Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Governo cancela benefícios do programa Bolsa Família
Problemas na atualização do cadastro de famílias que recebiam o auxílio do programa Bolsa Família fizeram com que o...
Petróleo e homens sem livros
Monteiro Lobato estreou na literatura adulta com um livro de contos no qual aparece pela primeira vez o Jeca Tatu,...
veja mais

 

03/07/2008 - Alterações no Código de Processo Penal

Publicado em 03/07/2008 | JULIANO BREDA 
 
Foram sancionados recentemente três projetos de lei que alteram dispositivos do Código de Processo Penal brasileiro. As mudanças passam a vigorar em até sessenta dias com o claro propósito de imprimir maior celeridade aos procedimentos criminais. A primeira e importante crítica a ser feita refere-se ao fato de as alterações procurarem atacar unicamente a fase jurisdicional do procedimento, mas simplesmente omitirem qualquer tratamento novo do inquérito policial, etapa fundamental no trabalho de reconstituição do crime, que continua sendo um instrumento de estrutura inquisitória e profundamente arcaico.

Determinadas mudanças atendem, em linhas gerais, a uma reivindicação coletiva, como é o caso da alteração do complexo procedimento do júri, com a concentração dos atos processuais e a exclusão da possibilidade de novo júri em caso de condenação superior a 20 anos. Promoveu-se uma sensível simplificação dos quesitos submetidos aos jurados, que, depois de indagados a respeito da materialidade do fato e da prova da autoria, simplesmente responderão: “O jurado absolve o acusado?”. Esse projeto teve o comando decisivo do Professor René Dotti.

A Lei 11.690/2008 trata, fundamentalmente, de matéria probatória, mantendo, em síntese, com sutis mudanças, a inclinação inquisitória do Código atual, cujo modelo de inspiração é a legislação italiana, da época fascista de Mussolini, em que se incentiva a atuação do juiz na colheita de provas, ao contrário do sistema acusatório, de maior garantia, em que a responsabilidade probatória é outorgada exclusivamente às partes.
O art. 157 reproduz o comando constitucional (art. 5º, LVI, CF – são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos), mas seus parágrafos, no entanto, trazem as maiores novidades da lei, relativizando a regra constitucional.

O § 1º do art. 157, em homenagem à conhecida teoria dos “frutos da árvore envenenada”, proclama a inadmissibilidade das provas ilícitas por derivação, excepcionando duas situações: “quando não evidenciado o nexo de causalidade entre umas e outras, ou quando as derivadas puderem ser obtidas por uma fonte independente das primeiras”.
Na recente Conferência Estadual dos Advogados, defendi a inconstitucionalidade do § 1º do art. 157 da nova Lei, pela absoluta incompatibilidade com o inciso LVI do art. 5º da Constituição (são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos), ao admitir a utilização, em determinadas circunstâncias, de uma prova ilicitamente derivada.

As alterações introduzidas pela Lei 11.719/2008 imprimem nova conformação ao procedimento comum, apresentando-se, no entanto, em descompasso com a precária estrutura do Judiciário, sobretudo, no que diz respeito à Justiça Comum Estadual. Em nosso estado, é importante frisar, até hoje não se oferece aos cidadãos uma Defensoria Pública nos moldes definidos pela Constituição.

O § 1º art. 265, que prevê a possibilidade de adiamento da audiência na hipótese de impossibilidade do comparecimento justificado do advogado, não deve ser entendido como uma mera faculdade, mas verdadeira imposição, um dever do magistrado, em nome do princípio constitucional da ampla defesa. É direito do acusado ser assistido pelo advogado que escolher e se eventualmente o profissional, motivadamente, não pode participar do ato processual, o adiamento, desde que não comprometa a aplicação da lei penal, deve ser a solução adotada.

A consagração do princípio da identidade física do juiz (§ 2º do art. 399: o juiz que presidiu a instrução deverá proferir a sentença) exige uma estrutura funcional que, em princípio, o Judiciário não tem, em face da notória sobrecarga de trabalho, algo que, infelizmente, a lei não resolve, podendo agravar ainda mais a sensação de ineficácia do sistema criminal.
Além disso, não parece razoável exigir do magistrado, de acordo com o novo art. 403, o julgamento imediato da causa, após a oitiva de diversas testemunhas a respeito de um fato complexo, com intrincadas questões jurídicas. Esse açodamento judicial imposto pela lei pode, concomitantemente, atentar contra o direito de defesa e implicar na queda de qualidade da prestação jurisdicional. Em regra, o juiz deverá facultar às partes a apresentação de memoriais em cinco dias.

Importante, ainda, é a criação, pelo art. 397, do instituto da absolvição sumária se o juiz verificar, depois de apresentada a defesa prévia do acusado, a existência manifesta de causa excludente da ilicitude do fato, a existência manifesta de causa excludente da culpabilidade do agente, salvo inimputabilidade, que o fato narrado evidentemente não constitui crime ou extinta a punibilidade do agente.
O sucesso da reforma, cujo objetivo principal é tornar o processo penal mais célere, dependerá, ainda, da mudança do atual quadro de precariedade estrutural da Justiça Criminal de primeira instância e, sobretudo, da urgente alteração do inquérito policial, em busca de maior efetividade da investigação.

Juliano Breda é doutor em Direito, advogado criminal, conselheiro estadual da OAB/PR e secretário-adjunto do Grupo Brasileiro da Associação Internacional de Direito Penal.


Gazeta do  Povo – 03.07.208

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
A Inconstitucionalidade da lei N.º 12.234/2010 (IV)
Em artigo publicado na Folha de São Paulo, muito apropriadamente intitulado "A pena é o processo", o mestre em Direito pela Universidade de Harvard (EUA) e professor de Direito Constitucional, Joaquim Falcão, observa que "o simples existir do processo ret
Lei de monitoramento eletrônico
Foi publicada a lei que autoriza o monitoramento eletrônico de condenados nos casos de saída temporária no regime semiaberto e de prisão domiciliar. Esse tipo de monitoramento poderá ser feito, por meio de pulseiras ou tornozeleiras. A Lei 12.258 está pub
Congresso - Novo código pode proibir juízes de dar entrevistas
Brasília - Juízes que manifestarem opinião à imprensa durante a tramitação de uma ação penal devem ser afastados imediatamente do caso, por suspeição. A sugestão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pode ser incorporada à reforma do Código de Processo P
STF mantém anistia a agentes da ditadura
Brasília - A anistia é ampla, geral e irrestrita. O Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu ontem que a Lei de Anistia é válida e, portanto, é impossível processar penalmente e punir os agentes de Estado que atuaram na ditadura e praticaram crimes contra
O monitoramento eletrônico de presos
O Código Penal brasileiro determina que o juiz estabelecerá a pena de modo suficiente a reprovar e a prevenir o crime. Portanto, adota-se em solo brasileiro a teoria mista ou unificadora sobre a finalidade da pena, estando assente que o Estado deverá prom
Nardonis vão ficar pelo menos 9 anos em regime fechado
O 2º Tribunal do Júri de São Paulo condenou, no fim da noite de ontem, o casal Alexandre Nardoni, e Anna Carolina Jatobá, pela morte de Isabella Nardoni, em março de 2008. Diante da decisão dos jurados, o juiz Maurício Fossen definiu as penas dos réus: 31
Mudança no código penal provoca reação de advogados e juízes
A reforma do Código de Processo Penal deverá ser aprovada pelo Senado até maio deste ano, mas já é alvo de críticas de entidades e j
Juiz nega novo júri aos condenados do caso Isabella
São Paulo - O juiz Maurício Fossen negou ontem o pedido dos advogados de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá para a realização de um novo julgamento do casal. No último dia 27 de março eles foram condenados pelo assassinato de I
Direito do advogado à prisão em sala de estado maior
No que diz respeito à prerrogativa contemplada no art. 7º, V, da Lei n. 8.906/1994 - Estatuto da Advocacia, interpretado constitucionalmente pelo STF na ADIN 1.127-8 ("São direitos do advogado [...] não ser recolhido preso, antes de sentença transitada em
CONTRA O TRIBUNAL DE JÚRI
O Tribunal do Júri está previsto na Constituição, como garantia para apurar a culpa ou a inocência dos réus acusados de crimes dolosos contra a vida.

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 5 de um total de 22 páginas

InícioAnterior1234567891011121314PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover