Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


"Quem, e por que, está por trás dos chamados 'black blocs'?", pergunta leitor
Afinal, quem e por que está por trás dos chamados "black blocs" nas manifestações de rua entre nós? O fenômeno parece...
José Caper Claro Filho reclama da falta de respeito da caixa ec onômica federal para com os seus clientes
Para visualizar o conteúdo desta matéria clique sobre o título da mesma.
veja mais

 

28/08/2009 - Governo e centrais sindicais chegam a acordo sobre aposentadorias

Agência DIAP 

 

O ministro da Previdência, José Pimentel, disse que o acordo entre o Governo e as centrais sindicais é "absorvível" pelas contas previdenciárias

O Governo aceitou uma proposta das centrais sindicais sobre a política de reajustes para aposentadorias acima de um salário mínimo: ficou acertado que serão concedidos aumentos equivalentes à inflação mais 50% do PIB de dois anos anteriores (em 2011, por exemplo, o cálculo será feito com base no PIB de 2009).

O ganho real desses benefícios em 2010 deve ficar em torno de 2,5%. O ministro da Previdência, José Pimentel, disse que o acordo é "absorvível" pelas contas previdenciárias.

O deputado Pepe Vargas (PT/RS), relator do Projeto de Lei 3.299/08, que acaba com o fator previdenciário, deverá apresentar um substitutivo nos próximos dias englobando a nova proposta de reajuste e a adoção do chamado "fator 85/95″ (no qual a soma da idade com o tempo de contribuição deve resultar para fins de aposentadoria em 85, para as mulheres; e em 95, para os homens).

Diante do acordo, as centrais se comprometem a não insistir na aprovação de três matérias:

- o texto atual do PL 3.299/08, sobre o fator previdenciário;

- a emenda do senador Paulo Paim (PT/RS) ao PL 1/07 que garante, às aposentadorias, o mesmo percentual de reajuste do salário mínimo;

- e o reajuste de 16,7% para aposentados e pensionistas que ganham mais que um salário mínimo, aprovado pelo Congresso na forma de emenda à MP 288/06 e vetado em seguida pelo presidente Lula.

A reunião entre representantes do Governo, sindicalistas e parlamentares já foi encerrada. Ela aconteceu no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília.

Também foi fechado o acordo sobre o projeto que trata do fim do fator previdenciário: será adotada a chamada formula 95, já aplicadas aos servidores públicos.

O seguro-desemprego poderá ser contabilizado para se chegar ao tempo de contribuição exigido para aposentadoria.

Outra novidade é que haverá um dispositivo para desestimular demissão de pessoas próximas à aposentadoria.

Segundo o relator do projeto que trata do fim do fator previdenciário, Pepe Vargas (PT/RS), haveria a garantia de que o trabalhador não seria demitido até 12 meses antes de completar o tempo de contribuição necessário para a aposentadoria.

"Foi um acordo histórico. Quebrou paradigmas", disse Pepe Vargas.

Já o ministro da Previdência, José Pimentel, disse que o acordo foi fechado e que os parlamentares devem aprová-lo.

"Agora, precisamos da autorização legal para cumprimos o acordo. O Congresso precisa aprovar, e todos nós vamos trabalhar por isso", disse Pimentel.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava no Palácio da Alvorada, foi consultado sobre os pontos do acordo e deu o sinal verde.

"A economia está se recuperando, e o presidente Lula considerou que esse é um esforço máximo que o Governo pode fazer", disse o ministro da Secretaria Geral, Luiz Dulci.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique, aprovou o acordo, mas a Central de Trabalhadores do Brasil (CTB) deixou o encontro reclamando.

"Estávamos apostando na negociação, mas não foi possível", disse o presidente da CTB, Wagner Gomes.

As mudanças acertadas serão incluídas no texto a ser apresentado por Pepe Vargas, em substituição ao texto original da proposta que acaba com o fator previdenciário.

"Estamos implementando mais do que o aumento real, mas uma política de recuperação do poder de compra das aposentadorias", disse Artur Henrique. (Fonte: Blog O outro lado da notícia, com agências e Câmara)

Diap – 27-08-2009

www.diap.org.br


Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Diap
Imprimir   enviar para um amigo
SUS inclui remédio que previne doenças respiratórias em lista de distribuição gratuita
A decisão foi publicada no Diário Oficial da União de hoje (3) e o ministério terá prazo de 180 dias para disponibilizar o remédio no SUS.
Governo desiste de taxar aposentados para cobrir rombo previdenciário
A coordenadora do Fórum de Entidades Sindicais do Paraná, Marlei Fernandes, considerou positiva a decisão do governo. Mas voltou a cobrar um tempo maior para que o funcionalismo analise a proposta.
Servidor pagará mais para tapar rombo da previdência
Grande parte do déficit se deve a aportes financeiros que deixaram de ser feitos ao longo dos últimos anos pelo governo estadual, que deveria contribuir com o mesmo valor pago pelos servidores.
Sindicalistas prometem pressionar Congresso por fim do fator previdenciário
Veja a matéria completa no link: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1187631-sindicalistas-prometem-pressionar-congresso-por-fim-do-fator-previdenciario.shtml
Benefícios do Bolsa Família aumentam mais de quatro vezes em nove anos
O programa, criado pela Medida Provisória 132, completa neste sábado (20) nove anos e é o resultado da junção do Bolsa Escola, do auxílio-gás e do Cartão Alimentação em um só benefício.
Bolsa Família em queda no Paraná
Para Jucimeri Isolda Sil­­veira, professora de Ser­­viço Social na Pontifícia Uni­­versidade Católica do Pa­­raná (PUCPR), as buscas já têm lugar para começar.
A aposentadoria dos deputados e a dissimulação
Entretanto, um grupo de deputados se movimenta para desengavetá-lo. Não há mistério sobre as razões desse repentino movimento:
reforma da previdência
para ler a matéria na íntegra, clique no título
Déficit da Previdência sobe 19% e soma R$   4,9 bilhões No mês passado, o governo obteve uma arrecadação líquida de R$   22,534 bilhões com contribuições
A Previdência Social registrou em agosto déficit de R$   4,936 bilhões - crescimento real (descontada a inflação) de 19,3% em relação ao mesmo período de 2011.
O salário-maternidade concedido ao homem
Por fim, deve-se chamar a atenção para a atual tendência mundial de equiparação entre as licenças maternidade e paternidade, evitando a distinção entre os sexos.

Total de Resultados: 353

Mostrando a página 4 de um total de 36 páginas

InícioAnterior12345678910111213PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover