Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


CLIENTE SE QUEIXA DE COMPUTADOR DA ITAUTEC
Nilza Pereira Rubo afirma que comprou um computador Itautec na loja FastShop, no shopping Paulista, em São Paulo. Após...
Coluna do Leitor – Opinião de Leitores da Gazeta do Povo
Lembro-me da transmissão da chegada dos norte-americanos à Lua e, na época, eu acreditei naquilo. Algum tempo depois...
veja mais

 

17/02/2009 - Recurso em liberdade divide juristas

Supremo Tribunal Federal manda soltar presos que ainda têm direito a recursos. Para alguns teóricos, decisão pode paralisar cortes brasileiras

Publicado em 14/02/2009 | Agência O Globo

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de mandar soltar cinco presos que já foram condenados mas que têm o direito de recorrer da sentença em liberdade dividiu a opinião de especialistas. O jurista Fábio Konder Comparato classificou como lastimável a decisão da corte, mas há criminalistas, como Fernando Castelo Branco, que acham que a medida é acertada, enquanto outros, como Luiz Flávio Gomes, acreditam que a decisão vai entupir o judiciário de recursos.

Segundo Comparato, uma medida como essa só vem confirmar a necessidade de uma reforma urgente no sistema penal brasileiro, que tem excesso de recursos e tramitações extremamente lentas de processos judiciais. “É um escárnio. É inadmissível que isso esteja acontecendo. É imoral que os advogados procrastinem o processo dessa maneira. A defesa do réu deve ser feita com dignidade”, disse Comparato.

Entre os réus que o STF mandou soltar estão condenados por tentativa de estupro, estelionato, roubo e apropriação de bens e rendas públicas. Comparato citou casos como o do jornalista Antônio Pimenta Neves, assassino confesso da também jornalista Sandra Gomide, e do ex-governador e ex-deputado Ronaldo Cunha Lima, que depois de inúmeros recursos acabou tendo prescrito o crime de tentativa de assassinato do adversário Tarcício Burity.

Para o criminalista Fernando Castello Branco, ainda que a decisão pareça um desconforto à sociedade, o órgão cumpre o seu papel de respeito à Constituição Federal. Segundo ele, a medida é “extremamente legal”. Castello Branco explicou que, se o processo ainda não transitou em julgado, não há motivo para manter o réu preso.

“Considerando o princípio da presunção de inocência, não há motivo para manter o réu preso se o trâmite ainda não foi transitado em julgado. O STF tem que cumprir a lei”, disse o criminalista, acrescentando que casos graves, de estupro e crime contra a pessoa, por exemplo, devem ser tratados com prisões preventivas.

Já o jurista e doutor em direito penal pela Universidade de Madri, Luiz Flávio Gomes, acredita que a decisão vai lotar o Judiciário de recursos. Segundo ele, será difícil ter um réu que não queira recorrer da sentença. Para Gomes, a medida tomada pela corte, no entanto, foi acertada e correta, já que “como regra, todo cidadão tem o direito de ficar livre até que se esgotem as possibilidades de defesa”.

AMB diz que decisão é infeliz

O presidente da Associação de Magistrados do Brasil (AMB), Mozart Valadares Pires, lamentou ontem, em Curitiba, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de permitir a prisão apenas quando não couber mais recursos. Para ele, a decisão atrapalha ainda mais os serviços do Judiciário. “Temos maior respeito pelo STF, mas foi uma decisão infeliz. Em um país que tem índices de violência iguais aos que estamos passando, a sociedade insegura, e o Estado sem condição de protegê-la, com a população que paga uma carga tributária altíssima sem receber os serviços essenciais, a decisão do Supremo apenas cria uma expectativa de impunidade e de aumento da insegurança”, afirmou o magistrado em entrevista coletiva. “Aos criminosos, por outro lado, ela ainda passa a sensação de que matar não é problema, porque não vai ser preso ou punido”, completou.

Enfraquecimento

Outro problema apontado pelo presidente da AMB é o enfraquecimento das primeiras instâncias do Judiciário, em um momento em que a associação está direcionando esforços para a moralização e melhoria de serviços nessas áreas primárias do poder (veja matéria na página 16). “Uma das nossas metas é fortalecer o juiz da sentença do primeiro grau. Mais de 80% das sentenças de 1º grau são confirmadas nos tribunais superiores, o que mostra o acerto da sentença de primeiro grau”, afirmou.

Sobre a morosidade na tramitação de processos, Pires é um crítico do excesso de recursos previstos na legislação brasileira, afirmando que o modelo atual não reflete os anseios da sociedade. “Eu preciso poder entrar com uma ação tendo previsão de quando ela vai terminar, e não com a expectativa de que vou morrer sem ver meu direito sendo reconhecido”, disse.

André Lückman

Gazeta do Povo – 14-02-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Novas medidas cautelares no Processo Penal (I) - O tempo do processo penal - Caso Edmundo: prescrição e impunidade
A Lei nº 12.403, de 4 de maio deste ano, altera, acrescenta e revoga dispositivos do Código de Processo Penal (CPP) relativos à prisão processual, fiança, liberdade provisória e demais medidas cautelares, está em período de vacatio legis até o próximo di
NOTAS AO PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
Um dos aspectos de maior relevo do Projeto nº 156/2009, já aprovado em última discussão pelo Senado Federal (10.12.2010), é referente às antigas e às novas espécies de medidas cautelares. Entre as principais características de tais medidas, destaca-se a v
NOTAS AO PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
No primeiro artigo desta série de notas sobre o Projeto do Senado Federal, nº 156 de reforma do Código de Processo Penal,[1] transcrevi todos os artigos e incisos relativos às atribuições do Juiz das Garantias, seu limite de competência, que é plena para
A Prisão Processual, a Fiança, a Liberdade Provisória e as demais Medidas Cautelares – Comentários à Lei N.° 12.403/11
Foi promulgada a Lei nº. 12.403/2011, publicada no Diário Oficial da União do dia 05 de maio de 2011, com a previsão de um período de vacatio legis de sessenta dias. Nada obstante esta limitação temporal para a vigência da lei, e especialmente no que diz
Prisão - Fiança ainda é entrave à liberdade de réu pobre
A discussão sobre a fiança ganhou um novo ingrediente. Diante do caso de um homem pobre preso por furto que não tinha R$   830 para sair da cadeia, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que o acusado podia ganhar a liberdade provisória mesmo sem pag
LEI Nº 12.403, DE 4 DE MAIO DE 2011.-Código de Processo Penal, relativos à prisão processual, fiança, liberdade provisória, demais medidas cautelares,
Para ler na íntegra, clique no título
Justiça - Código de Processo Penal - Câmara aprova reforma, mas mantém prisão especial
A Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto de lei que altera o Código de Processo Penal, aumentando, entre outros pontos, a possibilidade de adoção de medidas cautelares e o valor das fianças, mas manteve a prisão especial para autoridades, parlamentare
Julgamento - Processos da Lei Maria da Penha não podem ser suspensos
Agressores enquadrados na Lei Maria da Penha não podem ganhar o benefício de ter o processo judicial suspenso por um prazo, ao final do qual podem escapar da condenação, segundo decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde de ontem. O colegiado enten
O retrocesso do processo penal
O Senado aprovou o Projeto de Lei 156/09, ainda sujeito a aprovação da Câmara dos Deputados, cuja redação reforma integralmente o Código de Processo Penal de 1941, trazendo diversas inovações propostas pela comunidade jurídica e pela sociedade civil em ge
CPC, PPP e administração da Justiça
Em tempos de reforma do Código de Processo Civil (CPC), o mote é agilizar o processo judicial. Propõe-se o banimento de alguns recursos, a retirada do efeito suspensivo de algumas medidas, a supressão de certos incidentes processuais etc. As propostas

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 3 de um total de 22 páginas

InícioAnterior123456789101112PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover