Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Qual lei você quer que exista? Pode sugerir
Na Câmara de Curitiba, o número de propostas de iniciativa popular também é baixo. Desde a promulgação da Lei Orgânica...
LEITORA RECLAMA DE VAZAMENTO NA ZONA SUL
A leitora Roberta Lopes diz que há um vazamento na calçada do seu trabalho, na avenida Giovanni Gronchi, no Morumbi...
veja mais

 

14/05/2009 - Reforma sugere processo penal com dois juízes

Anteprojeto em discussão no Senado atualiza o Código de Processo Penal, criado por Getúlio Vargas em 1941. Intenção é que proposta seja votada ainda neste ano

 

“É uma inversão de lógica – ao invés de a testemunha ir à delegacia, a polícia vai atrás dele. É uma sugestão que nasceu dos próprios policiais e que vai permitir que vários inquéritos possam ser encerrados em até um dia.” Jacinto Nelson de Miranda Coutinho, advogado

A comissão de juristas formada para sugerir mudanças no Código de Processo Penal propôs a divisão de trabalhos entre dois juízes no decorrer das ações judiciais. A ideia é que um magistrado cuide da etapa de investigação do crime e o outro fique responsável pela sentença. A alteração garantiria a imparcialidade do julgamento.

O tema foi tratado na terça-feira passada durante audiência pública no Senado. O evento reuniu os nove responsáveis pela proposta de reforma – entre eles, o advogado paranaense Jacinto Nelson de Miranda Coutinho. O texto gira em torno de oito itens (ver box ao lado), transformados em um anteprojeto de lei.

O material foi entregue há duas semanas ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Além da criação do “juiz de garantia”, que atuaria apenas na primeira fase do processo, as sugestões englobam o fim do foro privilegiado para autoridades e a restrição para permanência de acusados na prisão antes da condenação.

Outra proposta relevante é a elevação do número de membros do Tribunal do Júri – de sete para oito. O objetivo é evitar que o réu seja considerado culpado por apenas um voto de diferença (em casos de empate, ele seria absolvido).

O texto também aumenta a quantidade de medidas cautelares à disposição dos juízes. Atualmente, essas ferramentas jurídicas podem ser utilizadas em apenas três situações – prisão provisória, fixação de fiança ou detenção domiciliar. A proposta acrescenta outras oito possibilidades, entre elas a suspensão do exercício de função pública, a interrupção das atividades das empresas e a proibição de frequentar determinados locais públicos.

Agilidade

Para Miranda Coutinho, que é professor de Direito Processual Penal da Universidade Federal do Paraná, as mudanças darão mais agilidade ao sistema judiciário brasileiro. Ele destaca a medida que permite que agentes policiais interroguem testemunhas fora da delegacia.

“É uma inversão de lógica – ao invés de a testemunha ir à delegacia, a polícia vai atrás dele. É uma sugestão que nasceu dos próprios policiais e que vai permitir que vários inquéritos possam ser encerrados em até um dia”, afirmou.

O advogado também destacou que a proposta reforça o conceito de presunção de inocência. “A intenção é só colocar na cadeia os culpados, evitar a punição antecipada.”

O código em vigência atualmente foi criado em 1941, por Getúlio Vargas, e tem vários pontos conflitantes com a Constituição de 1988. A meta da comissão era adaptar um novo modelo processual aos princípios constitucionais.

A partir de agora, o anteprojeto será encaminhado a uma comissão especial de senadores. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Demóstenes Torres (DEM-GO), cobrou rapidez na nomeação dos membros do grupo para que a proposta possa ser votada ainda neste ano.

Ele também se comprometeu a pedir ao presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), que nomeie uma comissão especial simultânea de deputados. A proposta precisa ser votada pelas duas casas antes de ser encaminhada à sanção presidencial.

As propostas

Veja os principais pontos da reforma penal

1 – Dois juízes – Cria a figura do “juiz de garantia”, que participaria apenas da fase de investigação do crime. Um outro magistrado seria responsável pelo julgamento e pela sentença, o que aprimoraria a imparcialidade do processo.

2 – Foro privilegiado – A proposta extingue a prerrogativa de foro de autoridades que atualmente podem ser julgadas apenas em tribunais superiores.

3 – Menos recursos – Prevê a possibilidade de realização de um só recurso em cada instância do Poder Judiciário. Na prática, seriam permitidos no máximo três recursos.

4 – Interrogatórios – Permite aos agentes policiais interrogar testemunhas fora da delegacia.

5 – Prisões provisórias – Impõe um limite de no máximo 180 dias para detenção de acusados antes da condenação. Hoje a jurisprudência é de 81 dias, mas há muitos réus presos por mais de 1 ano.

6 – Desburocratização – Aproxima o Ministério Público da Polícia Judiciária. Ou seja, elimina a necessidade de que procuradores e promotores dialoguem com a polícia por meio do juiz.

7 – Medidas cautelares – Estabelece a criação de mais nove possibilidades de cautelares, como suspensão do exercício de função pública; interrupção das atividades de empresas e proibição de frequentar determinados locais públicos. Atualmente, há cautelares apenas para prisão provisória, fixação de fiança ou detenção domiciliar.

8 – Mais jurados – Aumenta de sete para oito o número de jurados. O propósito é evitar que um réu seja condenado pela diferença de apenas um voto. Se der empate, ele é absolvido.

Gazeta do Povo – 11-05-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Um julgamento que ficará para a história
Londrina - Já era alta madrugada quando a juíza Adriama Katsurayama Fernandes e Silva declarou o réu Édison dos Santos Rodrigues, 31 anos, o ''Zóza'', culpado pela morte do garoto Dener Washington Matias, 11 anos, morto na manhã de 14 de julho de 2006 enq
SEU DIREITO - PROCESSO PENAL
A pessoa arrolada em um processo penal como testemunha tem a obrigação de comparecer no juízo para depor, dizendo a verdade sobre os fatos de que tem conhecimento. A testemunha presta o compromisso de dizer a verdade e, se mentir ou calar a verdade, respo
REFLEXÃO JURÍDICA - No­vo CPP bus­ca ­maior isen­ção no jul­ga­men­to
Embora venha sendo discutido desde 2008, o projeto de lei que prevê a reforma do Código de Processo Penal (CPP) ainda é alvo de questionamentos e levanta dúvidas sobre os seus 702 artigos. Entre as inovações mais polêmicas está a exigência de dois magistr
JUSTIÇA - Homem que negar DNA pode ser declarado pai
Mais um passo em direção à proteção dos direitos da criança brasileira. O Projeto de Lei (PL) nº 53/07, que estabelece a presunção de paternidade no caso de recusa ao exame de DNA nos processos de investigação para determinar quem é o pai de uma criança,
STJ anula decisão de pronúncia por excesso de linguagem do juiz
A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), com base no voto do ministro Jorge Mussi, anulou uma sentença de pronúncia do juízo singular por excesso de linguagem do juiz, entendendo que, da forma como a decisão foi redigida, poderia influenciar
O Exame Criminológico e a equivocada Resolução N.º 009/2010 do Conselho Federal de Psicologia
Com o advento da Lei 10.792/2003, que entre outras providências alterou a redação do art. 112 da Lei de Execução Penal, estabeleceu-se acirrada discussão na doutrina a respeito da admissibilidade, ou não, do exame criminológico por ocasião da progressão d
Monitoramento eletrônico do preso
A bancada do populismo penal (a que vende a ideia de que todos os males da insegurança pública podem e devem ser resolvidos com mais leis punitivistas e exemplares) sofreu uma grande derrota: Lula vetou em quase sua totalidade o projeto de lei sobre monit
A Inconstitucionalidade da Lei N.º 12.234/2010 (final)
O retrocesso imposto com a Lei n.º 12.234, de 5/05/2010, afronta o princípio da razoável duração do processo. Realmente, além de impor ao Estado essa exigência elementar entre os direitos fundamentais, a Constituição Federal estabelece uma cláusula de efi
Recursos no Processo Penal: Causa de morosidade ou espaço de cidadania?
Tramita no Congresso Nacional projeto que vai instituir um novo Código de Processo Penal, ou seja, o novo regramento de como as causas criminais serão processadas e julgadas em nosso país.
DIREITO DE DEFESA - 'Novo código é autoritarismo condenável'
Limitar o número de recursos e reduzir em até 70% o tempo médio de tramitação de ações judiciais. Estes são os principais objetivos do Novo Código de Processo Civil (CPC), que foi apresentado por uma comissão de juristas do Senado Federal. O novo texto, q

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 4 de um total de 22 páginas

InícioAnterior12345678910111213PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover