Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


CUIDADO AO COMPRAR DE SITES DE VENDAS! FUJA DOS PREÇOS CONVIDATVOS! PODE SER UMA CILADA DE ESTELIONATÁRIOS DA INTERNET! PESQUISE ANTES, O NOME DO SITE
Para visualizar o conteúdo desta matéria clique no título da mesma.
Coluna do leitor
A Setran vai cancelar 53.310 multas (Gazeta, 28/8), não por vontade própria, mas porque tal fato já tinha sido...
veja mais

 

12/04/2010 - Nardonis vão ficar pelo menos 9 anos em regime fechado

O 2º Tribunal do Júri de São Paulo condenou, no fim da noite de ontem, o casal Alexandre Nardoni, e Anna Carolina Jatobá, pela morte de Isabella Nardoni, em março de 2008. Diante da decisão dos jurados, o juiz Maurício Fossen definiu as penas dos réus: 31 anos, 1 mês e 10 dias para o pai da menina e 26 anos e 8 meses para a madrasta. A defesa já recorreu, mas o casal continuará preso.

O casal Nardoni foi condenado por homicídio triplamente qualificado (meio cruel, sem defesa para a vítima e para assegurar impunidade em outro crime), além de fraude processual. Por esse crime, Nardoni e Anna Jatobá pegaram, cada um, mais 8 meses de prisão em regime semiaberto. Na sentença, Fossen afirmou que as penas ficariam acima da base definida no Código Penal em razão da "culpabilidade" do casal e das circunstâncias, em que os réus, disse, demonstraram "frieza emocional e insensibilidade acentuada".

Os dois choraram no anúncio da sentença, principalmente Anna Jatobá, que limpava as lágrimas com as algemas. Ela ficará detida em regime fechado pelos próximos nove anos, quando terá cumprido dois quintos da pena e poderá pedir o semiaberto. Nardoni terá de cumprir 11 anos de prisão antes de poder requerer o mesmo benefício.

O Estado do Paraná – 28-03-2010
 

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Devido processo administrativo “versus” devido processo criminal
Não se pode confundir o devido processo administrativo (ou disciplinar) com o devido processo criminal. Naquele apura-se uma infração administrativa (que só possibilita sanções administrativas
O CPP e a Lei Maria da Penha
O CÓDIGO de Processo Penal vigente, de 1941, encontra-se, em vários sentidos, em descompasso com a atual realidade jurídica e sociocultural do país. A comissão de juristas que elaborou o anteprojeto de reforma do CPP no Senado Federal, apresentado como pr
STF confirma poder de investigação do MP
Já conta com vários anos a polêmica sobre se o Ministério Público pode ou não presidir investigação criminal. Foi por meio do Inquérito 1968-DF que o assunto entrou em pauta no Pleno do
Reflexões sobre o Promotor investigador e perspectivas de reforma do Processo Penal
Cotejando-se a dignidade da pessoa humana como premissa central do sistema jurídico de cunho democrático e considerando-se o fracasso do inquérito policial, não há dúvidas sobre a tendência das legislações contemporâneas em atribuir ao Ministério Público
STF limita prazo para autoridade depor
O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu limitar em 30 dias o prazo para que autoridades arroladas como testemunhas em ações penais - a do mensalão, por exemplo- usem a prerrogativa de marcar data e local para serem ouvidas. Se durante esse prazo as teste
STF decide que MP pode fazer investigações criminais
São Paulo - A 2.ª Turma de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o Ministério Público (MP) tem competência para realizar investigações criminais, por sua iniciativa e sob sua direção, para formar convicção sobre determinado delito – desd
Prisão especial: quem tem direito?
Discutida desde 1937, quando foi instituida como o artigo 295 do Código de Processo Penal, a prisão especial é um tema controverso. Em abril deste ano, a Comissão de Justiça do Senado aprovou a extinção do benefício que, no último dia 12 de agosto, também
Qual a razão da pergunta?
O interrogatório do acusado é considerado uma cerimônia de autodefesa. Ninguém é obrigado a produzir provas contra seus interesses ou a confessar de forma não espontânea. Torturas físicas ou psicológicas, nas suas mais variadas modalidades, são considerad
Ação penal. Denúncia...
Ação penal. Denúncia. Rejeição pelo juízo de primeiro grau. Recebimento em recurso em sentido estrito. Repúdio ao fundamento da decisão impugnada. Acórdão carente de fundamentação sobre os outros aspectos da inicial. Nulidade processual caracterizada. Não
Novas formas de proteção legal da vítima do crime (I)
A Constituição de 1988 admite a ação penal privada nos crimes de ação pública se esta não for intentada no prazo legal (art. 5.º, LIX), recepcionando o art. 29 do Código de Processo Penal. É a consagração do acesso da vítima ou ofendido à jurisdição penal

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 7 de um total de 22 páginas

InícioAnterior12345678910111213141516PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover