Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Paraná retém R$  386 milhões da ciência
No ano passado, os pedidos somaram R$  144 milhões, mas foram aprovadas propostas que juntas chegaram a R$  53 milhões. O...
PERGUNTAS DOS INTERNAUTAS
Senhores, Tenho Cardiopatia grave e diabetes e também já tive um IAM, tenho angina constatem ente e não posso fazer...
veja mais

 

26/10/2009 - STF decide que MP pode fazer investigações criminais

Decisão é de apenas cinco dos 11 ministros, mas dá um indicativo de que o Supremo não deve proibir promotores de investigar, como pedem os policiais

 

Ellen Gracie conversa com Celso de Mello, relator do caso: 2ª Turma do STF validou investigação promovida pelo Ministério Público

São Paulo - A 2.ª Turma de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o Ministério Público (MP) tem competência para realizar investigações criminais, por sua iniciativa e sob sua direção, para formar convicção sobre determinado delito – desde que respeitadas as garantias constitucionais asseguradas a qualquer investigado.

Os ministros rejeitaram, em votação unânime, habeas-corpus em que um agente da Polícia Civil do Distrito Federal, condenado pelo crime de tortura, pedia a anulação do processo alegando que ele fora baseado exclusivamente em investigação criminal do MP. A decisão, embora de um caso específico, dá um indicativo de que o Supremo tende a liberar definitivamente as investigações do MP, que hoje são questionadas pela Polícia Civil.

Os policiais consideram que a Constituição atribui exclusivamente a eles o poder de fazer investigações. No Supremo, há outros processos pedindo para impedir que o Ministério Público exerça essa atividade.

Outro processo

O ministro Celso de Mello, relator da ação, apresentou seu voto independentemente do fato de ainda estar pendente de julgamento, pelo plenário do STF, um outro habeas-corpus, de número 84.548, cercado de grande expectativa porque discute exatamente o poder de investigação do Ministério Público. Esse habeas-corpus foi apresentado pelo empresário Sérgio Gomes, apontado pela promotoria como mandante da execução do prefeito Celso Daniel (PT), de Santo André (SP), em 2002.

A polêmica ganhou peso em agosto, quando a Advocacia-Geral da União (AGU) enviou parecer ao Supremo por meio do qual rejeita a constitucionalidade de mecanismos que poderiam autorizar promotores a realizarem investigações de caráter criminal, em substituição à polícia.

O parecer da AGU é subscrito pelo novo ministro do STF, José Antonio Dias Toffoli, que toma posse amanhã. Quando ele produziu o documento, Toffoli exercia o cargo de chefe da Ad­­­vocacia-Geral da União.

Sem monopólio

Para os ministros da 2.ª Turma, a polícia não detém o monopólio da investigação criminal. Mello citou precedentes da corte para sustentar seu voto em favor do poder de investigação criminal da promotoria. “Não queremos presidir inquérito policial, fazer todas as investigações”, declarou o promotor José Carlos Cosenzo, presidente da Associação Nacional do Ministério Público. “Queremos exercer um poder concorrente ou subsidiário. A polícia tem que ser aparelhada para suas investigações, ela tem essa vocação. Mas há assuntos que, por sua relevância, exigem a intervenção da promotoria.”

A decisão de ontem do STF, porém, foi criticada por representantes de policiais. “O que o Ministério Público quer é a prerrogativa de escolher a investigação que pretende fazer e isso é inconcebível”, reagiu Sandro Avellar, presidente da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal.

Composição

A 2.ª Turma do Supremo é formada por cinco dos 11 ministros do STF: Ellen Gracie (presidente da Turma), Celso de Mello, Cezar Peluso, Joaquim Barbosa e Eros Grau.

* * * * * * * *

Interatividade

O Ministério Público deve ter o poder de fazer investigações ou isso deve ser competência exclusiva da polícia?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Gazeta do Povo – 22-10-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Novas medidas cautelares no Processo Penal (I) - O tempo do processo penal - Caso Edmundo: prescrição e impunidade
A Lei nº 12.403, de 4 de maio deste ano, altera, acrescenta e revoga dispositivos do Código de Processo Penal (CPP) relativos à prisão processual, fiança, liberdade provisória e demais medidas cautelares, está em período de vacatio legis até o próximo di
NOTAS AO PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
Um dos aspectos de maior relevo do Projeto nº 156/2009, já aprovado em última discussão pelo Senado Federal (10.12.2010), é referente às antigas e às novas espécies de medidas cautelares. Entre as principais características de tais medidas, destaca-se a v
NOTAS AO PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
No primeiro artigo desta série de notas sobre o Projeto do Senado Federal, nº 156 de reforma do Código de Processo Penal,[1] transcrevi todos os artigos e incisos relativos às atribuições do Juiz das Garantias, seu limite de competência, que é plena para
A Prisão Processual, a Fiança, a Liberdade Provisória e as demais Medidas Cautelares – Comentários à Lei N.° 12.403/11
Foi promulgada a Lei nº. 12.403/2011, publicada no Diário Oficial da União do dia 05 de maio de 2011, com a previsão de um período de vacatio legis de sessenta dias. Nada obstante esta limitação temporal para a vigência da lei, e especialmente no que diz
Prisão - Fiança ainda é entrave à liberdade de réu pobre
A discussão sobre a fiança ganhou um novo ingrediente. Diante do caso de um homem pobre preso por furto que não tinha R$   830 para sair da cadeia, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que o acusado podia ganhar a liberdade provisória mesmo sem pag
LEI Nº 12.403, DE 4 DE MAIO DE 2011.-Código de Processo Penal, relativos à prisão processual, fiança, liberdade provisória, demais medidas cautelares,
Para ler na íntegra, clique no título
Justiça - Código de Processo Penal - Câmara aprova reforma, mas mantém prisão especial
A Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto de lei que altera o Código de Processo Penal, aumentando, entre outros pontos, a possibilidade de adoção de medidas cautelares e o valor das fianças, mas manteve a prisão especial para autoridades, parlamentare
Julgamento - Processos da Lei Maria da Penha não podem ser suspensos
Agressores enquadrados na Lei Maria da Penha não podem ganhar o benefício de ter o processo judicial suspenso por um prazo, ao final do qual podem escapar da condenação, segundo decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde de ontem. O colegiado enten
O retrocesso do processo penal
O Senado aprovou o Projeto de Lei 156/09, ainda sujeito a aprovação da Câmara dos Deputados, cuja redação reforma integralmente o Código de Processo Penal de 1941, trazendo diversas inovações propostas pela comunidade jurídica e pela sociedade civil em ge
CPC, PPP e administração da Justiça
Em tempos de reforma do Código de Processo Civil (CPC), o mote é agilizar o processo judicial. Propõe-se o banimento de alguns recursos, a retirada do efeito suspensivo de algumas medidas, a supressão de certos incidentes processuais etc. As propostas

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 3 de um total de 22 páginas

InícioAnterior123456789101112PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover