Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Cotas 1 - Cotas 2 - Barulho excessivo - Escolinha - Inoperante
Um professor que teve carta publicada em 2/3 parece estar desinformado sobre o sistema de cotas sociais, que abrange...
Loja vende seguro não solicitado e se nega a consertar som com defeito CLIENTE TAM NÃO RECEBE PONTOS DE VIAGENS -LEITORA TEME PERDER GARANTIA DE T -
Paula Bisconcini reclama do tratamento dado pelas Casas Bahia a uma cliente da loja, Francisca Marques do Nascimento. De...
veja mais

 

14/05/2009 - Reforma sugere processo penal com dois juízes

Anteprojeto em discussão no Senado atualiza o Código de Processo Penal, criado por Getúlio Vargas em 1941. Intenção é que proposta seja votada ainda neste ano

 

“É uma inversão de lógica – ao invés de a testemunha ir à delegacia, a polícia vai atrás dele. É uma sugestão que nasceu dos próprios policiais e que vai permitir que vários inquéritos possam ser encerrados em até um dia.” Jacinto Nelson de Miranda Coutinho, advogado

A comissão de juristas formada para sugerir mudanças no Código de Processo Penal propôs a divisão de trabalhos entre dois juízes no decorrer das ações judiciais. A ideia é que um magistrado cuide da etapa de investigação do crime e o outro fique responsável pela sentença. A alteração garantiria a imparcialidade do julgamento.

O tema foi tratado na terça-feira passada durante audiência pública no Senado. O evento reuniu os nove responsáveis pela proposta de reforma – entre eles, o advogado paranaense Jacinto Nelson de Miranda Coutinho. O texto gira em torno de oito itens (ver box ao lado), transformados em um anteprojeto de lei.

O material foi entregue há duas semanas ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Além da criação do “juiz de garantia”, que atuaria apenas na primeira fase do processo, as sugestões englobam o fim do foro privilegiado para autoridades e a restrição para permanência de acusados na prisão antes da condenação.

Outra proposta relevante é a elevação do número de membros do Tribunal do Júri – de sete para oito. O objetivo é evitar que o réu seja considerado culpado por apenas um voto de diferença (em casos de empate, ele seria absolvido).

O texto também aumenta a quantidade de medidas cautelares à disposição dos juízes. Atualmente, essas ferramentas jurídicas podem ser utilizadas em apenas três situações – prisão provisória, fixação de fiança ou detenção domiciliar. A proposta acrescenta outras oito possibilidades, entre elas a suspensão do exercício de função pública, a interrupção das atividades das empresas e a proibição de frequentar determinados locais públicos.

Agilidade

Para Miranda Coutinho, que é professor de Direito Processual Penal da Universidade Federal do Paraná, as mudanças darão mais agilidade ao sistema judiciário brasileiro. Ele destaca a medida que permite que agentes policiais interroguem testemunhas fora da delegacia.

“É uma inversão de lógica – ao invés de a testemunha ir à delegacia, a polícia vai atrás dele. É uma sugestão que nasceu dos próprios policiais e que vai permitir que vários inquéritos possam ser encerrados em até um dia”, afirmou.

O advogado também destacou que a proposta reforça o conceito de presunção de inocência. “A intenção é só colocar na cadeia os culpados, evitar a punição antecipada.”

O código em vigência atualmente foi criado em 1941, por Getúlio Vargas, e tem vários pontos conflitantes com a Constituição de 1988. A meta da comissão era adaptar um novo modelo processual aos princípios constitucionais.

A partir de agora, o anteprojeto será encaminhado a uma comissão especial de senadores. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Demóstenes Torres (DEM-GO), cobrou rapidez na nomeação dos membros do grupo para que a proposta possa ser votada ainda neste ano.

Ele também se comprometeu a pedir ao presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), que nomeie uma comissão especial simultânea de deputados. A proposta precisa ser votada pelas duas casas antes de ser encaminhada à sanção presidencial.

As propostas

Veja os principais pontos da reforma penal

1 – Dois juízes – Cria a figura do “juiz de garantia”, que participaria apenas da fase de investigação do crime. Um outro magistrado seria responsável pelo julgamento e pela sentença, o que aprimoraria a imparcialidade do processo.

2 – Foro privilegiado – A proposta extingue a prerrogativa de foro de autoridades que atualmente podem ser julgadas apenas em tribunais superiores.

3 – Menos recursos – Prevê a possibilidade de realização de um só recurso em cada instância do Poder Judiciário. Na prática, seriam permitidos no máximo três recursos.

4 – Interrogatórios – Permite aos agentes policiais interrogar testemunhas fora da delegacia.

5 – Prisões provisórias – Impõe um limite de no máximo 180 dias para detenção de acusados antes da condenação. Hoje a jurisprudência é de 81 dias, mas há muitos réus presos por mais de 1 ano.

6 – Desburocratização – Aproxima o Ministério Público da Polícia Judiciária. Ou seja, elimina a necessidade de que procuradores e promotores dialoguem com a polícia por meio do juiz.

7 – Medidas cautelares – Estabelece a criação de mais nove possibilidades de cautelares, como suspensão do exercício de função pública; interrupção das atividades de empresas e proibição de frequentar determinados locais públicos. Atualmente, há cautelares apenas para prisão provisória, fixação de fiança ou detenção domiciliar.

8 – Mais jurados – Aumenta de sete para oito o número de jurados. O propósito é evitar que um réu seja condenado pela diferença de apenas um voto. Se der empate, ele é absolvido.

Gazeta do Povo – 11-05-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Direito de presença nas audiências: STF viola CADH
O direito de o réu se defender pessoalmente compreende também o direito de presença (direito de estar fisicamente presente, de forma direta ou remota, o que se tornou possível por meio da videoconferência) durante todo processo, mas, sobretudo, nas audiên
Devido processo administrativo “versus” devido processo criminal
Não se pode confundir o devido processo administrativo (ou disciplinar) com o devido processo criminal. Naquele apura-se uma infração administrativa (que só possibilita sanções administrativas
O CPP e a Lei Maria da Penha
O CÓDIGO de Processo Penal vigente, de 1941, encontra-se, em vários sentidos, em descompasso com a atual realidade jurídica e sociocultural do país. A comissão de juristas que elaborou o anteprojeto de reforma do CPP no Senado Federal, apresentado como pr
STF confirma poder de investigação do MP
Já conta com vários anos a polêmica sobre se o Ministério Público pode ou não presidir investigação criminal. Foi por meio do Inquérito 1968-DF que o assunto entrou em pauta no Pleno do
Reflexões sobre o Promotor investigador e perspectivas de reforma do Processo Penal
Cotejando-se a dignidade da pessoa humana como premissa central do sistema jurídico de cunho democrático e considerando-se o fracasso do inquérito policial, não há dúvidas sobre a tendência das legislações contemporâneas em atribuir ao Ministério Público
STF limita prazo para autoridade depor
O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu limitar em 30 dias o prazo para que autoridades arroladas como testemunhas em ações penais - a do mensalão, por exemplo- usem a prerrogativa de marcar data e local para serem ouvidas. Se durante esse prazo as teste
STF decide que MP pode fazer investigações criminais
São Paulo - A 2.ª Turma de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o Ministério Público (MP) tem competência para realizar investigações criminais, por sua iniciativa e sob sua direção, para formar convicção sobre determinado delito – desd
Prisão especial: quem tem direito?
Discutida desde 1937, quando foi instituida como o artigo 295 do Código de Processo Penal, a prisão especial é um tema controverso. Em abril deste ano, a Comissão de Justiça do Senado aprovou a extinção do benefício que, no último dia 12 de agosto, também
Qual a razão da pergunta?
O interrogatório do acusado é considerado uma cerimônia de autodefesa. Ninguém é obrigado a produzir provas contra seus interesses ou a confessar de forma não espontânea. Torturas físicas ou psicológicas, nas suas mais variadas modalidades, são considerad
Ação penal. Denúncia...
Ação penal. Denúncia. Rejeição pelo juízo de primeiro grau. Recebimento em recurso em sentido estrito. Repúdio ao fundamento da decisão impugnada. Acórdão carente de fundamentação sobre os outros aspectos da inicial. Nulidade processual caracterizada. Não

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 7 de um total de 22 páginas

InícioAnterior12345678910111213141516PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover