Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Coluna do Leitor – Gazeta do Povo
Não corresponde à verdade a reportagem sobre o Clube Duque de Caxias e o aeroporto (4/11). O clube fica em baixada de...
A Cidade é Sua
DE SÃO PAULO - O engenheiro Luiz Fernando Lorey diz que seu celular Sony Ericsson não faz nem recebe ligações em horário...
veja mais

 

18/05/2008 - processo de criminalização pela mídia - O comentário de Arnaldo Jabor

Redação O Estado do Paraná [04/05/2008]

O que não se pode esquecer é que criminalizar é ato de manifestação política do poder institucionalizado e que parte da mídia é instrumento de manutenção deste poder e das regalias daqueles que o detém.

O texto que segue abaixo é uma degravação por nós efetuada,comentário de Jabor já referido. Portanto, em razão da entonação dada por Arnaldo Jabor é que se efetuou a degravação que segue:

O comentário de Arnaldo Jabor

 

Amigos ouvintes eu tentei não ler sobre a morte da menina Isabella, também evitei, na época, os detalhes do assassinato daquele menino arrastado, o João Hélio, porque na minha profissão eu tenho que selecionar os horrores, senão fico maluco, mas eu não consegui. Eu vi o desfecho do caso da menina morta. Essa tragédia não é só das vítimas, nós também sofremos para entender esse mal incompreensível. Cresce em nós uma pele de rinoceronte na alma, com o coração mais duro ficamos mais cínicos, mais passivos, diante da crueldade. Um filósofo chamado Osvaldo Giacóia Júnior escreveu uma vez, o seguinte: “o insuportável não é só a dor mas a falta de sentido da dor, mais ainda, a dor da falta de sentido”. Como entender que um pai e uma madrasta possam ter ferido, estrangulado e atirado uma menininha de cinco anos pela janela, como entender a cara sórdida e cínica que eles ostentam, para fingir inocência. Como não demonstram sentimento de culpa algum? Ninguém berra, ninguém chora. Como podem querer viver depois disso. Como essa família toda pais, mães, irmãos, se unem na ocultação de um crime. E como o avô pode dizer com cara de pau que “se meu filho fosse culpado eu denunciaria”, que quer essa gente? Preservar o bom nome da família? Mas são parentes ou são cúmplices? A polícia deu um show de bola pericial no caso Isabella. Mas da pra sentir que a nossa estrutura penal ta muito defasada com esse espantoso crescimento da barbárie. Como se pode tolerar que um sujeito que foi condenado, outro dia, na semana passada, somente há treze anos, por ter esquartejado a namorada, alegando legítima defesa, possa ficar em liberdade até esgotar os recursos que a lei prevê, como disse o Supremo Tribunal de Justiça? Como entender que aquele jornalista Pimenta das Neves, que premeditou o assassinato da namorada com dois tiros pelas costas e na cabeça, condenado já há seis anos esteja ainda em liberdade, na boa? As leis de execução penal tem que ser aceleradas. As punições têm que ser mais terríveis, mais violentas, mais rápidas, mais temíveis. Há um crescimento da crueldade acima de qualquer quantificação jurídica. Essa lentidão, esse arcaísmo da justiça é visível não só nos chamados crimes de classe média não, como também na barbárie que galopa nas periferias. O Elias Maluco, lembram? Aquele que matou o Tim Lopes com golpes de espada, ele tava em liberdade condicional. Sabiam? Não se trata mais de uma perversão do humano, mas de uma perversão do animal em nós. Os pensadores da justiça continuam a tratar os crimes como desvios da norma, praticados por cidadões, cidadãos iguais. Tem que acabar o tempo dos casuísmos, das leniências, das chicanas. E esse casal de pedra, esses monstros, será que vão se defender em liberdade esgotando os recursos da lei, como o esquartejador por justa causa? Serão condenados há dez aninhos com atenuantes? O que acontecerá com eles? A lei tem que ser mais temida, mais rápida e mais cruel. Esse vazio da justiça explica o sucesso de filmes como “Tropa de Elite” e até, explica a fantasia de linchamento, em nossas cabeças, que Deus me perdoe! (Arnaldo Jabor) (grifos nossos).

 

-----------------------------------------------------------------------------O Estado do Paraná - 18/05/2008

 

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Audiência de custódia
Audiência de custódia João Baptista Herkenhoff Determinei há quatro décadas, através de portaria, que todo indivíduo preso, no território de minha comarca (Vila Velha, ES), fosse imediatamente trazido ao fórum. Mu
Uso de algemas e compartimento celular
No Direito Processual Penal brasileiro tem sido uma tendência a atribuição de nulidade absoluta a vícios que não afetam diretamente o elemento de prova.
Editorial: Não é pizza
Longe de ser caso isolado, essa foi a regra. Dentre os 37 réus, 25 foram considerados culpados por ao menos um crime. Treze já não podem apresentar nenhum recurso e terão suas punições executadas.
Dilma sanciona lei sobre investigação criminal
Ainda é destacado na legislação que o indiciamento é uma ação privativa do delegado de polícia e se dará por ato fundamentado, mediante análise técnico-jurídica do fato, que deverá indicar a autoria, materialidade e suas circunstâncias.
Novo presidente do STJ defende desmembramento de processos com muitos réus
Felix admitiu haver defasagem no Código Penal, especialmente no que diz respeito a crimes modernos, como os eletrônicos, os sexuais e a lavagem de dinheiro.
Defensoria Pública do Estado do Paraná / 2012
(A) Após o oferecimento do aditamento a defesa terá o prazo de 10 (dez) dias para se manifestar, podendo arrolar testemunhas, requerer diligências e proceder a novo interrogatório do réu.
Bibinho é preso por atrapalhar o andamento de ação judicial
O advogado Eurolino Sechinel Reis – que defende Abib Miguel, o Bibinho – considerou “abusiva” a prisão do ex-diretor-geral da Assembleia Legislativa do Paraná.
Dilema carcerário
SÃO PAULO - Tem preso saindo pelo ladrão. Como mostrou Claudia Antunes no último domingo, a taxa de encarceramento no Brasil praticamente triplicou nos últimos 16 anos. Passamos de 95 presos para cada 100 mil habitantes em 1995 para 269. Dos países mais p
Julgamento - STF nega privilégio de foro a dois juízes aposentados
O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou nesta quinta-feira (22) que, quando se aposentam, as autoridades perdem o direito ao foro privilegiado. No Brasil, as autoridades que ocupam cargo nos três Poderes, como o presidente da República, os parlamentare
Prisão preventiva adequada
A discussão acerca da legitimidade da prisão preventiva por conveniência da instrução criminal não existe. Garantindo o adequado desenvolvimento do processo, tutela a produção probatória, caracterizando-se como cautela instrumental. Também não conflita co

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 1 de um total de 22 páginas

12345678910PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover