Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


'Uruguai dá bom exemplo ao descriminalizar aborto', diz leitor
O Brasil deve seguir o bom exemplo dos uruguaios: deixar de ser conservador, de permanecer no atraso, e se livrar de vez...
Coluna do Leitor
Causou espanto a declaração de um dos estudantes que invadiram a Reitoria da USP de que teriam sido vítimas de repressão...
veja mais

 

11/06/2008 - Novas regras valem em 60 dias

Dispositivos que buscam dar rapidez à Justiça são considerados um avanço, mas juristas temem que o exercício da ampla defesa seja prejudicado
Publicado em 10/06/2008 | Themys Cabral 

O pacote de mudanças no Código de Processo Penal foi sancionado ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os novos procedimentos, que passam a compor o rol de regras que regulam a aplicação do Direito Penal, entram em vigor 60 dias depois da publicação (prevista para hoje) no Diário Oficial da União. A maior parte dos dispositivos tem sido considerada um avanço. Uma das novas regras, entretanto, é considerada polêmica e de difícil aplicação, o que poderá colocar em xeque o objetivo principal das mudanças, que é dar celeridade à Justiça: a diminuição pela metade do tempo dos processos criminais. Para juristas, a medida poderá comprometer o exercício da ampla defesa.

Trata-se da regra que concentra em uma única audiência as cinco fases do processo: interrogatório do réu, depoimentos das testemunhas de acusação, depoimentos das testemunhas de defesa, diligências e alegações finais. O juiz poderá até proferir sentença na mesma audiência. A expectativa é dar mais rapidez à Justiça, já que, até então, havia uma audiência para cada fase.
O que muda

Principais mudanças no Código de Processo Penal sancionadas ontem:
Redução do número de audiências.
 Deixa de haver julgamento automático para quem receber pena superior a 20 anos.
 Não será permitida a leitura de peças processuais depois da apresentação do relatório pelo presidente do Tribunal do Júri.
 Mudam as questões a serem respondidas pelo júri popular.
 Juízes criminais poderão decidir, além da pena aos réus, o valor da indenização a que as vítimas têm direito.

 O juiz que acompanha o processo, ouve testemunhas e colhe provas deve ser o mesmo responsável pela sentença.
 Passa a ser lei a jurisprudência consagrada que permite ao réu condenado a prisão recorrer à instância superior em liberdade.
 Aprovada a utilização de tornozeleiras eletrônicas para monitorar detentos que cumprem pena em regime semi-aberto. 
Provas obtidas ilicitamente não serão válidas.
 O juiz poderá absolver logo no início do processo o réu, caso a denúncia não tenha bases legais consistentes.
Caso a nova norma já estivesse em vigor, os depoimentos das testemunhas de acusação do caso Isabella Nardoni, por exemplo, marcados para 17 e 18 de junho, já poderiam ter sido tomados no último dia 28, data dos interrogatórios dos acusados da morte da menina, Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá.
Para o professor de Direito Processual Penal da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Adriano Bretas, a concentração em uma única audiência pode comprometer o exercício da ampla defesa, já que não se sabe antecipadamente sobre as acusações. “É bem-vinda a preocupação com a celeridade da Justiça, mas a Justiça precipitada é tão injusta quanto a Justiça atrasada”, afirma.

“É temerária e impraticável, na maioria das vezes, esta proposta”, afirma o juristaRené Ariel Dotti.
Outra preocupação é que, se uma testemunha de acusação faltar, não poderão ser ouvidas todas as testemunhas da defesa, pois há uma seqüência para os depoimentos. “Com o réu solto, hoje, a audiência seria remarcada só para 2009”, diz o juiz de direito do Tribunal do Júri, Rogério Etzel. “Com essa mudança, o juiz não conseguirá marcar outra audiências para o mesmo dia. Caso uma testemunha falte, o juiz poderá perder uma tarde inteira, por exemplo.”

O doutor em Direito Penal pela Universidade Federal do Paraná Juliano Breda avalia positivamente a nova medida, mas teme que a aplicação não seja possível. “Se a medida pudesse ser implementada seria uma grande revolução, mas não sei se será possível.”
Também deixa de haver julgamento “automático” para quem receber pena superior a 20 anos. Um exemplo é o caso do fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura. Condenado a 30 anos de prisão no primeiro julgamento pela morte da missionária norte-americana Dorothy Stang, o fazendeiro foi absolvido no segundo julgamento.
Dotti é favorável à alteração. “Este recurso existia desde a época do Império, para as penas de morte e prisão perpétua, ou seja, casos extremos. Não se justifica mais esse recurso”, opina. Bretas tem ressalvas. “Pelos contornos atuais parece um grande avanço, mas, em certos casos, acho que deveria ser mantida a possibilidade. Por exemplo, quando a votação do júri fosse 4 a 3, o que significa que o colegiado está dividido.”

Uma mudança que está sendo comemorada é a alteração da votação pelo júri popular. Com a nova regra, serão três perguntas: se o crime ocorreu, se o réu foi autor e se ele é inocente ou culpado. Dependendo do caso, pode haver mais dois quesitos: se há atenuantes ou qualificadoras. Até então, os jurados eram obrigados a responder a perguntas que envolviam questões técnicas de Direito.
Outra mudança é que a partir de agora o juiz que acompanha um processo, ouve testemunhas e colhe provas será o mesmo responsável pela sentença. Os juízes criminais poderão decidir, além da pena, o valor da indenização a que as vítimas têm direito – tarefa antes reservada à esfera cível.

Gazeta do Povo – 10.06.2008

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  Gazeta do Povo
Imprimir   enviar para um amigo
Novas formas de proteção legal da vítima do crime (I)
A Constituição de 1988 admite a ação penal privada nos crimes de ação pública se esta não for intentada no prazo legal (art. 5.º, LIX), recepcionando o art. 29 do Código de Processo Penal. É a consagração do acesso da vítima ou ofendido à jurisdição penal
Sugestões de modificação do anteprojeto do Novo Código de Processo Penal
Art. 9º A autoridade competente para conduzir a investigação criminal, os procedimentos a serem observados e o seu prazo de encerramento serão definidos em lei.
Inconstitucionalidade da execução da pena de prisão
Encontramos expresso na Carta Magna da República Federativa do Brasil, que instituíu o Estado Democrático Direito: "não haverá penas cruéis, infamantes e degradantes" (art. 5.º, inc. xlvii, "e" CF/
O excesso de linguagem na pronúncia e a Lei N.º 11.689/08
O presente ensaio abordará questão referente à pertinência da discussão de excesso de linguagem na decisão de pronúncia, após a reforma pontual do Código de Processo Penal (Lei n.º 11.689/08
O valor probatório das "provas" provenientes de atos de investigação
RESUMO: Contrapondo-se aos alarmantes índices criminais, os quais influenciam a sociedade a exigir o rigor na resposta Estatal como forma de coibir tais ocorrências, a atuação das Ciências Penais na pós - modernidade visa evitar alternativas exclusivament
Sobre Madoff, inveja e soluções
A RÁPIDA e pesada condenação do financista vigarista Bernard Madoff a 150 anos de prisão e seu imediato recolhimento à cadeia (onde, aliás, já estava, mesmo antes da sentença) mereceu de Clóvis Rossi primorosa coluna nesta Folha, sob o sugestivo título "M
O improbus litigator no processo penal
Utilizando-se de analogia legis, um magistrado aplicou elevada multa a advogado, com base nos artigos 14 e 17 do Código de Processo Civil, por ter se utilizado de meio impugnativo impróprio, no exercício da defesa de um condenado por tentativa de homicídi
Tribunais de justiça ou do júri... (I)
O artigo 57, § 4.º, da Constituição do Estado do Paraná, preceitua: "Os deputados serão submetidos a julgamento perante o Tribunal de Justiça do Estado". Assim, todo e qualquer processo a que venha responder um parlamentar estadual, a competência será do
Foro privilegiado em xeque
Estátua da Justiça em frente do prédio do Supremo Tribunal Federal, em Brasília: corte recebe as ações contra o presidente e vice-presidente da República, deputados federais, ministros e outras autoridades. Porém, o STF nunca condenou um congressista
Reforma sugere processo penal com dois juízes
A comissão de juristas formada para sugerir mudanças no Código de Processo Penal propôs a divisão de trabalhos entre dois juízes no decorrer das ações judiciais. A ideia é que um magistrado cuide da etapa de investigação do crime e o outro fique responsáv

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 8 de um total de 22 páginas

InícioAnterior1234567891011121314151617PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover