Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


PERGUNTAS DOS INTERNAUTAS - 05.11.2007
Nos Juizados Especiais Cíveis estaduais o teto é de 40 salários mínimos se a parte for assistida por Advogado e de 20...
Dilemas e desafios do transporte coletivo
O sistema de transporte integrado de Curitiba e região metropolitana, que conta com mais de 2.500 ônibus e leva,...
veja mais

 

17/02/2009 - Recurso em liberdade divide juristas

Supremo Tribunal Federal manda soltar presos que ainda têm direito a recursos. Para alguns teóricos, decisão pode paralisar cortes brasileiras

Publicado em 14/02/2009 | Agência O Globo

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de mandar soltar cinco presos que já foram condenados mas que têm o direito de recorrer da sentença em liberdade dividiu a opinião de especialistas. O jurista Fábio Konder Comparato classificou como lastimável a decisão da corte, mas há criminalistas, como Fernando Castelo Branco, que acham que a medida é acertada, enquanto outros, como Luiz Flávio Gomes, acreditam que a decisão vai entupir o judiciário de recursos.

Segundo Comparato, uma medida como essa só vem confirmar a necessidade de uma reforma urgente no sistema penal brasileiro, que tem excesso de recursos e tramitações extremamente lentas de processos judiciais. “É um escárnio. É inadmissível que isso esteja acontecendo. É imoral que os advogados procrastinem o processo dessa maneira. A defesa do réu deve ser feita com dignidade”, disse Comparato.

Entre os réus que o STF mandou soltar estão condenados por tentativa de estupro, estelionato, roubo e apropriação de bens e rendas públicas. Comparato citou casos como o do jornalista Antônio Pimenta Neves, assassino confesso da também jornalista Sandra Gomide, e do ex-governador e ex-deputado Ronaldo Cunha Lima, que depois de inúmeros recursos acabou tendo prescrito o crime de tentativa de assassinato do adversário Tarcício Burity.

Para o criminalista Fernando Castello Branco, ainda que a decisão pareça um desconforto à sociedade, o órgão cumpre o seu papel de respeito à Constituição Federal. Segundo ele, a medida é “extremamente legal”. Castello Branco explicou que, se o processo ainda não transitou em julgado, não há motivo para manter o réu preso.

“Considerando o princípio da presunção de inocência, não há motivo para manter o réu preso se o trâmite ainda não foi transitado em julgado. O STF tem que cumprir a lei”, disse o criminalista, acrescentando que casos graves, de estupro e crime contra a pessoa, por exemplo, devem ser tratados com prisões preventivas.

Já o jurista e doutor em direito penal pela Universidade de Madri, Luiz Flávio Gomes, acredita que a decisão vai lotar o Judiciário de recursos. Segundo ele, será difícil ter um réu que não queira recorrer da sentença. Para Gomes, a medida tomada pela corte, no entanto, foi acertada e correta, já que “como regra, todo cidadão tem o direito de ficar livre até que se esgotem as possibilidades de defesa”.

AMB diz que decisão é infeliz

O presidente da Associação de Magistrados do Brasil (AMB), Mozart Valadares Pires, lamentou ontem, em Curitiba, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de permitir a prisão apenas quando não couber mais recursos. Para ele, a decisão atrapalha ainda mais os serviços do Judiciário. “Temos maior respeito pelo STF, mas foi uma decisão infeliz. Em um país que tem índices de violência iguais aos que estamos passando, a sociedade insegura, e o Estado sem condição de protegê-la, com a população que paga uma carga tributária altíssima sem receber os serviços essenciais, a decisão do Supremo apenas cria uma expectativa de impunidade e de aumento da insegurança”, afirmou o magistrado em entrevista coletiva. “Aos criminosos, por outro lado, ela ainda passa a sensação de que matar não é problema, porque não vai ser preso ou punido”, completou.

Enfraquecimento

Outro problema apontado pelo presidente da AMB é o enfraquecimento das primeiras instâncias do Judiciário, em um momento em que a associação está direcionando esforços para a moralização e melhoria de serviços nessas áreas primárias do poder (veja matéria na página 16). “Uma das nossas metas é fortalecer o juiz da sentença do primeiro grau. Mais de 80% das sentenças de 1º grau são confirmadas nos tribunais superiores, o que mostra o acerto da sentença de primeiro grau”, afirmou.

Sobre a morosidade na tramitação de processos, Pires é um crítico do excesso de recursos previstos na legislação brasileira, afirmando que o modelo atual não reflete os anseios da sociedade. “Eu preciso poder entrar com uma ação tendo previsão de quando ela vai terminar, e não com a expectativa de que vou morrer sem ver meu direito sendo reconhecido”, disse.

André Lückman

Gazeta do Povo – 14-02-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
A Inconstitucionalidade da lei N.º 12.234/2010 (IV)
Em artigo publicado na Folha de São Paulo, muito apropriadamente intitulado "A pena é o processo", o mestre em Direito pela Universidade de Harvard (EUA) e professor de Direito Constitucional, Joaquim Falcão, observa que "o simples existir do processo ret
Lei de monitoramento eletrônico
Foi publicada a lei que autoriza o monitoramento eletrônico de condenados nos casos de saída temporária no regime semiaberto e de prisão domiciliar. Esse tipo de monitoramento poderá ser feito, por meio de pulseiras ou tornozeleiras. A Lei 12.258 está pub
Congresso - Novo código pode proibir juízes de dar entrevistas
Brasília - Juízes que manifestarem opinião à imprensa durante a tramitação de uma ação penal devem ser afastados imediatamente do caso, por suspeição. A sugestão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pode ser incorporada à reforma do Código de Processo P
STF mantém anistia a agentes da ditadura
Brasília - A anistia é ampla, geral e irrestrita. O Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu ontem que a Lei de Anistia é válida e, portanto, é impossível processar penalmente e punir os agentes de Estado que atuaram na ditadura e praticaram crimes contra
O monitoramento eletrônico de presos
O Código Penal brasileiro determina que o juiz estabelecerá a pena de modo suficiente a reprovar e a prevenir o crime. Portanto, adota-se em solo brasileiro a teoria mista ou unificadora sobre a finalidade da pena, estando assente que o Estado deverá prom
Nardonis vão ficar pelo menos 9 anos em regime fechado
O 2º Tribunal do Júri de São Paulo condenou, no fim da noite de ontem, o casal Alexandre Nardoni, e Anna Carolina Jatobá, pela morte de Isabella Nardoni, em março de 2008. Diante da decisão dos jurados, o juiz Maurício Fossen definiu as penas dos réus: 31
Mudança no código penal provoca reação de advogados e juízes
A reforma do Código de Processo Penal deverá ser aprovada pelo Senado até maio deste ano, mas já é alvo de críticas de entidades e j
Juiz nega novo júri aos condenados do caso Isabella
São Paulo - O juiz Maurício Fossen negou ontem o pedido dos advogados de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá para a realização de um novo julgamento do casal. No último dia 27 de março eles foram condenados pelo assassinato de I
Direito do advogado à prisão em sala de estado maior
No que diz respeito à prerrogativa contemplada no art. 7º, V, da Lei n. 8.906/1994 - Estatuto da Advocacia, interpretado constitucionalmente pelo STF na ADIN 1.127-8 ("São direitos do advogado [...] não ser recolhido preso, antes de sentença transitada em
CONTRA O TRIBUNAL DE JÚRI
O Tribunal do Júri está previsto na Constituição, como garantia para apurar a culpa ou a inocência dos réus acusados de crimes dolosos contra a vida.

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 5 de um total de 22 páginas

InícioAnterior1234567891011121314PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover