Palavra Chave:


Conheça mais
    Faça sua reclamação
    Direitos de Família
    Direito Penal
    Direito Civil
    Direito Trabalhista
    Direito do Consumidor
    Direito Previdenciário
    Polícia
    Política
    Direito Procesual Civil
    Direito Previdenciário
    Direito Processual Penal
    Sua Saúde
    Noticias
    QUEM SOMOS
Arquivos
    Publicações
    Petições


Pergunta de internauta ao nosso site
Sr José, Dia 24/11 comprei um aparelho de son R$  200,00 da gradiente a loja informou que tinha so 3 dias para troca,...
Cliente se queixa de repetição de brindes em produto da Nestlé
Adriano diz que chegou a comprar cinco caixas do produto e todas eram acompanhadas pelo mesmo boneco -o Duende Verde. Em...
veja mais

 

03/06/2009 - Tribunais de justiça ou do júri... (I)

Elias Mattar Assad

O artigo 57, § 4.º, da Constituição do Estado do Paraná, preceitua: "Os deputados serão submetidos a julgamento perante o Tribunal de Justiça do Estado". Assim, todo e qualquer processo a que venha responder um parlamentar estadual, a competência será do Órgão Especial do TJPR, frente ao que dispõe o artigo 12 do CODJ/PR e artigo 83, alínea "A", do RITJPR.

Ocorre que a Constituição Federal, em seu artigo 5.º, inc. XXXVIII, enuncia: "É reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados: d)- a competência para julgamento dos crimes dolosos contra a vida;"

O problema reside na seguinte indagação: considerando o princípio da hierarquia das normas, prevalece o foro da prerrogativa de função, previsto exclusivamente na Constituição Estadual, quando se trata de competência constitucional federal do tribunal do júri?

Na sessão plenária de 24/9/2003, o Supremo Tribunal Federal, interpretando os artigos 5.º, XXXVIII, "d", e 125, § 1.º, da Constituição Federal de 1988, tendo como precedentes: (DJ de 4/12/1992 - RTJ 143/925); HC 79212 (DJ de 17/9/1999; RTJ 171/264); HC 78168 (DJ de 29/8/2003), adotou o entendimento do enunciado da Súmula 721, verbis:

"A competência constitucional do tribunal do júri prevalece sobre o foro por prerrogativa de função estabelecido exclusivamente pela Constituição Estadual" (fonte de publicação: DJ de 9/10/2003, p. 7; DJ de 10/10/2003, p. 7; DJ de 13/10/2003, p. 7).

Portanto, em princípio, há prevalência da competência do tribunal do júri, sobre o "foro especial por prerrogativa de função", quando estabelecido apenas em constituições estaduais de acordo com o entendimento do Supremo.

As constituições estaduais, inclusive a do Paraná, no seu artigo 57 e seguintes, previam algumas hipóteses dos deputados não poderem ser processados criminalmente sem prévia licença da Assembléia Legislativa. Vejamos: "Os deputados são invioláveis por suas opiniões, palavras e votos. § 1.º. Desde a expedição do diploma, os deputados não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável, nem processados criminalmente, sem prévia licença da Assembléia Legislativa. § 2.º. O indeferimento do pedido de licença ou a ausência da deliberação suspende a prescrição enquanto durar o mandato. § 3.º. No caso de flagrante de crime inafiançável, os autos serão remetidos, dentro de 24 (vinte e quatro) horas, à Assembléia Legislativa, para que a mesma, pelo voto secreto da maioria de seus membros, resolva sobre a prisão e autorize, ou não, a formação de culpa. § 4.º. Os deputados serão submetidos a julgamento perante o Tribunal de Justiça do Estado.

§ 5.º Os deputados não serão obrigados a testemunhar sobre informações recebidas ou prestadas em razão do exercício do mandato, nem sobre as pessoas que lhes confiaram ou deles receberam informações".

Muitas destas disposições foram alteradas a partir da Emenda Constitucional n.º 35, de 20 de dezembro de 2001, que deu nova redação ao artigo 53 da Constituição Federal. Trataremos disto nas próximas semanas.

Elias Mattar Assad é advogado criminalista. eliasmattarassad@yahoo.com.br

O Estado do Paraná – 31-05-2009

Inserida por: Dr. Espirito Santo fonte:  O Estado do Paraná
Imprimir   enviar para um amigo
Novas formas de proteção legal da vítima do crime (I)
A Constituição de 1988 admite a ação penal privada nos crimes de ação pública se esta não for intentada no prazo legal (art. 5.º, LIX), recepcionando o art. 29 do Código de Processo Penal. É a consagração do acesso da vítima ou ofendido à jurisdição penal
Sugestões de modificação do anteprojeto do Novo Código de Processo Penal
Art. 9º A autoridade competente para conduzir a investigação criminal, os procedimentos a serem observados e o seu prazo de encerramento serão definidos em lei.
Inconstitucionalidade da execução da pena de prisão
Encontramos expresso na Carta Magna da República Federativa do Brasil, que instituíu o Estado Democrático Direito: "não haverá penas cruéis, infamantes e degradantes" (art. 5.º, inc. xlvii, "e" CF/
O excesso de linguagem na pronúncia e a Lei N.º 11.689/08
O presente ensaio abordará questão referente à pertinência da discussão de excesso de linguagem na decisão de pronúncia, após a reforma pontual do Código de Processo Penal (Lei n.º 11.689/08
O valor probatório das "provas" provenientes de atos de investigação
RESUMO: Contrapondo-se aos alarmantes índices criminais, os quais influenciam a sociedade a exigir o rigor na resposta Estatal como forma de coibir tais ocorrências, a atuação das Ciências Penais na pós - modernidade visa evitar alternativas exclusivament
Sobre Madoff, inveja e soluções
A RÁPIDA e pesada condenação do financista vigarista Bernard Madoff a 150 anos de prisão e seu imediato recolhimento à cadeia (onde, aliás, já estava, mesmo antes da sentença) mereceu de Clóvis Rossi primorosa coluna nesta Folha, sob o sugestivo título "M
O improbus litigator no processo penal
Utilizando-se de analogia legis, um magistrado aplicou elevada multa a advogado, com base nos artigos 14 e 17 do Código de Processo Civil, por ter se utilizado de meio impugnativo impróprio, no exercício da defesa de um condenado por tentativa de homicídi
Foro privilegiado em xeque
Estátua da Justiça em frente do prédio do Supremo Tribunal Federal, em Brasília: corte recebe as ações contra o presidente e vice-presidente da República, deputados federais, ministros e outras autoridades. Porém, o STF nunca condenou um congressista
Reforma sugere processo penal com dois juízes
A comissão de juristas formada para sugerir mudanças no Código de Processo Penal propôs a divisão de trabalhos entre dois juízes no decorrer das ações judiciais. A ideia é que um magistrado cuide da etapa de investigação do crime e o outro fique responsáv
O Art. 28 do Código de Processo Penal e a independência funcional dos membros do Ministério Público
"Só, na verdade, quem pensa certo, mesmo que, às vezes, pense errado, é quem pode ensinar a pensar certo. E uma das condições necessárias a pensar certo é não estarmos demasiado certos

Total de Resultados: 216

Mostrando a página 8 de um total de 22 páginas

InícioAnterior1234567891011121314151617PróximoFinal

  Cadastre seu email e receba as novidades do reclamando.com.br
Cadastrar | Remover