro Vicente Agostinho, advogado, especialista e mestre em Direito Previdenciário, coordenador e professor na pós-Graduação em Direito Previdenciário do Complexo Educacional Damásio de Jesus, coordenador e professor da área de Direito Previdenciário da LDXmagister Cursos Jurídicos, membro colaborador da Comissão de Seguridade Social da OAB/SP

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
O melhor plano de previdência...
Para quem quer garantir a tranquilidade da família, outra opção é casar a aposentadoria privada com um seguro de vida. Os dois produtos podem ser contratados paralelamente e devem ser avaliados de forma conjunta.
Por direitos, segurados vão à Justiça
A nomeação de novos concursados ocorreu no final do ano passado. Enquanto em maio de 2012, o INSS paranaense tinha 1.398 servidores, em maio deste ano contava com 1.679 – 20% a mais.
Projeto da desaposentadoria opõe governo e 700 mil trabalhadores
O consultor de previdência Renato Follador classifica a desaposentadoria como justa do ponto de vista jurídico e correta em relação às questões técnica e atuarial.
Senado aprova troca do benefício de aposentado que ainda trabalha
Ao renunciar ao benefício, segundo o projeto, não será exigido ao trabalhador a devolução aos cofres públicos dos valores recebidos no período em que ficou aposentado.
INSS diz que homem que matou mulher não deve receber pensão
À Justiça, a defesa afirmou que Nogueira cometeu o crime após discussão, em que perdeu o controle. À polícia, o professor disse que quis livrar Mônica de depressão.
Brasileiros não se preparam para a aposentadoria
Começar a poupar cedo é o mais indicado, mas começar aos 40 anos não é o fim do mundo, dizem os especialistas.
Uma saída para o fator previdenciário
Para a empresa, a vantagem é a retenção do empregado em quem investiu recursos em treinamento, agora experiente, maduro e conhecedor do negócio da empresa.
Um pacote de veneno para a saúde
Durante a campanha e a Guerra Civil o pau comeu, e os jornais do Sul, bem como os Democratas do Norte, chamavam-no de semianalfabeto, "terrorista inculto", mas esse era o jogo jogado.
Justiça comum julgará ações de aposentadoria privada
O SBRASÍ LIA - upremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira que as ações envolvendo complementação de aposentadoria por entidades de previdência privada devem ser julgadas pela justiça comum e não pela trabalhista.
Supremo reconhece direito de benefício mais vantajoso a segurado do INSS
aposentadoria pode ser rev... Supremo reconhece direito de benefício mais vantajos... STF dá direito de revisão a aposentado que adiou ped... » ver todas 32 relacionadas

Total de Resultados: 353

Mostrando a página 2 de um total de 36 páginas

InícioAnterior1234567891011PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover